PUBLICIDADE
Topo

Fred Di Giacomo

O blues da sertaneja que ganhou o Jabuti e uma eleição no louco 2020

 Cida Pedrosa de volta a Bodocó para celebrar seu Prêmio Jabuti - Sennor Ramos/Divulgação
Cida Pedrosa de volta a Bodocó para celebrar seu Prêmio Jabuti Imagem: Sennor Ramos/Divulgação
Fred Di Giacomo

Caipira punk de Penápolis, sertão paulista, Fred Di Giacomo é escritor e jornalista. Foi editor e professor na Énois, escola de jornalismo para jovens de periferia, onde editou o "Prato Firmeza: guia gastronômico das quebradas de SP" (finalista do Prêmio Jabuti). Seu primeiro romance "Desamparo" (Reformatório, 2018) foi finalista do Prêmio São Paulo de Literatura e um dos vencedores do Edital Para Publicação de Livros da Cidade de São Paulo. Nesta coluna, propõe um espaço para refletir, investigar e divulgar o trabalho de artistas do interior, sertões, pampas e florestas que se encontram longe demais de grandes capitais.

10/12/2020 04h00

Sol intenso queima. Bolhas do pé da menina doem. Caminhou, descalça e sozinha, seis quilômetros. É a travessia inteira da escola, na cidade de Bodocó (PE), para o sítio em que os pais criam bodes, plantam algodão, feijão e outras miudezas. O pai sempre lendo seus livros de velho oeste, quando não na lida do campo. Sem televisão no sertão de Pernambuco àquela altura para entreter a doze irmãos que se esparramam pelo sítio. A mãe, que a alfabetizou em casa, conta as histórias tristes. O pai; as fantásticas.

Havia um homem que construía os cochos para os animais que era também um excelente narrador e adaptava contos infantis e clássicos do cordel para a oralidade.

"Eu tive uma formação absolutamente culta por outras vias, pela via oral. Parte de Dante (Alighieri) eu sabia pelas histórias orais".

Voltemos à menina. A menina Maria Aparecida Pedrosa Bezerra fugiu da escola em Bodocó, onde mora com um irmão mais velho, para o sítio dos pais, no Sertão do Araripe. É pequerrucha, mas já rebelde e determinada. Adora tapioca e paçoca de carne. A família toda chove preocupação ao constatar que a sertanejazinha, virgem de cidade, não estava na escola. Onde se metera Cida

Hoje, primavera de 2020, a menina voltou a Bodocó de carro. Passaram-se anos. Quantos? Mais de 50. O caminho, hoje, não foi Bodocó-sertão, como no trajeto da fuga da escola. Foi litoral-Bodocó.

Mora em Recife a menina-mulher desde os 14 anos. O livro que a consagrou é também sobre o trajeto mar-sertão. "Solo para vialejo" (CEPE Editora, 2019) foi premiado duplamente no Prêmio Jabuti 2020 (o principal prêmio literário brasileiro): melhor livro de poesia e melhor livro do ano. Nunca antes um escritor de pernambuco havia vencido a categoria "livro do ano", no Jabuti. Repetiu o feito do poeta cearense Maílson Furtado, em 2018, que divide com Cida a vida no interior do nordeste e a vivência como poeta independente.

Como sabemos, a grande vencedora do Jabuti deste ano não nasceu em 2020. Mas 2020 vai ficar gravado em sua história. Foi o ano em que ela abocanhou 100 mil reais no maior prêmio da nossa literatura e também foi o ano em que ela elegeu-se vereadora, pelo PC do B, na cidade de Recife. 2020 foi um ano duro e cheio de retrocessos, mas também foi o ano em que Cida Pedrosa, uma mulher de talento e luta, consagrou-se poeta e política sob um céu de blues. Além do grande prêmio literário e da eleição, Cida lançou um novo livro em 2020, seu décimo. A pandemia lhe inspirou a rabiscar um ebook composto de haicais e fotos cotidianas chamado "Estesia", onde seu cãozinho Bob Marley é um dos protagonistas.

Ela está feliz com essas conquistas individuais?

"Eu me sinto uma pessoa que passa o tempo inteiro em busca da minha identidade e da identidade nacional. Eu não acredito em felicidade porque felicidade é um projeto coletivo. Você não pode ser feliz enquanto o coletivo urra. Então você tem instantes de felicidade. O Brasil é tão absurdamente belo, tão absurdamente rico, este país é pra você se desesperar do quanto ele tem de incrível do ponto de vista de sua cultura e seus saberes. Mas nossos governantes insistem o tempo inteiro em dar as costas para isso. Isso é projetado, é o desmonte da nossa cultura".

Nesse dia Bodocó faltou pouco pra virar

Cida Pedrosa - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Na primeira foto da vida de Cida, ela segura o sobrinho no colo, aos 6 anos
Imagem: Arquivo pessoal

A entrevista com a poeta Cida Pedrosa estava marcada para sexta-feira (4), mas Cida precisou adiá-la. Estava na estrada, voltando de Bodocó para o Recife. A festança havia sido animada. A cidadezinha de 37 909 habitantes celebrava a vitória da ilustre filha da "terra do leite e do queijo" no maior prêmio literário brasileiro. Cida, que já publica desde 1982, foi festejada por violeiros locais e amigos que tocavam "Negro Amor" versão blueseira de Caetano Veloso e Péricles Cavalcanti para o clássico de Bob Dylan "It's All Over Now, Baby Blue". "Negro Amor" tem papel importante no musical "Solo para Vialejo."

Cida - Divulgação - Divulgação
Capa de 'Solo para Vialejo' de Cida Pedrosa
Imagem: Divulgação

Aliás, não só "Negro Amor". O blues é espinha dorsal no épico que levou Cida a ser consagrada no Prêmio Jabuti. A inspiração para o trabalho, que tomou dois anos em sua costura, foi uma foto antiga da Jazz Band União Bodocoense, da década de 1940.

A odisseia blues-agreste canta a história de Bodocó (cidade do sertão que já havia sido transformada em música pelos mestres João do Valle e Luiz Gonzaga). Seu início é narrado pela voz coletiva dos indígenas locais. Do litoral ao sertão, assistimos o extermínio dos seus nativos, a diáspora africana forçada e os alumbramentos da infância de Cida. Tudo intercalado com "samplers" de canções e textos (como a carta de Pero Vaz de Caminha), pequenas biografias e anedotas de músicos de blues; refrões que se repetem.

Há também inserções de concretismos que nos lembram que, mesmo brincando nos campos clássicos da épica, Cida tem os três pés cravados na contracultura, nas vanguardas e no experimentalismo.

É difícil não fazer um paralelo com de "Solo para Vialejo" com "à cidade" do poeta Maílson Furtado, ela também um longo poema épico sobre a cidade do poeta, localizada no interior do nordeste. Maílson, assim como Cida, foi vencedor do Jabuti nas categorias "Melhor livro de poesia" e "Livro do Ano", em 2018. Ambos farão uma live, na FLIPELÔ, com o tema "Poesia épica dos Brasis: o longo fôlego na contemporaneidade".

No cafundó de Bodocó

cida pedrosa - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Primeira comunhão de Cida Pedrosa.
Imagem: Arquivo pessoal

Em Bodocó havia um bar que vendia, além da alegria artificial habitual, quadrinhos e discos. Foi lá que Cida apaixonou-se duplamente. Pelos gibis da Luluzinha e Pato Donald, mas, especialmente, pelos discos de rock.

Quando a escritora mudou-se para efervescente Recife, aos 14 anos, mergulhou na contracultura, um de seus grandes pilares até hoje. Movida à Stones, Led Zeppelin, Mutantes e Ave Sangria (pioneiros da psicodelia pernambucana) ajudou a criar o Movimento dos Escritores Independentes de Pernambuco (MEIPE) para desencaretar os elitistas saraus de salão pernambucanos, em plenos anos 80. Foi contemporânea de Ana Cristina Cesar ("devia ter casado com essa mulher") e de Leminski, e rodou a cidade vendendo livros de poesia (seu primeiro livro tornou-se um best-seller vendido de bar em bar) e declamando versos.

Ao mesmo tempo, Cida - sertaneja e filha de agricultores - formava-se em direito e meteu-se a trabalhar defendendo associações de trabalhadores rurais. Comunista, encarou a política municipal tendo sido Secretária da Mulher e Secretária do Meio Ambiente e Sustentabilidade. Candidatou-se pela primeira vez em 2012 e perdeu, apesar de bem votada. A vitória para uma cadeira de vereadora veio no mesmo 2020 caótico de pandemia e crise econômica que a levou a ganhar o Prêmio Jabuti.

A contundência social é marcante não só no ativismo partidário de Cida, mas também em seus poemas. "Meu verso campesino e acanhado periférico e alegórico não passa das ruelas da minha cidade onde cada tijolo é conhecido e os olhares não mais perguntam nada" escreve ela em "Gris", antologia poética lançada pela CEPE em 2018.

Outra das marcas da poesia de Cida é o erotismo presente especialmente em "As Filhas de Lilith". Ele surge também com uma forte caráter político e questionador. ("uma bomba de efeito retardado/espreita a cidade que não fode" escreve ela, também, em "Gris"). "As conversas estão muito chatas, muito bolorentas, muito caretas. (...) Quando uma mulher consegue escrever sobre o corpo e os desejos dela, das suas pares? O erotismo a partir de uma mulher é revolucionário."

"Eu estou denunciando os clubes do sul e sudeste há anos, que é essa coisa de achar que o que acontece na Avenida Paulista é universal, mas o que acontece nas ruas de Bodocó ou do Crato não é. Isso é uma relação de poder completamente colonial."

Solo para vialejo - um disco para se ouvir

Cida Pedrosa sonhou em ser música, ganhou um vialejo azul do pai, mas nunca foi capaz de tocar a gaita sertaneja. No entanto, seu livro premiado é tremendamente musical, cheio de refrões e ritmo. E sua feitura foi temperada sob a bênção de gigantes do blues.

Depois de escrever sua epopeia ouvindo Muddy Waters e Robert Johnson, Cida Pedrosa revisou-o ao som de um bluesman cearense: Belchior. Massa, né?

Ouça a playlist de "Solo para Vialejo" que montamos em cima dos artistas que inspiraram Cida, ela serve tanto de trilha para a obra de Cida, quanto para essa reportagem: