PUBLICIDADE
Topo

Educação

150 mil professores da rede estadual terão capacitação em saúde mental

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Juliana Vaz

Colaboração para o Ecoa, de São Paulo

30/08/2020 04h00

Dentre os abismos sociais sobre os quais a pandemia jogou luz, um deles está na área da educação. Enquanto as aulas à distância se tornaram realidade na rede particular e pública escolar, marcada por dificuldades de acesso à internet de qualidade e acesso a computadores, os professores acabaram assumindo papel de atores coadjuvantes nessa história, quando deveriam ser protagonistas.

Por mais que a educação tenha mudado e incorporado tecnologias digitais, ferramentas de comunicação e pesquisa mais eficazes e dinâmicas, a importância do professor no processo de ensino e aprendizagem se mantém. "Se antes o professor era visto como 'mestre do saber', hoje é o 'mediador do conhecimento', com um lugar central na estrutura do processo de ensino. Assim, tudo o que diz respeito ao seu bem-estar diz respeito ao quanto valorizamos a educação e quanto respeitamos este profissional fundamental para o desenvolvimento da sociedade", atesta Fátima Lima, diretora de Sustentabilidade e da Fundación MAPFRE.

Criado em um momento pré-pandemia, a Fundación Mapfre desenvolveu o Programa Viver com Saúde, que aborda temas como saúde infantil, alimentação saudável e a prática regular de atividades físicas entre crianças e jovens. O projeto desenvolveu ainda um eixo chamado sobre saúde mental voltado para os educadores, em parceria com Secretaria da Educação do Estado de São Paulo.

"Considerando que na Espanha a Fundación MAPFRE já atua na produção de informação e conhecimento relacionados ao bem-estar emocional, e esta expertise poderia contribuir para a melhoria do cenário da escola pública paulista, foi estabelecido um termo de colaboração para a implantação do eixo Saúde Mental dentro do programa Viver com Saúde", diz Fátima.

A primeira capacitação foi realizada em junho e voltada aos gestores regionais (vice-diretores e professores mediadores) do Conviva SP, programa de melhoria da convivência e proteção escolar do governo de São Paulo. Uma segunda edição prevista para setembro, envolverá a formação dos profissionais das 91 Diretorias de Educação do Estado de São Paulo. As diretorias distribuídas por toda a cidade, agregam 5.148 escolas da rede estadual - cada uma delas já recebeu o guia sobre saúde mental. A edição da capacitação acontecerá em novembro com a realização de um seminário, a princípio, também à distância. Ao todo, serão 150 mil professores.

É claro que ninguém previa viver uma pandemia em 2020. Portanto tudo teve que ser repensado. Os conteúdos falam sobre bullying, sinais de depressão e sobre violência. "A princípio, o desafio foi encontrar formas de abordar a temática de saúde mental, sem despertar o preconceito inerente ao tema. Felizmente, a equipe de especialistas teve plena aceitação e o engajamento dos professores, que abraçaram a causa", diz ela.

Como todo o planejamento havia sido feito antes da pandemia de Covid-19, Fátima explica que tiveram então que adaptar as atividades presenciais para o formato online e criar uma metodologia que conseguisse atender às mais de 5 mil escolas do Estado de SP. "A princípio, havíamos elaborado um caminho que passava pela possibilidade da Formação de Formadores, para capacitar os coordenadores pedagógicos. Esses, por sua vez, capacitam os professores, que levariam a proposta aos alunos, como uma cascata de informação."

Transferidas para o digital, as temáticas sobre os impactos da pandemia na saúde mental foram incluídos no material pedagógico para responder às demandas específicas deste novo momento. Afinal, os professores estão vivenciando uma realidade desconhecida. "Temas como depressão, ansiedade, medo, angústia; e a pandemia trouxe questões à tona. A saúde mental dos profissionais de educação contribui para que eles reconheçam e trabalhem suas emoções e, assim, tenham competência socioemocional para lidar com as extremas pressões a que são submetidos diariamente. Entendemos que a saúde mental dos professores compõe o que a Organização Mundial da Saúde conceitua como saúde, ou seja: 'saúde não é apenas a ausência de doença, mas o perfeito bem-estar físico, mental e social'", afirma a diretora.

Esse pilar do programa foi desenvolvido em parceira com a Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) juntamente com a área técnica da Secretaria de Educação estadual. O Saúde Mental, do Viver com Saúde, foi inserido no já existente Conviva SP, criado em 2019, que tem a proposta tornar a escola um ambiente solidário, colaborativo, acolhedor e seguro com aproximação entre os serviços de assistência e saúde mental e acompanhamento às equipes docentes.

Modelo poderia ser adotado pelo poder público

O programa tem duração de um ano e, ao final desse período, pretendemos fazer uma avaliação de percurso e resultados que devem apontar as temáticas que deveremos abordar no segundo ano de trabalho, que ainda não tem previsão de início.

"Pelos resultados alcançados até o momento, acreditamos que o modelo poderia ser adotado pelo poder público. Contamos com uma metodologia e conteúdos capazes de atender às demandas de outros estados e municípios brasileiros sobre esse tema tão importante e atual, como a saúde mental."

Entre as atividades, esteve a realização de seminário online com especialistas como, Anderson da Silva Rosa, professor do Departamento de Saúde Coletiva da Escola Paulista de Enfermagem Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) e pró-reitor de assuntos Estudantis da UNIFESP, Adriana Fóz, especialista em Psicopedagogia e Neuropsicologia, Alcione Marques, pedagoga e psicopedagoga em aprimoramento em Reabilitação Cognitiva e Eduardo Lopes, psicólogo, psicodramatista e professor de Psicodrama e Dinâmicas de grupo.

Foi desenvolvido também material específico dentro da formação continuada da Aula Trabalho Pedagógico Coletivo (ATPC), que são as horas semanais dedicadas à formação dos professores. Nesse conteúdo, os professores têm em mãos as orientações necessárias para o desenvolvimento de atividades em aula para os alunos.

Educação