PUBLICIDADE
Topo

André Rocha

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Estratégia de Zidane garante Real Madrid no clássico e vivo na liga

André Rocha

André Rocha é jornalista, carioca e colunista do UOL. Trabalhou também para Globoesporte.com, Lance, ESPN Brasil, Esporte Interativo e Editora Grande Área. Coautor dos livros "1981" e "É Tetra". Acredita que futebol é mais que um jogo, mas o que acontece no campo é o que pauta todo o resto. Contato: anunesrocha@gmail.com

10/04/2021 18h39

Zinedine Zidane novamente soube armar o Real Madrid de acordo com o contexto e a demanda de "El Clássico", no Alfredo Di Stéfano. Estratégia simples e eficiente, mesmo com desfalques importantes, principalmente na última linha defensiva.

A solução foi posicionar Lucas Vázquez e Valverde pela direita para fechar os espaços para as infiltrações de Jordi Alba. Do lado oposto, Mendy esperava Sergio Dest. Por dentro, Militão, Nacho e Casemiro negavam a profundidade a Dembelé e o jogo entrelinhas a Messi.

Bola roubada, transição em velocidade com Vinícius Júnior de novo como grande escape pela esquerda para cima de Mingueza, um dos três zagueiros do Barcelona com Araújo e Lenglet.

Trio que contribuía pouco na construção e sobrecarregava Busquets e De Jong para fazer a bola chegar na frente. Deixava os ataques do time visitante mais previsíveis e marcáveis.

Com 31% de posse, o time merengue finalizou oito vezes, três no alvo. Golaço de Benzema completando de letra a boa jogada de Valverde e Vázquez pela direita. No segundo, Kroos batendo falta que desviou em Dest e entrou.

Barça teve a bola e concluiu seis vezes. Messi apareceu em dois escanteios: primeiro a cobrança fechada pela direita que bateu no travessão e depois aparecendo livre na área para concluir em cima de Courtois.

Griezmann entrou na volta do intervalo, substituindo Dest, Mingueza foi para a lateral, com Ronald Koeman saindo do 3-5-2 para o 4-3-3. O francês abria pela esquerda, mas vinha para dentro arrastando Odriozola, que entrou na vaga de Vázquez, lesionado. Assim abria espaços para Jordi Alba, que passou a encontrar espaços para as ultrapassagens.

O lateral esquerdo chegou ao fundo e serviu Mingueza, que foi às redes em chute de canela e fez o Barça enfim ter o domínio real da partida. Foram 12 finalizações na segunda etapa, o dobro do primeiro tempo. Real concluiu só seis, nenhuma na direção da meta do Ter Stegen.

Zidane optou por trocar pensando na volta das quartas da Champions contra o Liverpool. Descansar Kroos, Benzema e Vinicius Júnior foi arriscado, mas Marcelo, dobrando no lado esquerdo com Mendy, teve a chance de resolver o jogo.

O enrosco de Mendy com Braithwaite rendeu polêmica - este que escreve não marcaria o pênalti. Já a expulsão de Casemiro foi justa, apesar da grande atuação do volante brasileiro. No último ataque, chute no travessão de Moriba para tornar tudo ainda mais emocionante. Com muita chuva em Valdebebas a partir do final do primeiro tempo.

Vitória que encerra a invencibilidade de 19 partidas do Barcelona na Liga. E embola de vez a disputa pelo título. O Real Madrid teve semana gigante, assume provisoriamente a ponta e vai buscar as taças. Com Zidane encaixotando o rival e rodando o elenco com inteligência. Tem que respeitar.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL