PUBLICIDADE
Topo

'SUVs de shopping': quando o mau uso pode te deixar a pé até no asfalto

Maioria dos SUVs atuais é projetada para rodar a maior parte do tempo no asfalto e pode sofrer com alagamentos, inclusive em vias pavimentadas - Divulgação
Maioria dos SUVs atuais é projetada para rodar a maior parte do tempo no asfalto e pode sofrer com alagamentos, inclusive em vias pavimentadas
Imagem: Divulgação

Alessandro Reis

Do UOL, em São Paulo (SP)

15/03/2021 04h00

Originalmente concebidos como veículos robustos para passageiros, os SUVs ficaram mais urbanos na medida em que cresceram na preferência do consumidor. Atualmente, a maior parte dos modelos da categoria tem tração dianteira e suspensões relativamente baixas, na comparação com legítimos veículos fora de estrada.

Por conta essas características, o habitat natural da vasta maioria dos utilitários esportivos à venda é o asfalto. Mesmo em vias pavimentadas, esses veículos podem sofrer sérios danos mecânicos e elétricos em situações extremas, como alagamentos. Daí a expressão "SUV de shopping", cunhada por praticantes de off-road.

Muitos proprietários de SUVs ignoram essa realidade e exageram na confiança ao transpor áreas alagadas, comuns nas cidades nesta época do ano.

Esse desconhecimento, além de trazer risco à integridade física dos ocupantes, eleva a possibilidade de problemas como calço hidráulico - quando o motor aspira água em vez de ar, danificando componentes como bielas e pistões. Itens eletrônicos também podem ser afetados.

Leia o manual

Renegade off-road - Divulgação - Divulgação
Renegade consegue atravessar só alagamentos 'não muito profundos'; leia o que diz manual
Imagem: Divulgação

Para evitar uso incompatível com as características do carro, o que não costuma ser coberto pela garantia, a saída é conhecer suas capacidades e limitações. Isso pode ser consultado no manual do proprietário.

Especificamente no que se refere à travessia de trechos alagados, o manual dos três SUVs mais vendidos, considerando modelos de marcas diferentes, faz alertas relacionados a essa situação - incluindo o nível máximo de água recomendado.

O livreto que acompanha Volkswagen T-Cross e Chevrolet Tracker, por exemplo, orienta a evitar a transposição de alagamentos. Caso isso seja inevitável, a VW destaca que a água "pode alcançar, no máximo, a borda inferior da carroceria (abaixo das portas)", em relação ao T-Cross.

Para o Tracker, a informação é a seguinte: "certifique-se de que o limite de água não exceda a altura do centro da roda".

Já o manual do Jeep Renegade traz orientações mais específicas, válidas inclusive para as configurações diesel 4x4.

O documento informa que o SUV é capaz de transpor alagamentos "não muito profundos" desde que o nível não exceda 48 cm com água parada. Se ela for corrente, a altura cai para 22 cm. Já a carga máxima não pode passar de 240 kg nessa circunstância e a velocidade máxima indicada é de 8 km/h.

"Via de regra, carros de passeio não são feitos para alagamentos. Além disso, não basta dirigir SUV para você entrar na água com tudo. É preciso conhecer o modelo e a respectiva localização da tomada de ar. O nível máximo mais seguro da água é na altura dos eixos, mas o movimento do veículo pode causar ondas, e isso deve ser considerado", destaca o consultor técnico Gerson Burin.

A orientação geral, caso seja necessário encarar uma enchente, é não passar do nível indicado no manual, se for possível. Outra dica é manter velocidade baixa e constante, com marcha reduzida, para não deixar o motor apagar.

Caso o veículo desligue durante a travessia, ainda parcialmente submerso, não tente acioná-lo novamente e peça socorro.

Snorkel para rodar na cidade?

Snorkel Renegade OGZ - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Snorkel idêntico ao instalado no Renegade da empresária Ana Hirchle, usado apenas na cidade
Imagem: Arquivo pessoal

Fã da marca Jeep, a empresária Ana Hirschle, de 51 anos, é proprietária de um Renegade flex, cuja tração é dianteira, adquirido em maio de 2015.

Em 2016, ao tentar atravessar um alagamento em Recife (PE), onde morava na época, ela teve o motor danificado.

"Peguei um trecho alagado e o sistema elétrico parou o carro. A água entrou no motor e deu calço hidráulico. Até então, eu não sabia que o Renegade tinha a admissão de ar tão baixa, abaixo do farol do passageiro. Após reclamar com a seguradora e a Jeep, o propulsor foi trocado por um novo", conta.

Após a substituição do motor, Ana instalou um snorkel, acessório popular entre jipeiros que eleva a altura da admissão de ar para o nível do teto - embora o uso do veículo, segundo ela, seja 100% urbano.

"Foi quando coloquei o snorkel da empresa OGZ, assim que saí da concessionária, já com o motor novo. Nunca pensei que fosse precisar de um snorkel, considerando que não coloco meu Renegade em trilhas", explica.

Apesar de tudo, a empresária não pensa em deixar a Jeep e diz que irá trocar seu Renegade por um zero da versão Trailhawk, com motor diesel, tração nas quatro rodas e suspensões elevadas.

"Este também receberá snorkel".