Topo

Cultura do carro


Herdeiros da BMW dizem "trabalhar duro" e que ser bilionário tem lado ruim

Stefan Quandt fala ao conselho diretor sobre os 50 anos da BMW, em evento de 2010  - Guenter Schiffmann/Bloomberg
Stefan Quandt fala ao conselho diretor sobre os 50 anos da BMW, em evento de 2010
Imagem: Guenter Schiffmann/Bloomberg

Chris Reiter

22/06/2019 07h00

Susanne Klatten e Stefan Quandt possuem, juntos, quase metade das ações do Grupo BMW (BMW, Mini e Rolls Royce), e dizem que o dia a dia de um bilionário não é tão fácil como a maior parte das pessoas pode imaginar. Ambos são filho de Herbert Quandt, homem que ajudou a manter a BMW viva durante a crise dos anos 1950.

Klatten possui uma fortuna avaliada em US$ 18,6 bilhões (equivalente a R$ 71,5 bilhões) de acordo com a Bloomberg Billionaires. Quandt, dono de participações na empresa de logística Logwin e na empresa de remédios homeopáticos Heel, tem um patrimônio de US$ 15,5 bilhões (R$ 60 bilhões). Ambos têm assento cativo no conselho de supervisão da BMW.

"Muitos acreditam que estamos permanentemente sentados em um iate no Mediterrâneo", disse Klatten à publicação alemã "Manager Magazin" em uma rara entrevista com seu irmão mais novo, publicada na última quinta-feira (20). "O papel de guardião da riqueza também tem questões pessoais que não são tão boas".

"Nosso potencial vai além do papel de herdeiros. Nós trabalhamos duro todos os dias", declarou.

Susanne Klatten observa o estande da BMW no Salão de Frankfurt de 2017 - Olaf Kosinsky/BMW
Susanne Klatten observa o estande da BMW no Salão de Frankfurt de 2017
Imagem: Olaf Kosinsky/BMW

Da insegurança ao questionamento de impostos

Os irmãos dizem que estão confortáveis com suas posições no momento, mas que inicialmente tiveram dificuldade para assumir cargos de alto nível com pouca idade.

Quandt tinha 30 anos quando recebeu um lugar no conselho da BMW, e disse que teria gostado de trabalhar alguns anos como um "simples gerente" de produtos em algum lugar -- ou de estudar arquitetura. Klatten ganhou se tornou conhecida em 1978, quando a polícia prendeu uma quadrilha que tinha o plano de sequestrar a ela e à mãe Johanna.

"Meu ponto de partida nunca foi: agora vou mostrar a todos como fazer", disse Quandt. "Em vez disso, houve um questionamento constante, associado à insegurança".

Os irmãos ainda questionam a lógica de impostos sobre a herança. Susanne Klatten diz que uma redistribuição de riqueza não funcionaria, e que uma sociedade justa permite que as pessoas busquem oportunidades de acordo com suas habilidades.

Siga o UOL Carros no

Mais Cultura do carro