PUBLICIDADE
Topo

Clodoaldo Silva

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

A 11 dias do maior show de esporte paralímpico e diversidade do mundo

Treino do Atletismo em Hamamatsu, cidade-sede da delegação Brasileira para aclimatação antes dos Jogos Paralímpicos de Tóquio - ALE CABRAL/CPB
Treino do Atletismo em Hamamatsu, cidade-sede da delegação Brasileira para aclimatação antes dos Jogos Paralímpicos de Tóquio Imagem: ALE CABRAL/CPB
Conteúdo exclusivo para assinantes
Clodoaldo Silva

Clodoaldo Silva é o primeiro ídolo do esporte paralímpico brasileiro. Um dos maiores nadadores do mundo, é dono de 14 medalhas (6 ouros, 6 pratas e 2 bronze) paralímpicas. Também é palestrante, empresário, atuante na área de inclusão das pessoas com deficiência e comentarista do esporte paralímpico.

13/08/2021 04h00

Faltam 11 dias para a abertura dos Jogos Paralímpicos de Tóquio e eu já estou contando as horas. E vocês? Depois de tantas dificuldades por causa da situação pandêmica mundial, está bem perto do maior multievento esportivo paralímpico ocorrer. Um show de diversidade que vai muito além do esporte. Ele representa a importância da inclusão social e da valorização dos atletas paralímpicos. Com as Paralimpíadas, entra em jogo também o reconhecimento das habilidades das pessoas com deficiência e o debate sobre diferentes questões que envolvem o direito desses indivíduos na sociedade. Por isso eu sou apaixonado pelas Paralimpíadas.

Como já informei anteriormente, o Brasil conta com uma equipe de 260 atletas (incluindo atletas sem deficiência como guias, calheiros, goleiros e timoneiro), sendo 164 homens e 96 mulheres (Veja mais números da delegação aqui).

Susto na delegação brasileira

A delegação brasileira já está em solo japonês e fazendo aclimatação. Um dos 53 integrantes que embarcou primeiro para o Japão testou positivo para o novo coronavírus. Por este motivo, 52 atletas foram, em um primeiro momento, a partir do dia 6 de agosto, isolados e impossibilitados de treinar. Todos eles testaram negativo para o vírus, mesmo assim ficaram proibidos de treinar. Depois do susto, a equipe foi liberada para treinar nessa quinta-feira (12). Entre os isolados estava Daniel Dias, o maior medalhista brasileiro em paralimpíadas. Em suas redes sociais, o atleta se pronunciou e defendeu que todos pudessem fazer os treinamentos. O Comitê Organizador dos Jogos liberou os treinos para os atletas brasileiros. Confira o vídeo gravado por Daniel:

O time do nosso país ainda está se adaptando aos horários e clima quente do Japão. A equipe de atletismo, que conta com o maior número de participantes brasileiros, sofreu os efeitos do calor nos primeiros treinos no estádio do Ytsuike Park, no Distrito Naka.

Esquentando para os Jogos

Para esquentar mais ainda a contagem regressiva para os Jogos Paralímpicos de Tóquio, eu reuni abaixo informações importantes sobre a competição. Confira os dados:

Cerimônia de abertura ocorrerá no próximo dia 24 de agosto no Estádio Nacional do Japão, às 8h (de Brasília).

Número de países - Estima-se que teremos o maior número da história com 168 países

Número de atletas - cerca de 4.400

Participação recorde de mulheres

Assim como os Jogos Olímpicos, os Paralímpicos irão bater o recorde de participação de atletas mulheres. De acordo com critérios de classificação do IPC, 40,5% de todos os atletas serão mulheres. Isso equivale a 1.782 atletas, um aumento em relação às 1.671 mulheres que competiram no Rio 2016 (38,6%).

susana - ALE CABRAL/CPB - ALE CABRAL/CPB
Susana Schnarndorf durante o primeiro treino de natação, no ToBio Aquatic Center, em Hamamatsu, Japão, para a Paralimpíadas de Tóquio.
Imagem: ALE CABRAL/CPB

Modalidades e eventos

Os Jogos contarão com 22 modalidades. Duas serão inauguradas em Tóquio: o para badminton e o para taekwondo. Serão realizados 539 eventos em 21 locais.

Confira todas as modalidades aqui

Confira os locais aqui

Medalhas

Para ajudar as pessoas com deficiência visual a reconhecer as diferentes medalhas paralímpicas de Tóquio 2020 pelo toque, uma série de recortes circulares foram incluídos na lateral das medalhas pela primeira vez na história. Um recuo representa ouro, dois distinguem prata e três identificam bronze. Letras em braile também soletram "Tóquio 2020" no rosto das medalhas.

Símbolo dos Jogos

O símbolo paralímpico (três Agitos) também será exibido no Parque Marinho de Odaiba, na costa da Baía de Tóquio. Ele consiste em três elementos em vermelho, azul e verde — as três cores mais amplamente representadas nas bandeiras nacionais em todo o mundo. Os três Agitos (do latim que significa "Eu me movo") circundando um ponto central simbolizam o movimento, enfatizam o papel do Movimento Paralímpico em reunir atletas de todos os cantos do mundo para competir.

Divulgação e transmissão

Após a Rio 2016, o IPC conduziu uma pesquisa com várias emissoras da Rights Holding para ver quais esportes eles gostariam de mostrar ao vivo em jogos futuros. Com todas as emissoras também expressando o desejo de mostrar mais esportes ao vivo, o IPC trabalhou com a Tóquio 2020 e a OBS para aumentar o escopo da transmissão dos Jogos.

Quatorze dos 22 esportes serão cobertos ao vivo e, pela primeira vez, ao ar livre esportes como triatlo, ciclismo de estrada e maratona de atletismo também se beneficiarão com a cobertura em tempo real. Ao que tudo indica, as emissoras e, consequentemente, o público de todo o mundo terão acesso ainda maior aos esportes paralímpicos nos Jogos de Tóquio. Na Rio 2016 recordes de transmissão foram batidos. Os Jogos foram cobertos por televisão, rádio e canais on-line. Um recorde de 154 países divulgaram o evento que foi assistido por uma audiência de TV acumulada recorde de 4,1 bilhões de pessoas.

Abraços aquáticos a todos e excelente sexta-feira

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL