PUBLICIDADE
Topo

André Rocha

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Rocha: Flamengo deve aceitar a nova proposta do Al Hilal por Michael

Michael, do Flamengo, parte para cima durante jogo do Corinthians - Thiago Ribeiro/AGIF
Michael, do Flamengo, parte para cima durante jogo do Corinthians Imagem: Thiago Ribeiro/AGIF
só para assinantes
André Rocha

André Rocha é jornalista, carioca e colunista do UOL. Trabalhou também para Globoesporte.com, Lance, ESPN Brasil, Esporte Interativo e Editora Grande Área. Coautor dos livros "1981" e "É Tetra". Acredita que futebol é mais que um jogo, mas o que acontece no campo é o que pauta todo o resto. Contato: anunesrocha@gmail.com

Colunista do UOL Esporte

16/01/2022 08h54

O Al Hilal vai disputar o Mundial de Clubes e, para reforçar o elenco comandado pelo treinador português Leonardo Jardim, fez uma proposta ao Flamengo de cerca de oito milhões de dólares à vista pelo atacante Michael. O clube brasileiro recusou, mas deixando uma janela aberta para outro "lance" do time árabe pelo jogador.

A nova proposta deve chegar na segunda-feira e é uma grande oportunidade. Para o jogador, que vai completar 26 anos em março e deve ter a maior chance da carreira de realizar a independência financeira. Contrato de três anos e salário bem superior ao que recebe no Brasil.

Para o Flamengo é a hora de reaver os 7,5 milhões de euros que pagou ao Goiás desde a contratação em janeiro de 2020. Considerando as tabelas de conversões daquela época e de agora das duas moedas em relação ao real, os valores ficam bem próximos, em cerca de 45 milhões de reais. Se o Al Hilal subir a proposta à vista, melhor ainda para o time rubro-negro.

Sim, Michael foi o artilheiro do Flamengo no último Brasileiro, com 14 gols. O grande destaque individual da "Era Renato Gaúcho" no clube. Está mais maduro, adaptado ao clube e, no time de Paulo Sousa, pode exercer a função de ala pela esquerda, ocupando o corredor inteiro. Auxilia Filipe Luís atrás e se aproxima do trio ofensivo atacando bem aberto.

A questão é que o Fla já sinalizou que não quer mais um estilo "anárquico" de jogar. Sousa planeja um forte trabalho coletivo, ocupando o campo de ataque. Para isso precisa de inteligência para criar espaços. É aí que Michael falha.

O próprio jogador já afirmou que não sabe explicar as decisões que toma em campo. Seu estilo é totalmente intuitivo, aleatório. Assim desequilibrou várias partidas no Brasileiro, mas também desperdiçou a chance de decidir a final da Libertadores com uma finalização mais precisa ou um passe consciente para Bruno Henrique, que estava livre na área do Palmeiras.

Jorge Jesus pretendia desenvolver o potencial do ponteiro contratado ao Goiás. A proposta de jogo do treinador português era um meio-termo entre a aleatoriedade de Renato Gaúcho e a organização ofensiva mais rígida de Domènec Torrent e Rogério Ceni. Paulo Sousa segue uma linha mais próxima desses dois últimos e a tendência é Michael voltar a ter dificuldades de adaptação a um jogo mais "racional".

Por isso a oportunidade não deve ser desperdiçada. É liberar Michael, agradecendo pelos serviços prestados, e usar o dinheiro para atender as demandas do elenco para 2022. Inclusive um ponteiro mais adaptado aos conceitos do ataque posicional. Abrindo o campo e forte no confronto direto com os defensores.

Quem sabe Soteldo, que jogou com Jorge Sampaoli no Santos dentro desse modelo e se destacou em 2019?