PUBLICIDADE
Topo

Coisa de Meninos Nada

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Adeus, tanquinho: como carros flex te avisam a hora de girar chave no frio

Conteúdo exclusivo para assinantes
Thais Roland

Thais Roland é técnica em Manutenção Automotiva e apaixonada pela graxa. Com seu canal no YouTube 'Coisa de Meninos Nada', busca informar, orientar e dar suporte em relação a dúvidas e neuras sobre o mundo dos carros

Colunista do UOL

10/05/2022 04h00

Na semana passada conversamos sobre especificações de óleo lubrificante e fiz uma colocação que poderia ter ficado melhor. Então vou reexplicar aqui com uma explicação que vai direto para a dica de hoje.

Disse que o S da classificação API se referia a carros flex, mas não é só isso. Ele vem de Spark Ignition, ou seja, ignição por faísca. Então o óleo é adequado para motores que usam faísca para iniciar a combustão, gerada pela vela de ignição. No caso de motores a diesel, a classificação tem um C de Compression Ignition, ou seja, ignição por compressão.

Desse jeito fica bem melhor, pois assim entendemos que óleos lubrificantes com a classificação API S alguma coisa são para motores que usam velas de ignição, que inclui os carros flex, mas também aqueles que são movidos apenas a gasolina ou álcool. E que os óleos com a classificação API C alguma coisa são adequados para os motores movidos a diesel.

Isso significa que motores a diesel não têm velas, Thais?

De ignição não, mas alguns contam com velas aquecedoras, que são essenciais para a partida nos dias mais frios. Isso porque o diesel precisa de um ambiente muito quente para entrar em combustão espontaneamente. Não é à toa que as taxas de compressão, nesses motores, são muito mais altas.

Quando comprimimos o ar, a agitação das moléculas faz com que a temperatura aumente. Com uma compressão grande o suficiente temos a temperatura ideal para que, quando o diesel seja injetado na câmara de combustão, incendeie imediatamente. Mas nos dias frios ele precisa de uma ajudinha a mais durante a partida.

As velas de aquecimento entram em operação nessa hora, pré-aquecendo o ar que entra no motor. Então não estranhe se o mecânico disser que teve que trocar vela no seu veículo a diesel.

Quando ele funciona dessa maneira, o veículo tem algum recurso para te avisar que já está pronto para a partida. Uma luz no painel, por exemplo, que você precisa esperar que se apague para dar a partida no caminhão.

Está bom, mas o que isso tudo tem a ver com meu carro flex, Thais?

Muito, se seu carro flex for um pouco mais moderno e não tiver mais o tanquinho de partida a frio.

Já conversamos sobre esse sistema, né? O tanquinho de partida a frio deve ser abastecido com gasolina aditivada, como recomenda o manual do seu carro, para que em dias frios, quando você só tem etanol no tanque principal, seu carro consiga dar a partida facilmente usando a gasolina desse tanquinho.

Só que vários carros flex tem aparecido por aí sem o tanquinho de partida a frio. Como funciona então, se vocês colocarem só álcool no tanque e aquela friaca gostosa chegar? O carro não vai pegar?

Claro que vai. A montadora tirou o tanquinho de partida a frio porque desenvolveu outra estratégia para o seu carro ligar nos dias frios usando só etanol. E é aí que encontramos a semelhança com os motores a diesel. O sistema aquece o combustível antes de ser injetado no seu motor com o que? Velas aquecedoras.

E isso muda a sua vida? Muda sim. Em alguns casos você tem que ter o mesmo cuidado que os motoristas em seus caminhões a diesel e aguardar o carro te informar que está pronto para a partida. Então você gira a chave de ignição e presta atenção ao painel de instrumentos. Quando tudo estiver pronto ele te informará que pode girar mais um estágio para acionar a partida.

Mais uma vez tenho que ressaltar a importância da leitura do manual do seu carro e conhecer os alertas do painel de instrumentos.

Imagina você trocando de carro, pegando outro do mesmo modelo do seu, mas agora mais novo e com esse recurso. Aí chega um dia super frio, você senta no banco do motorista e gira a chave, como sempre fez, e nada do carro pegar. Você tenta, tenta, tenta e chega a conclusão que alguma coisa está errada com o carro, leva para oficina e passa o maior carão com o mecânico te ensinando como dar a partida no seu carro novo.

Muito chato, né? E essa história pode ser ainda pior...