PUBLICIDADE
Topo

Fiat Marea Weekend 4x4? Perua desprezada agora dá pau até em Troller

Alessandro Reis

Do UOL, em São Paulo (SP)

10/08/2020 04h00

Alvo de piadas devido à grande ocorrência de problemas no motor, o Fiat Marea é um carro injustiçado na opinião dos respectivos fãs, que destacam a mecânica moderna e o visual arrojado para sua época.

Quem gosta de Marea enfatiza que muitos proprietários não fazem a manutenção adequada e isso ajudou a criar a má fama. Uma coisa é fato: hoje é raro encontrar um exemplar em bom estado. Mais raro ainda se for da perua Marea Weekend.

Juliano Sapatini, morador de Cambira, no interior do Paraná, é dono de uma Weekend e ela não está, digamos, "tinindo". Seu carro tem lataria amassada, farol quebrado e interior sujo e maltratado. Porém, engana-se quem pensa que sua perua modelo 2001 é motivo de zoação. Muito pelo contrário.

Fiat Marea Weekend 4x4 Juliano Sapatini - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Marea Weekend manteve apenas a carroceria e a parte interna para virar 4x4
Imagem: Arquivo pessoal

A Weekend do agricultor de 46 anos é diferente, talvez a única do tipo no Brasil. Tem suspensão (bem) elevada, pneus lameiros gigantes e tração 4x4 com caixa reduzida. Segundo o proprietário, a perua já passou por trilha que Troller T4 não conseguiu cruzar.

"Quem personaliza Marea, até por conta do desenho esportivo, geralmente rebaixa a suspensão. Eu segui o caminho oposto", brinca Sapatini.

Um vídeo da Marea Weekend 4x4 rebocando uma Rural Willys no meio do lamaceiro, inclusive, viralizou nas redes.

Juliano Sapatini conta que o projeto já tem pouco mais de seis anos e, na verdade, sua perua é uma combinação de partes de diferentes veículos. A carroceria e a cabine são originais da Weekend, enquanto o motor AP 1.8 turbinado é proveniente de um Volkswagen Santana.

O câmbio manual de quatro marchas foi emprestado de um Chevrolet Chevette, ao passo que o chassi, parte da suspensão e o sistema de tração nas quatro rodas são de uma picape Willys 1975.

Fiat Marea Weekend 4x4 Juliano Sapatini - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Marea Weekend com pneus gigantes e tração nas 4 rodas chama a atenção por onde passa
Imagem: Arquivo pessoal

"Eu já tinha a picape, que herdei do meu pai, e queria usá-la para me divertir em trilhas. Porém, a carroceria era pesada e já estava corroída. Tive a ideia de usar a lataria de outro veículo em cima do chassi da Willys", relata o agricultor, que se aventura em trilhas da região rural onde mora "desde moleque" - inicialmente em motocicletas.

Foi então que ele se deparou com a Marea Weekend de um amigo, cujo motor estava fundido. "Não sou exatamente um entusiasta desse modelo, mas o amigo queria vender e a lataria estava boa, além de ser mais leve do que a da Willys".

Toda a conversão durou cerca de três anos e foi realizada em duas oficinas mecânicas. A suspensão ganhou braços de torção para encarar o tranco, enquanto no começo as rodas eram de caminhão, calçando pneus com garras de 40 polegadas.

"Depois que uma das rodas dianteiras se desprendeu, instalei um conjunto novo e pneus de menor diâmetro, também lameiros".

Projeto custou R$ 25 mil

Fiat Marea Weekend 4x4 Juliano Sapatini projeto - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Projeto levou três anos para ser concluído e perua é usada para se divertir
Imagem: Arquivo pessoal

De acordo com Sapatini, o projeto custou aproximadamente R$ 25 mil.

A perua tem freios a disco nas quatro rodas, guincho, estribos e luzes auxiliares.

"Esse carro é para diversão mesmo. Já encarei muita trilha casca grossa e já passei por trechos em que Troller sem preparação ficou no meio do caminho", diz.

A Marea Weekend alta e com pneus "tratorados" também conta com embreagem reforçada, que já teve de ser substituída, devido aos rigores da sua utilização.

Fiat Marea Weekend 4x4 Juliano Sapatini - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Marea exibe marcas do seu uso severo; dono não se importa com detalhes estéticos
Imagem: Arquivo pessoal

O veículo se tornou atração na pequena cidade onde mora o proprietário, que tem menos do que 10 mil habitantes, e também na região.

"É bem comum pedirem para tirar foto, realmente chama a atenção", diz o dono, que hoje está com outro projeto: reformar outra picape Willys, seguindo todas as especificações originais, para substituir aquela que ganhou de herança do pai.