PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Handebol afasta árbitros após ofensas racistas e assédio em transmissão

Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

17/09/2021 19h12

A Confederação Brasileira de Handebol (CBHb) afastou dois árbitros que foram flagrados fazendo comentários com teor racista e homofóbico contra um treinador e em tom de assédio sexual contra jogadoras que participavam de um jogo do Campeonato Brasileiro Junior Feminino, na quarta-feira (16), em Sorocaba, no interior de São Paulo. A entidade se nega a informar o nome deles, mas o Olhar Olímpico apurou que um deles seria Adriano Alves Rocha.

O torneio está sendo transmitido por lives amadoras no Instagram de Lucilla Vianna, ex-jogadora da seleção olímpica, hoje assessora esportiva da CBHb. Na quinta, enquanto jogavam as equipes de Araraquara e Centro Olímpico, foi possível ouvir uma série de ofensas que teriam partido de dois árbitros que trabalhavam como mesário da partida.

Sobre Robison Santos, técnico do Unicesumar/Sesi/Fundesport Handebol, de Araraquara, um dos árbitros teria dito, de acordo com relatos, que ele é "mal vestido, seboso e nojento". A transmissão também vazou um comentário homofóbico sobre o mesmo treinador.

Durante a partida, um desses mesários teria dito, segundo esses relatos, que determinada jogadora de Araraquara é "gostosinha". Também foram feitos comentários sobre as atletas do Centro Olímpico, que, segundo os árbitros, eram magras e engordaram.

Apesar da baixa audiência (36 pessoas assistiam a um jogo no começo da noite desta sexta), as ofensas geraram repercussão imediata, com a CBHb sendo pressionada a tirar os árbitros de Sorocaba, onde estavam hospedados no mesmo hotel que as equipes. Pouco tempo depois, o vídeo foi retirado do Instagram de Lucila.

Em nota, o presidente da CBHb, Felipe Rêgo Barros, disse que a entidade afastou os árbitros em definitivo da competição e de forma cautelar do quadro da confederação. Também foi solicitada que Lucila, que é diretora do Comitê de Política para as Mulheres do Handebol, destaque um representante do órgão para acompanhar de perto todo o caso. Além disso, o episódio será comunicado ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), de acordo com Barros.

"A confederação repudia qualquer ato de preconceito e/ou desrespeito, seja dentro ou fora de quadra. Não podemos concordar ou aceitar comportamentos que não condizem com o handebol brasileiro. Como desportistas, precisamos dar exemplo e contribuir para uma sociedade cada vez mais igual e justa", disse a entidade, na mesma nota. A CBHb, vale lembrar, nunca sequer discutiu punir seu último presidente, Ricardo Santos, acusado de assédio sexual por uma funcionária. Barros chegou à presidência como aliado de Ricardinho.

O Centro Olímpico soltou nota afirmando "repudiando os atos ocorridos na competição, em que atletas da nossa equipe foram vítimas de comentários machistas, desairosos e inconvenientes proferidos por dois integrantes do corpo de arbitragem" e se colocando à disposição das atletas.

No dia seguinte, o jogo do time de Araraquara foi postergado, para ser o último da programação. Antes de a bola rolar, as jogadoras dos dois times ajoelharam e levantaram os pulsos, em protesto. No vídeo abaixo é possível ver Robison, o treinador ofendido, também protestando no banco. Nas redes sociais, diversos clubes postaram mensagem contra o assédio e o racismo.