Mais etanol na gasolina: como projeto do governo Lula poderia afetar carros

O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) enviou no dia 14 ao Congresso o Projeto de Lei do Combustível do Futuro, um pacote de iniciativas para reduzir a dependência de combustíveis fósseis e a emissão de gases de efeito estufa, com previsão de investimento de R$ 250 milhões.

Dentre as propostas do projeto está o teor mínimo de 22% e o aumento para 30% da quantidade de etanol anidro (com baixo percentual de água) na composição da gasolina comum. Desde 2015, essa quantidade é de 27,5%.

Contudo, segundo especialista consultado por UOL Carros, a medida pode ser prejudicial aos motores a gasolina, principalmente dos carros mais antigos.

O que pode acontecer?

Siga o UOL Carros no

Nos motores flex não haverá problemas, mas nos movidos somente a gasolina pode haver aumento de corrosão, desgaste de itens pode onde passa o combustível e dificuldade de pegar pela manhã. Carros com injeção direta podem ser mais afetados por esses problemas.

Quem mais vai sofrer são os carros antigos que tem carburador. Quando eram feitos, eram 20% de álcool na gasolina, então não tem como corrigir sem regular o carburador Pedro Luiz Scopino, responsável técnico da Scopino Auto Club

Todos os carros também vão gastar mais, já que o álcool tem menor poder de combustão e precisa estar em maior quantidade para queimar o ar dentro da câmara do motor.

Gasolina 'pura' seria solução?

Se a gasolina fosse pura, no entanto, os carros nacionais teriam problemas, pois o álcool funciona como um inibidor de detonação.

Continua após a publicidade

"Antigamente era usado o chumbo, que é prejudicial à saúde, então temos o álcool, mas o ideal seria 20%", diz Scopino.

Sem o inibidor de detonação, o papel cumprido pelo álcool, os motores teriam o que se chama de "batida de pino". Com o tempo, essas detonações podem danificar peças do motor.

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.

Errata:

o conteúdo foi alterado

  • Diferentemente do que este texto informava, o enxofre não era usado como inibidor de detonação do motor, e sim o chumbo. A informação já foi corrigida.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora