Topo

Na Garagem


Chile não faz carros, mas goleia Brasil com 71 marcas e modelos de sonho

Ford F-150: picapona americana é figura fácil pelas ruas de Santiago - Vitor Matsubara/UOL
Ford F-150: picapona americana é figura fácil pelas ruas de Santiago
Imagem: Vitor Matsubara/UOL

Vitor Matsubara

Do UOL, em Santiago (Chile)*

02/09/2019 07h00

Resumo da notícia

  • Acordos de livre-comércio e zero imposto de importação tornam país atraente para montadoras
  • Marcas chinesas dominam, mas japonesas têm presença forte nas vendas
  • País ainda tem ruas bem asfaltadas, calçadas limpas e motoristas que respeitam pedestres

Faz tempo que o Chile se tornou o país mais próspero da América Latina. Pouco mais de 30 anos após derrubar a ditadura de Augusto Pinochet, a nação tomou medidas como investir em responsabilidade social e abrir fronteiras para o comércio exterior. Hoje o governo possui aproximadamente 22 acordos de livre-comércio com 60 países.

Os esforços logo surtiram efeito. O PIB quintuplicou em relação a era pós-Pinochet e hoje o país tem o maior índice de desenvolvimento humano da América do Sul. Essa prosperidade também se reflete na indústria automobilística, mesmo sem os chilenos fabricarem um veículo sequer há mais de uma década.

O segredo de uma indústria forte

As montadoras logo perceberam que não faria sentido investir em um mercado tão pequeno. Foram vendidos pouco mais de 417 mil veículos em 2018, praticamente um quinto das 2.566.235 unidades emplacadas em igual período no Brasil.

Se por um lado não há indústria automotiva local, por outro o Chile zerou os impostos de importação. Assim as fabricantes competem em pé de igualdade, beneficiando aquelas que tiverem melhores estratégias comerciais ou menores custos de produção e logística.

Sobram opções para quem quer comprar um carro novo: segundo a ANAC (Asociación Nacional Automotriz de Chile, ou a "Fenabrave de lá"), 71 marcas atuam no mercado chileno.

Há desde gigantes como Volkswagen e Fiat, passando por marcas saudosas do quilate de Alfa Romeo e Mazda, e até ilustres desconhecidas do brasileiro, como as chinesas Haval e Great Wall. Isso sem contar as fabricantes que até agora não conseguimos identificar...

Que inveja: Alfa Romeo está firme e forte no Chile - Vitor Matsubara/UOL
Que inveja: Alfa Romeo está firme e forte no Chile
Imagem: Vitor Matsubara/UOL

A disputa pela liderança é bastante acirrada: dados da consultoria Focus2Move indicam que a Chevrolet recuperou o primeiro lugar em 2018 com 8,7% do mercado, seguida de perto por Suzuki (8%), Hyundai (7,8%), Kia (7,8%) e Toyota (7,2%).

Curiosamente, o veículo mais vendido no Chile no ano passado não é feito por nenhuma destas empresas, e sim pela Mitsubishi: a picape L200 teve 10.601 unidades emplacadas

O Chevrolet Sail é o vice-líder com 10.314 veículos, seguido pelo Kia Rio com 9.461 carros vendidos. Em tempo: a L200 parte de 13.490.000 pesos chilenos, ou aproximadamente R$ 77.624, bem mais do que o dobro do que os 5,89 milhões de pesos chilenos (R$ 33.892) pedidos pelo Sail.

Só tem carrão

Assim, uma rápida volta pelas ruas chilenas vira um divertido passatempo para qualquer fã de carros. Automóveis de todos os tipos e preços povoam as vias. Montadoras chinesas atuam no país em peso, mas há espaço para marcas que estão longe do Brasil ou sequer sonham em vir para nosso país. Quer dois exemplos? Não é difícil ver carros da japonesa Mazda, afastada do mercado brasileiro desde os anos 90, e da Opel, agora controlada pela PSA.

UOL Carros se espantou com a quantidade de picapes presentes nas ruas de Santiago - até porque o maior volume de vendas deste tipo de veículo acontece nas regiões rurais, especialmente aquelas tomadas por vínicolas. Durante os dois dias em que estivemos em solo chileno contamos oito F-150 pelas vias da capital.

Raptor: picape esportiva custa o equivalente a quase R$ 300 mil por lá - Vitor Matsubara/UOL
Raptor: picape esportiva custa o equivalente a quase R$ 300 mil por lá
Imagem: Vitor Matsubara/UOL

A maioria delas, inclusive, era da Raptor, justamente a versão mais cara produzida nos EUA.

Fosse convertido para reais, o valor pedido pela picape esportiva no Chile passa de R$ 295 mil. Mais surpreendente ainda é que apenas quatro Ranger (que custa pouco mais de R$ 85 mil) foram avistadas em nossa estadia.

O mercado para este tipo de veículo é tão atraente por lá que o Chile é o único país da América do Sul onde é possível comprar a Mercedes-Benz Classe X - no caso importada da Espanha. A picape de luxo baseada na Nissan Frontier seria fabricada na Argentina e exportada para o Brasil, mas a montadora cancelou a produção sem dar maiores explicações.

Por que não do Brasil?

Além da presença maciça de veículos de luxo, a frota chilena chama nossa atenção pelos modelos que também são vendidos no Brasil. Porém, eles não são trazidos de cá, e sim de outros países. É por isso que alguns carros ostentam diferenças significativas de design, acabamento e motorizações.

Creta vendido por lá vem da Índia em vez do Brasil - Vitor Matsubara/UOL
Creta vendido por lá vem da Índia em vez do Brasil
Imagem: Vitor Matsubara/UOL

O Hyundai Creta disponibilizado no mercado chileno é importado da Índia e tem estilo um pouco diferente do SUV fabricado em Piracicaba (SP). Fenômeno parecido também acontecia com as gerações anteriores do Toyota Yaris (o atual é feito no Brasil), que eram trazidas da Tailândia, mesmo país de onde atualmente vem a Mitsubishi L200.

Ruas lisas

Como se todos os exemplos anteriores não fossem suficientes para despertar a inveja dos nossos vizinhos, saiba que as ruas e estradas de Santiago são impecavelmente bem asfaltadas.

Rodamos quase 200 quilômetros da capital até Codegua no test-drive do Volvo S60 e em momento algum enfrentamos buracos, valetas e outras depressões típicas das condições lunares da malha viária brasileira. Apenas em pequenas ruas vicinais da região de Codegua (uma comuna na província de Cachapoal com pouco mais de 10 mil habitantes) é que nos deparamos com asfalto de qualidade ruim - bem melhores do que nossas vias.

Coisas que você só verá no Chile: estradas impecáveis e um SUV da Great Wall - Vitor Matsubara/UOL
Coisas que você só verá no Chile: estradas impecáveis e um SUV da Great Wall
Imagem: Vitor Matsubara/UOL

As sinalizações são bem claras e os motoristas respeitam a faixa de pedestres, algo que deveria causar indiferença em vez de espanto em nós. Assim como a limpeza das calçadas na região central de Santiago.

Então não existem críticas sobre o Chile? Bem, os chilenos gostam de dirigir em alta velocidade e raramente cedem passagem mesmo se você sinalizar a intenção de mudar de faixa. Viu só como nada é perfeito?

* Viagem a convite da Volvo

Mais Na Garagem