PUBLICIDADE
Topo

Como charrete mecanizada fez aposentado inventor viralizar nas redes

Simone Machado

Colaboração para o UOL

13/10/2020 04h00

O aposentado Orotildes de Souza Mangerona, de 84 anos, mais conhecido como Tide, decidiu ocupar o tempo em casa com muita criatividade e viralizou na internet. Morador de São Carlos, no interior de São Paulo, ele criou uma charrete mecanizada, cujo vídeo já atingiu mais de 2 milhões de visualizações.

Tide explica que foram três meses de trabalho até a charrete ficar pronta. Para chegar ao modelo final foram inúmeras tentativas e testes. A charrete mecanizada é completa, tem farol, seta, buzina, marcha ré e carrega até duas pessoas.

"A ideia da charrete surgiu depois de observar animais como o cavalo. Demorou três meses para fazer porque fomos fazendo testes até acertar todos os detalhes para que ela funcionasse. E também demorou porque compramos os materiais nos ferros-velhos e às vezes não encontrávamos a peça que eu queria", explica o aposentado.

Para confeccionar o veículo, o aposentado usou a criatividade e fez diversas adaptações. O volante e o motor são de um carrinho para pessoas com dificuldade de locomoção. Duas baterias foram instaladas e oferecem a energia necessária para a charrete andar. As rodas são de motocicletas e até um pedal e a correia de uma bicicleta foram adaptadas para ajudar na movimentação da "engenhoca".

Os bancos são feitos de madeira e transportam duas pessoas. A maior parte dos materiais usados para construir a charrete mecânica, o aposentado comprou em ferros velhos da cidade.

"O material que usamos na primeira vez não aguentava o peso da carroça, então precisamos ir adaptando e fazendo modificações. Fomos estudando como que tinha que fazer, as ideias foram surgindo e eu fui fazendo", acrescenta o idoso.

charrete mecanizada - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Imagem: Arquivo Pessoal

Devido ao seu formato, com duas pernas compridas, a charrete ganhou o apelido de gafanhoto, por causa da semelhança com o inseto.

Tudo foi feito no quintal da chácara do idoso. E para que sua ideia desse certo, Tide contou com a ajuda e apoio da família, que compraram a ideia da invenção dele.

"Ele é muito criativo e não consegue ficar parado. Antes da pandemia ficava no supermercado da família consertando tudo que estivesse danificado, mas com a chegada do vírus ele foi para a chácara. Lá começou a criar a charrete e demos todo apoio. Afinal, isso foi ótimo para todos, pois trabalhando na invenção ele não tinha tempo para pensar coisas ruins", explica Sidnei Aparecido Mangerona, filho do aposentado.

Depois de muito trabalho e diversas tentativas que não deram muito certo, finalmente a charrete mecanizada ficou pronta e começou a andar. A invenção logo ganhou a internet depois que a neta do aposentado postou um vídeo em uma rede social. O sucesso foi tão grande que em poucos dias o vídeo teve 2 milhões de visualizações.

"Meu avô vinha falando fazia tempo que estava construindo esse carrinho. Quando ficou pronto, ele queria mostrar para todo mundo, então decidi colocar o vídeo em uma rede social que pudesse espalhar e muita gente ver. Não imaginava que teria tantas visualizações e comentários positivos. Ficamos muitos felizes e orgulhosos pelo fato de as pessoas poderem ver um pouquinho da criatividade do meu avô", conta Lorena Manjerona, neta do aposentado inventor.

Outras invenções

Tido, inventor da charrete mecanizada - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Imagem: Arquivo Pessoal

Essa não foi a primeira invenção feita pelo aposentado. Curioso e criativo, segundo familiares, o seu maior passatempo é criar móveis e objetos para a decoração da chácara da família.

O aposentado afirma que não vai parar por aqui e já começou a idealizar sua próxima criação: um moinho personalizado.

"Vou fazer agora um moinho de vento. Já comprei algumas peças e já estou estudando como montá-lo", afirma o aposentado.