Pesticida está aparecendo em grávidas que vivem perto de fazendas nos EUA

Morar perto de terras agrícolas pode aumentar significativamente a exposição das pessoas ao glifosato, o ingrediente ativo do herbicida Roundup, amplamente utilizado, segundo uma nova pesquisa. Esse produto químico foi associado a problemas de saúde, inclusive linfoma não Hodgkin e maior risco de parto prematuro.

Somos cientistas de saúde ambiental que estudam a exposição a pesticidas em populações humanas. Em nossa pesquisa recém-publicada, acompanhamos os níveis de glifosato em mulheres grávidas durante 10 meses.

Descobrimos que aquelas que moravam a cerca de um terço de milha (500 metros) de um campo agrícola tinham níveis significativamente mais altos de glifosato na urina do que aquelas que moravam mais longe. É importante ressaltar que só observamos essas diferenças durante a época do ano em que os agricultores pulverizam glifosato em seus campos, sugerindo ainda mais que a pulverização agrícola é a fonte dessa exposição.

Nossa pesquisa também constatou que o consumo de alimentos orgânicos, produzidos sem o uso de pesticidas sintéticos, pode reduzir os níveis de glifosato em mulheres que vivem longe de campos agrícolas, mas não em mulheres que vivem perto de campos agrícolas.

Juntos, os resultados fornecem novas percepções sobre como as pessoas são expostas a esse produto químico comum e potencialmente prejudicial.

Por que isso é importante

O glifosato é o pesticida agrícola mais utilizado no mundo. Seu uso cresceu drasticamente nas últimas duas décadas com o aumento da produção de culturas geneticamente modificadas e resistentes a herbicidas. Essas culturas são projetadas para resistir aos efeitos destruidores de ervas daninhas de herbicidas como o glifosato, o que significa que um campo inteiro pode ser pulverizado com esses produtos químicos, eliminando as ervas daninhas sem prejudicar a própria cultura. Essa é uma mudança em relação às práticas anteriores, em que as aplicações de herbicidas tinham de ser mais direcionadas.

Embora herbicidas como a dicamba e o 2,4-D sejam conhecidos por serem transportados pelo ar, o glifosato não é volátil e, por isso, tem havido menos preocupação com seu potencial de dispersão quando é pulverizado nas plantações.

No entanto, nossa pesquisa fornece evidências, pela primeira vez, de que o uso agrícola do glifosato ainda atinge as pessoas que vivem nas proximidades.

Continua após a publicidade
As comunidades rurais têm lidado com os riscos dos produtos químicos agrícolas há muitos anos.
As comunidades rurais têm lidado com os riscos dos produtos químicos agrícolas há muitos anos. Imagem: Carly Hyland

É importante observar que não há consenso sobre se esse herbicida amplamente utilizado causa ou não câncer.

A Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer, parte da Organização Mundial da Saúde, determinou que o glifosato é "provavelmente carcinogênico para os seres humanos", enquanto a Agência de Proteção Ambiental dos EUA concluiu que "não é provável que seja carcinogênico para os seres humanos". Esse debate está acontecendo nos tribunais de todos os EUA, com resultados mistos.

Além das preocupações com o risco de câncer, quatro estudos humanos recentes descobriram que a exposição ao glifosato durante a gravidez estava associada a efeitos reprodutivos. Esses efeitos incluíram parto prematuro, redução da duração da gestação e redução do crescimento fetal.

Entretanto, os cientistas sabem muito pouco sobre os níveis e as fontes de exposição ao glifosato entre as mulheres grávidas. O risco em potencial e essa falta de dados são o motivo pelo qual nosso estudo se concentrou nesse grupo.

Como realizamos nosso trabalho

Coletamos 1.395 amostras de urina de 40 mulheres grávidas que vivem no sul de Idaho. Isso incluiu amostras de urina semanais de fevereiro a dezembro de 2021. Entre as mulheres que moravam perto de campos, descobrimos que os níveis urinários de glifosato eram cerca de 50% mais altos durante a temporada de pulverização de pesticidas - de maio a agosto no sul de Idaho - do que durante o resto do ano.

Continua após a publicidade

Durante duas semanas em junho, também fornecemos aos participantes do estudo uma semana de alimentos orgânicos e uma semana de alimentos convencionais, em ordem aleatória, e coletamos amostras diárias de urina. Os níveis de glifosato diminuíram em cerca de 25% entre a semana de alimentação convencional e a semana de alimentação orgânica para as participantes que moravam longe dos campos. Mas para as mulheres que moravam perto de campos, a mudança para uma dieta orgânica não alterou seus níveis de glifosato.

Os resultados sugerem que, para as pessoas que vivem em cidades, uma dieta orgânica pode ser uma forma eficaz de reduzir a exposição ao glifosato. Entretanto, para as pessoas que moram perto de fazendas, a exposição a aplicações agrícolas próximas pode ser mais importante.

O que ainda não se sabe

Nossa descoberta de que morar perto da agricultura está associado a níveis mais altos de glifosato no corpo fornece novos e importantes insights sobre quem está exposto a esse herbicida. No entanto, ainda não sabemos exatamente como essa exposição está ocorrendo.

Embora muitos pesticidas sejam transportados por deriva aérea, é possível que o glifosato seja transportado de uma maneira diferente. Por exemplo, ele pode aderir ao solo que é soprado ou arrastado para dentro das residências.

Entender isso é fundamental para reduzir a exposição humana a produtos químicos em áreas agrícolas. Também é importante à medida que a urbanização toma conta de terras que antes eram cultivadas. À medida que novas subdivisões e áreas residenciais se expandem e fragmentam as áreas agrícolas, os proprietários de casas estão se deparando com campos agrícolas e seus produtos químicos como vizinhos.

Continua após a publicidade

Este artigo foi originalmente publicado em Inglês

Este artigo foi republicado do The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

*Cynthia Curl é Professora Associada de Saúde Pública e Populacional (Boise State University)
*Carly Hyland é Professora Assistente de Extensão Cooperativa, Universidade da Califórnia, Berkeley

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes