PUBLICIDADE
Topo

Gabriel Vaquer

NOTÍCIA

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Band procura antigos patrocinadores da Fórmula 1 na Globo e espera resposta

Lewis Hamilton na Fórmula 1: Band busca antigos patrocinadores da categoria na Globo - Anadolu Agency/Getty Images
Lewis Hamilton na Fórmula 1: Band busca antigos patrocinadores da categoria na Globo Imagem: Anadolu Agency/Getty Images
Gabriel Vaquer

Gabriel Vaquer cobre mídia esportiva desde 2014. No UOL Esporte, conta detalhes do evento onde seu time joga e onde seu profissional de TV esportiva favorito vai trabalhar.

12/02/2021 14h00

Com contrato assinado para transmitir a Fórmula 1 até 2022, a Band agora precisa viabilizar comercialmente as transmissões da principal categoria de automobilismo do mundo. A emissora foi atrás dos patrocinadores que tinham cotas de publicidade com a Globo no ano passado e consultou se havia interesse em migrar de emissora para manter o contato com a F1.

Em 2020, foram cinco cotistas principais da F-1 na Globo: Cervejaria Petrópolis (Itaipava), Nivea, Renault, Santander e TIM. O blog apurou que, antes mesmo da assinatura com a Liberty Media, a Renault já havia sido contatada pela Band e acenou positivamente para o projeto. As outras quatro foram procuradas após o fechamento do acordo.

A prioridade tem explicação: os anunciantes sempre deixaram claro para a Liberty Media que anunciariam na categoria, independentemente do canal de transmissão em TV aberta em 2021. O preço de cota na Band, até por ter um alcance de audiência menor do que na Globo, será menor.

No ano passado, a Globo pediu R$ 98,950 milhões em tabela —pouco mais do que os R$ 95,1 milhões cobrados por cota na temporada de 2019. Das seis cotas disponibilizadas, cinco foram vendidas. O faturamento foi próximo a marca de R$ 500 milhões.

As marcas consultadas ainda não deram resposta. Caso prefiram não investir nas transmissões da Band, que começam em março, a emissora irá abrir a busca a todo o mercado. No modelo de negócio do contrato, Band e Liberty dividem lucros com as cotas adquiridas por esses patrocinadores.

No contrato, a Band se compromete a fazer uma transmissão em diversas plataformas — em TV aberta, internet e rádio. O fato agradou a Liberty Media, que não queria abrir mão da exibição de corridas em uma rede aberta no Brasil. Além da F1, a Band também transmite a Fórmula 2 e a Fórmula 3 no BandSports, seu canal esportivo na TV por assinatura.