PUBLICIDADE
Topo

Marília Ruiz

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Marília Ruiz: Gaciba responde sobre polêmicas do VAR com "nada a declarar"

Marília Ruiz

Tenho 20 anos de jornalismo esportivo: 5 Copas do Mundo, 4 Olimpíadas, muitos Brasileiros, alguns Mundiais e várias Copinhas. Neste blog seguirei fazendo isso: escrevendo sobre futebol. Sem frescura. Sem mimimi. Para versões oficiais dos clubes e atletas, recomendo procurar as assessorias de imprensa.

15/02/2021 09h28

O VAR foi protagonista das duas partidas envolvendo os principais candidatos a título do Brasileiro-20: em São Januário estava "descalibrado"; no Maracanã, estava, digamos, com delay.

O primeiro gol do Inter sobre o Vasco não foi checado pela linha eletrônica porque, que azar, coincidentemente no mesmo momento o equipamento eletrônico falhou.

Exato, falhou. A descalibragem é um lindo nome para indicar que o equipamento não funcionou quando deveria.

No Maracanã, as tais linhas, que corrigiriam os ângulos das imagens, mais uma vez tardaram mais do que a paciência e a credibilidade do processo podem aguentar.

Os pós-jogos, claro, foram também protagonizados pelo o que VAR causou.

Procurado por esse blog e pela produção do programa do "Terceiro Tempo" da Band, Leonardo Gaciba, presidente da Comissão de Arbitragem da CBF, por meio de sua assessoria de imprensa, respondeu assim ao pedido de entrevista/comentário sobre o que havia acontecido nos jogos disputados no Rio: "Nada a declarar."

Só isso. Depois, por meio de nota oficial no site da entidade (falar às claras não parece ser uma das prioridades da comissão), até como resposta ao pedido de anulação da partida feito pelo Vasco, a Comissão de Arbitragem defendeu-se dizendo que teria checado o lance do gol do Internacional apesar da falha do equipamento. Isso mesmo que você acabou de ler.

Bom, se o Gaciba não tem nada a declarar, eu tenho: por que é que temos que acreditar cegamente em uma tecnologia que a própria CBF já admitiu falhar mais de uma vez neste mesmo campeonato?

Por quê?

Eu me reservo o direito de ser cética em relação ao uso de uma tecnologia falível, de forma pouco transparente e sem critério definido/declarado/explicado por seres humanos também falíveis.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL