PUBLICIDADE
Topo

Concessionárias de Fiat e Jeep venderão aparelho para desinfetar carros

FCA estima que 95% da rede está operando atualmente - Divulgação
FCA estima que 95% da rede está operando atualmente
Imagem: Divulgação

Do UOL, em São Paulo (SP)

08/05/2020 17h42

Resumo da notícia

  • Aparelho de oxi-sanitização vai fazer parte da linha de acessórios
  • FCA estabeleceu cartilha com regras de higienização para concessionárias
  • Empresa higieniza carros que entram e saem das oficinas das marcas Fiat e Jeep

A FCA (Fiat Chrysler Automobiles) pretende vender um aparelho de desinfecção de automóveis em todas as concessionárias Fiat e Jeep.

O novo produto é um gerador de ozônio que elimina odores e micro-organismos presentes no interior do veículo. Luis Santamaria, diretor da Mopar na América Latina, afirma que a empresa está trabalhando para disponibilizá-lo na gama de acessórios de fábrica das marcas.

A informação foi confirmada por Luis Santamaria, diretor da Mopar na América Latina.

"Produtos de higienização já estão com uma demanda significativamente maior e estamos trabalhando forte para começar a vendê-los, incluindo produtos de oxi-sanitização e luz ultravioleta. São equipamentos que você pluga no próprio carro antes de entrar no veiculo. É um valor e um serviço muito importante para o cliente. Acredito que o aparelho de oxi-sanitização deve estar disponível até o começo do terceiro trimestre e ainda não temos definição de preço, pois estamos trabalhando com fornecedores nacionais para tentar não depender do dólar, até para evitar que ele se torne caro demais", afirmou.

O executivo também falou que a FCA conseguiu se preparar para a pandemia com certa antecedência por aqui, aproveitando as lições aprendidas na Itália e na China, dois dos países mais afetados pelo coronavírus e onde a empresa possui escritórios.

"Foi possível acompanhar toda essa experiência antes de chegar aqui por conta das operações na China e na Europa, então conseguimos nos preparar de alguma forma. Já tínhamos retorno de muita coisa do que foi experimentado lá. Assim, no começo de março a gente já tinha um plano de ação para orientar a rede e os colaboradores", declarou.

Novos meios

Dentro da FCA, o coronavírus serviu para acelerar o uso de formas alternativas de venda. Santamaria afirma que menos da metade das revendas Fiat e Jeep tinham algum tipo de canal de comércio eletrônico.

O índice já subiu para 67% nas lojas Fiat e nos dois casos deve aumentar mais.

Além disso, serviços como o agendamento online de serviços de manutenção e o esquema "leva e traz" de veículos se tornaram mais frequentes na rede de concessionárias, até como uma forma de evitar deslocamentos desnecessários.

"Várias concessionárias também estão implementando atendimento via WhatsApp e utilizando formas de pagamento que evitem contato direto, como o pagamento remoto por celular ou por aproximação. Acredito que será um hábito que tende a ser incorporado", declarou.

Higienização na faixa

A rede de concessionárias das marcas da FCA ainda não está funcionando em sua totalidade. Entretanto, o cenário já é bem melhor do que em março, quando aproximadamente 90% das revendas foram fechadas por conta da quarentena. Agora, Santamaria estima que 95% da rede está aberta, sempre seguindo uma série de cuidados.

"Nós geramos duas cartilhas muito detalhadas para atendimento, recepção, retirada de móveis, EPIs, produtos de limpeza e tipos de produtos a serem aplicados para higienizar o carro".

Além disso, todos os veículos que passam por serviços de manutenção nas oficinas estão sendo higienizados na chegada e na devolução ao cliente sem custo adicional. De toda maneira, qualquer proprietário de veículos das marcas pode realizar a higienização mediante pagamento na rede autorizada.

Com todas essas medidas, a FCA consegue enxergar um lado positivo em meio às limitações.

"O momento é crítico, mas já estamos consegue colher frutos. O fato de cuidarmos dos clientes faz com que nossa lealdade à marca aumente e estimamos que o número de visitas (às concessionárias) deve voltar ao normal a partir de maio", concluiu.