Diego Garcia

Diego Garcia

Siga nas redes
Reportagem

Áudio racista é de candidato corintiano alvo de CPI, diz perícia

Uma perícia realizada em cinco áudios que circulam em grupos de WhatsApp e nas redes sociais confirmam que comentários polêmicos, com teor racista e machista, são feitos pelo candidato da oposição à presidência do Corinthians Augusto Melo. Um dos arquivos, inclusive, foi parar na CPI da Violência e Assédio Sexual Contra Mulheres.

A coluna teve acesso à perícia e também aos áudios, que teriam sido gravados por volta de 2018, quando ele estava no União Barbarense, time do interior paulista. Em um deles, ele chama uma cozinheira do clube de "gorda" e "negrona". Em outro, diz que "quem assiste futebol são os homens", após dizer que "homem que paga" o plano de saúde de, supostamente, uma mulher não identificada.

"Quem paga o plano de saúde não é o marido ou o namorado, o pai ou filho, sei lá, é homem que paga. Quem assiste futebol são os homens", diz Augusto Melo no áudio. "É os de sempre, né? A gorda ali em cima, a negrona, a cozinheira...", afirma, em outro. Ambos foram parar na Câmara Municipal de São Paulo.

O trabalho técnico realizado pelo perito Leocadio Casanova, do Centro de Perícias Curitiba LCX, disse que os áudios "suportam fortemente a hipótese" de que a voz dos arquivos em questão é mesmo de Augusto Melo. O resultado obtido teve a nota 3+, a segunda mais alta possível no estudo. A conclusão foi feita após análise de entrevista do candidato na televisão.

Em outros três áudios analisados pela perícia, o candidato supostamente negocia divisão de pagamentos e comissões em negociações envolvendo atletas. Não é possível saber com quem são as conversas. A perícia deu a esses arquivos de som a nota 4+, a mais alta possível, concluindo que "suportam muito fortemente a hipótese" de serem de Augusto Melo.

Todos os áudios já haviam sido divulgados pelo Blog do Paulinho. Em entrevistas, Augusto Melo apontou que são conversas antigas, de quando não fazia mais parte das categorias de base do Corinthians, onde foi assessor entre 2015 e 2017.

Nesta quarta, Augusto Melo foi intimado por possível crime de racismo por conta dos comentários feitos nos áudios. A vítima dos comentários também será chamada para depor. Segundo a Folha, em outubro, Melo gravou um vídeo com a cozinheira que teria sido xingada no qual ela veste a camisa de sua campanha e diz que ele é "uma pessoa bacana" e "muito respeitador".

Em contato com a coluna, Augusto Melo classificou a realização do trabalho técnico como "desespero" dos rivais na eleição.

Foi o vereador Milton Leite (União Brasil) - candidato a vice na chapa da situação, que tem André Negão como candidato a presidente - quem fez o pedido à CPI de Violência e Assédio Sexual. O requerimento à comissão foi feito pela vereadora Sandra Tadeu (União Brasil).

Continua após a publicidade

"Atribuíamos esses fatos ao desespero e à apelação de um grupo que há 16 anos vive do Corinthians e que, com a proximidade do dia 25, desestabilizou-se e perdeu completamente os limites diante da iminência de derrota nas urnas. Não vai ter golpe", disse Melo. Ele classificou a perícia como "uma forma de desviar o foco da questão principal".

Em nota, o candidato ainda apontou que fez uma representação no Ministério Público pelo uso da Câmara Municipal para tentar manipular a eleição do Corinthians."Leite foi flagrado em vídeo no qual pressiona e constrange seus colegas para que convocassem Augusto Melo a depor em uma CPI. O ponto alto e que sustenta a denúncia de improbidade dolosa e abuso de poder é o trecho no qual ele fala com todas as letras: 'Convoca ele (Augusto) evidentemente antes do dia 25 (data das eleições)'", apontou Melo, no comunicado.

Reportagem

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes