PUBLICIDADE
Topo

Prêmio Ecoa: Cinco ações do finalista Bruno Gagliasso para um futuro melhor

Bruno Gagliasso depois da quarentena - Reprodução/Instagram
Bruno Gagliasso depois da quarentena Imagem: Reprodução/Instagram

De Ecoa, em São Paulo (SP)

19/11/2021 06h00

Bruno Gagliasso é muita coisa: pai, ator, empreendedor. Dá para dizer também que é um ativista incessante, sem receio de encarar problemas complexos e planos ambiciosos. Entre eles, o plantio de milhares de árvores em um terreno onde poderia erguer qualquer empreendimento — a escolha foi por um rancho sustentável.

Quando convocado pela ONU, foi até Moçambique ver as semelhanças entre a infância das crianças brasileiras e as moçambicanas. Com uma ONG ambiental, sobrevoou a Amazônia e viu de perto os incêndios que diminuem sua exuberância e biodiversidade. Após a experiência, mudou o rumo da própria vida dali em diante e abriu mão do lucro: desfez a sociedade que tinha em uma hamburgueria badalada.

Bruno Gagliasso é também um dos finalistas, escolhido pelo público, ao Prêmio Ecoa na categoria Vozes que Ecoam. Além dele, foram indicados Ailton Krenak, Christiane Torloni, Lázaro Ramos e Marina Silva. O campeão será definido pelo público.

Para votar, é só ir até o final do texto ou clicar aqui. A votação se encerra no dia 21 de novembro.

Para apresentar a trajetória de Gagliasso, Ecoa listou cinco iniciativas do ator que ecoam para um mundo melhor.

Embaixador da educação

Em dezembro de 2020, Gagliasso se tornou embaixador do Unicef, o Fundo das Nações Unidas para a Infância da ONU. Mas o trabalho com a instituição já existia há anos. Em 2019, o ator fez uma campanha para arrecadar doações para crianças e adolescentes vítimas de dois ciclones que arrasaram Moçambique, na África. Além disso, viajou até o país falante de português para conhecer o trabalho do Unicef com a infância.

Bruno Gagliasso posa com garotinha em Moçambique - @brunogagliasso/Instagram - @brunogagliasso/Instagram
Bruno Gagliasso posa com garotinha em Moçambique
Imagem: @brunogagliasso/Instagram

No ano seguinte, o ator abriu as próprias redes sociais para promover o Festival de Infâncias e Adolescências Negras para seus milhões de seguidores. A ideia era conscientizar pais, crianças e adolescentes sobre o racismo não só no continente africano, mas no Brasil. Os filhos do ator nasceram no Malawi, e Bruno manteve laços com Moçambique.

"Muita gente vem me perguntar 'Unicef é gringa? Só ajuda África?'. Não, o maior campo de atuação do Unicef é no Brasil. Então, quando se ajuda a Unicef, você está ajudando muito o Brasil, isso é importante a gente falar", diz.

Vai plantar 100 mil árvores em cinco anos

O plano de Gagliasso é ambicioso: plantar 100 mil árvores em cinco anos em um terreno em Paraíba do Sul, no Rio de Janeiro. Será uma verdadeira floresta formada por árvores nativas. Inicialmente o objetivo era bem menor. "Tenho como meta plantar uma árvore para cada dia de vida", calcula, "eu vou plantar 14.600 árvores até meus 40 anos, e depois disso eu vou sempre plantar 360 árvores por ano", disse para Ecoa antes de atualizar a meta. Os números impressionam: em um só final de semana, foram 1.500 mudas. Recentemente, ele prometeu atingir as 100 mil árvores antes do esperado. O dia a dia do plantio é compartilhado com frequência nas redes sociais.

Abriu mão de dinheiro quando parou de comer carne

Gagliasso era sócio da rede de hamburguerias norte-americana Burger Joint. Ou seja: tinha muita grana envolvida. Mesmo assim, o ator chamou uma reunião com os sócios para comunicar que estava de saída. O motivo? Ele havia parado de comer carne. "Como é que eu paro de comer carne e vendo carne? Saí do negócio, não fazia sentido. O que eu vou falar para meus filhos?", contou em primeira mão a Ecoa sobre a decisão.

O fim da sociedade não foi uma questão de paladar. A decisão aconteceu após Gagliasso conhecer a Amazônia e, principalmente, vê-la em chamas. Ali, percebeu que nós também somos parte da natureza e precisamos respeitar todas as vidas geradas na Terra. "Acho que você passa a se preocupar mais com você mesmo, porque da mesma maneira que a gente trata a natureza de uma outra forma, você também se entende como natureza e passa a cuidar de você mesmo."

Bruno Gagliasso compartilhou momento nas redes sociais - Reprodução/Instagram @brunogagliasso - Reprodução/Instagram @brunogagliasso
Bruno Gagliasso compartilhou momento de plantio nas redes sociais; meta é tornar rancho em floresta no interior do Rio de Janeiro
Imagem: Reprodução/Instagram @brunogagliasso

Foi conhecer a Amazônia de perto

O ator passou a olhar para dentro de si de uma maneira diferente quando viu os incêndios que destruíram a Amazônia durante uma viagem com o Greenpeace. Foi o começo de uma série de tomadas de decisões, como o plantio de 100 mil árvores no terreno batizado como Rancho da Montanha, no interior do Rio de Janeiro. A viagem para conhecer o bioma mais famoso em nosso país o incentivou a pensar mais no próximo e nas futuras gerações. Enfim, foi um estímulo para entender as próprias responsabilidades no mundo.

"Um dos motivos pelos quais estou tão envolvido nessa luta e nesse desafio e nesse desafio que é mais do que plantar, é despertar esse sentimento nos meus filhos, nos amigos deles, nos alunos da escola lá de perto, de quem está me assistindo"

Bruno Gagliasso, ator

Apoio à vida dos animais

Desde 2017, há animais em proteção graças às doações feitas por Gagliasso e pela mulher, Giovanna Ewbank. O casal doou R$ 120 mil para a criação de um recinto de 300 metros quadrados para grandes animais em Jundiaí, no interior de São Paulo. O dinheiro foi doado para a Associação Mata Ciliar, que tinha dificuldade para custear o atendimento e ampliar o espaço para abrigar espécies como onças, então vítimas de maus tratos.

Desde lá, Gagliasso está engajado na causa animal. Entre as instituições apoiadas estão a Ampara Animal e o Instituto Vida Livre. Em 2020, por exemplo, o ator estrelou um calendário ilustrado da Ampara, que resgata animais domésticos e silvestres — e abriu mão do cachê para continuar a incentivar o trabalho.

Vote também na categoria Fizeram História que reúne 14 pessoas que descobriram coisas, lutaram por causas, desafiaram padrões e deixaram contribuições relevantes para a construção de um mundo melhor, mais justo, diverso e sustentável. Conheça a história de cada uma delas aqui em Ecoa e vote abaixo na sua favorita.

A premiação nasceu para reconhecer e impulsionar as histórias e soluções de quem está na linha de frente da transformação social no Brasil. O Prêmio ECOA quer agregar valor tanto às iniciativas, pessoas e empresas indicadas quanto para a sociedade brasileira, amplificando as vozes que são silenciadas e construindo pontes entre agentes de transformação, audiência e a sociedade, de forma propositiva e inspiradora.