PUBLICIDADE
Topo

Ford Maverick: vale desembolsar R$ 24 mil a mais pela picape rival da Toro?

José Antonio Leme

Do UOL, em São Paulo (SP)

08/04/2022 04h00

A Ford Maverick chegou ao mercado e fez barulho como uma "não-rival" da Fiat Toro, líder de vendas entre os modelos intermediários que contam também com a Renault Oroch na categoria - sendo que as três são bem diferentes entre si.

O modelo que vem importado do México custa R$ 235.190 e melhora uma receita de sucesso em dimensões, tamanho e espaço para ser mais global - entenda-se atender também ao mercado norte-americano.

Com muitas qualidades, o modelo tem também seus tropeços, especialmente para um carro de tal faixa de preço - na qual alguns itens não podem faltar.

Com prós e contras como todo carro, a Ford Maverick tem extras que justifiquem os R$ 24 mil a mais exigidos em comparação à Fiat Toro na versão Ultra, a mais completa? É o que UOL Carros vai evidenciar.

Ford Maverick Lariat FX4

Carros
3,6 /5
ENTENDA AS NOTAS DA REDAÇÃO

Pontos Positivos

  • Espaço
  • Desempenho
  • Dirigibilidade

Pontos Negativos

  • Equipamentos
  • Acabamento

Veredito

Se a falta de concorrência direta às vezes é ruim, pois é com ela que evoluímos, por outro lado pode ser bom. A Maverick pode ter tempo para estabelecer suas qualidades, acertar seus defeitos para assentar a liderança entre essas intermediárias maiores e "abrir trilhas" antes que outras venham.

DESIGN E ESPAÇO INTERNO

Em termos de design a Maverick talvez não agrade a todo mundo, mas com certeza vai conquistar quem curte uma picape. Quem conhece as grandalhonas vendidas lá fora vai reconhecer de cara o mesmo visual que existe na Ford F-150 e na nova geração da Ranger - que ainda não chegou aqui.

O estilo quadradão dá um aspecto mais bruto do que a picape parecer ter, reforça o estilo que quer passar a ideia de "sirvo para o trabalho pesado, sim".

Por dentro, a picape apostou em um estilo quase o contrário do que se vê por fora. Ela tem uma pegada mais jovem, com funcionalidades inteligentes como os espaços nas portas que acomodam sem dificuldade garrafas d'água de até 1 litro.

No outro extremo, é quase impossível deixar pequenos itens nesses espaços, já que com certeza cairão ao abrir a porta. Para não causar problema, o console central e até uma área atrás da central multimídia tem diversos porta-objetos, práticos e úteis.

Se aqui ela é cara e tem uma pegada de veículo de lazer/luxo, no seu principal mercado, os EUA, ela tem versões básicas e rodas de aço de trabalho, o que justifica o interior feito basicamente de plástico.

Apesar disso, tem um acabamento interessante e combinação de cores que acabam "escondendo" o fato de ser um carro de R$ 235 mil com interior todo de plástico, sem um emborrachado ou o famoso "soft touch" - aquele acolchoado que reveste o painel.

Em relação ao espaço, quem já esteve na Toro consegue ver como a Maverick melhorou esse quesito. Inclusive porque ela precisa agradar ao consumidor norte-americano, fisicamente maior que a média do brasileiro.

Por isso, o espaço para as pernas de quem vai na frente é ótimo. Quem vai atrás também não sofre e tem bom espaço para as pernas e também para os ombros, mesmo quando há três ocupantes. O espaço para a cabeça também é bom, já que banco traseiro é baixo.

Quando comentamos que a Maverick conseguiu melhorar diversos aspectos que a Toro trouxe, não é à toa. Na picape da Fiat, sob o banco do passageiro há um espaço para pequenos objetos, enquanto na da Ford toda a parte inferior do assento traseiro é um "porta-objetos" que acomoda grandes itens.

Ford Maverick Lariat FX4 - Marcos Camargo/UOL - Marcos Camargo/UOL
Imagem: Marcos Camargo/UOL

CONSUMO E DESEMPENHO

O que move a Maverick é o motor 2.0 turbo a gasolina, que a picape divide com o Bronco Sport. Apesar de ser o mesmo propulsor, a calibragem é diferente e, no utilitário, rende 253 cv e 38,7 mkgf com tração integral e câmbio automático de oito velocidades.

Na prática esse conjunto faz da Maverick um carro bastante esportivo, com acelerações vigorosas e rápidas, especialmente quando quer fazer uma ultrapassagem.

Manter a velocidade de cruzeiro de 120 km/h é fácil e exige pouco do conjunto motriz. O que faltou para deixá-la com uma pegada ainda mais esportiva foram borboletas para trocas de marcha atrás do volante, uma pena.

Estruturalmente a Maverick se destaca pela estabilidade e o bom acerto que a Ford encontrou para as suspensões, independente nos dois eixos. A construção de monobloco e a combinação do acerto de suspensão faz com que a picape seja muito estável em curvas e consiga filtrar bem imperfeições do piso.

A escolha por pneus "altos", com perfil 65 apesar das rodas de 17", também ajuda a manter o conforto nas ruas e estradas esburacadas que temos pelo País.

O consumo divulgado pela marca é de 8,8 km/l na cidade e 11,1 km/l. O sistema de tração integral, ainda que seja inteligente, impede números muito melhores, mas foi possível fazer 12 km/l em ciclo rodoviário, rodando entre 110 km/h e 120 km/h.

Ford Maverick Lariat FX4 - Marcos Camargo/UOL - Marcos Camargo/UOL
Imagem: Marcos Camargo/UOL

EQUIPAMENTOS

O pacote de equipamentos da Maverick é onde está seu ponto fraco. A picape tem muitos equipamentos, mas para um carro de R$ 235 mil há itens que não poderiam ter ficado fora, ao menos não no pacote Brasil.

A falta de espelho interno eletrocrômico e sensores de obstáculos na frente e atrás, assim como controle de velocidade adaptativo (ACC), são falhas evidentes.

Isso apesar de picape ter controles de tração e estabilidade, assistente de partida em rampa e modos de condução para diferentes tipos de piso que fazem diferença no uso e pudemos provar.

Há ainda controle automático de descida, que evita fadiga dos freios, frenagem autônoma de emergência com detecção de pedestres e ciclistas e alerta de colisão frontal, controle de velocidade convencional, sistema start-stop, que desliga o motor em pequenas paradas.

Ela tem também o painel de instrumentos com uma tela colorida e configurável que oferece boa visibilidade dos dados projetados, além de manter velocímetro e conta-giros analógicos nas extremidades.

A central multimídia tem tela sensível ao toque de oito polegadas. Ela poderia ser maior e a conexão com Android Auto e Apple CarPlay seria melhor sem fio, já que a picape traz um apoio de celular, mas que só dá para colocar o smartphone se estiver fora da USB.

O pacote FX4 que vem de série no Brasil inclui a pré-disposição para instalação de engate, os adesivos com o nome do pacote de equipamento nas laterais e ganchos de reboque na dianteira.

Como os mais recentes produtos da Ford, conta com o Ford Pass, que permite por meio de um aplicativo no smartphone ter acesso a partida remota, agendar revisões e ver ainda nível do combustível e pressão dos pneus, além de rastrear o veículo.

Ford Maverick Lariat FX4 - Marcos Camargo/UOL - Marcos Camargo/UOL
Imagem: Marcos Camargo/UOL

MANUTENÇÃO

O pacote de manutenção da Maverick tem valores fixos e divulgados previamente pela Ford. São cinco revisões a cada 10 mil km cada com valor total de R$ 5.840. Os valores individuais são de R$ 1.066, R$ 1.066, R$ 1.240, R$ 1.362 e R$ 1.106, respectivamente.

Ford Maverick Lariat FX4 - Marcos Camargo/UOL - Marcos Camargo/UOL
Imagem: Marcos Camargo/UOL

MERCADO

A Ford Maverick está em um "limbo". Ela não é grande o suficiente para brigar com as médias e nem pequena para disputar espaço com Toro e Oroch - além das outras que chegarão em breve ao mercado da categoria de "intermediárias", um termo que está ficando cada vez mais amplo.

Sua rival mais próximo não chegou ao Brasil (ainda), a Hyundai Santa Cruz, que nasceu com o mesmo conceito de vender bem nos EUA e por isso é maior como a Maverick.

Além disso, ela precisa convencer o cliente que gosta de uma caçamba, mas não a usa sempre, que ela é melhor do que um SUV com espaço fechado para bagagens e malas, incluindo o próprio Bronco Sport nesse caso.

Ford Maverick Lariat FX4 - Marcos Camargo/UOL - Marcos Camargo/UOL
Imagem: Marcos Camargo/UOL

Mecânica
  • Motorização

  • 2.0, 4 cil., 16V, turbo

  • Combustível

  • Gasolina

  • Potência (cv)

  • 253

  • Torque (kgf.m)

  • 38,7

  • Aceleração de 0 a 100 (segundos) (km/h)

  • 7,2

  • Velocidade máxima (km/h)

  • 175

  • Consumo cidade (km/l)

  • 8,8

  • Consumo estrada (km/l)

  • 11,1

  • Câmbio

  • Automático, 8 marchas

  • Tração

  • Integral

  • Direção

  • Elétrica

  • Suspensão Dianteira

  • Independente, Twin-I-Beam

  • Suspensão Traseira

  • Independente, Multilink

  • Freios Dianteiros

  • Discos ventilados

  • Freios Traseiros

  • Discos sólidos

Pneus e Rodas
  • Pneus

  • 225/65 R17

  • Rodas

  • 17 polegadas

Dimensões
  • Altura (mm)

  • 1.733

  • Comprimento (mm)

  • 5.073

  • Entre-eixos (mm)

  • 3.076

  • Largura (mm)

  • 2.134

  • Ocupantes

  • 5

  • Peso (kg)

  • 2.361

  • Porta-malas (L)

  • 934 (caçamba)

  • Tanque (L)

  • 67

Preço das Revisões, Seguro e Garantia
  • 10.000 km

  • R$ 1.066

  • 20.000 km

  • R$ 1.066

  • 30.000 km

  • R$ 1.240

  • 40.000 km

  • R$ 1.362

  • 50.000 km

  • R$ 1.106

  • Garantia

  • 3 anos

Equipamentos
  • Airbags Motorista

  • Airbags Passageiro

  • Airbags Laterais

  • Airbags do tipo Cortina

  • Airbags para joelho do motorista

  • Controle de Estabilidade

  • Controle de Tração

  • Freios ABS

  • Distribuição Eletrônica de Frenagem

  • Ar-Condicionado

  • Travas Elétricas

  • Ar Quente

  • Piloto Automático

  • Volante com Regulagem de Altura

  • Vidros Elétricos Dianteiros

  • Vidros Elétricos Traseiros

  • Central Multimídia

  • Rádio FM/AM

  • Entrada USB

  • Banco de Couro

  • Banco do motorista com ajuste de altura

  • Bancos com ajustes elétricos

  • Computador de Bordo

  • Acendimento automático dos faróis

  • Faróis de neblina

  • Frenagem autônoma de emergência

  • Sensor de pressão dos pneus

  • Alerta de colisão

  • Bloqueio do diferencial