PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Empresa brasileira cria inteligência artificial para auxiliar mamografias

Getty Images
Imagem: Getty Images

Do VivaBem, em São Paulo

21/10/2021 13h55

Uma empresa brasileira desenvolveu uma tecnologia que auxilia no rastreio e no diagnóstico precoce do câncer de mama. O sistema utiliza inteligência artificial nos laudos da mamografia, exame capaz de detectar a doença ou outras lesões nas mamas.

A ferramenta integra a DAMA, um sistema completo para a realização de mamografias, projetado pela Audo, healthtech especializada em radiologia de Fortaleza (CE).

A tecnologia já possui registro da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e, segundo a empresa, chega ao mercado com baixo custo, com o objetivo de facilitar o acesso por clínicas de pequeno e médio porte.

De acordo com os criadores da tecnologia, o sistema usa a inteligência artificial para trazer mais precisão nesses laudos da mamografia, como se fosse uma "segunda opinião" —desta forma, auxiliando também os profissionais de saúde.

Imagem mostra laudo de exame realizado com ajuda do sistema - Divulgação - Divulgação
Imagem mostra laudo de exame realizado com ajuda do sistema
Imagem: Divulgação

Com a IA (inteligência artificial), o sistema tem o aprendizado contínuo, ou seja, as descobertas podem ser aprovadas, rejeitadas ou corrigidas pelo profissional de saúde, o que faz com que algoritmo seja retroalimentado para ficar mais inteligente.

A ferramenta, além de contribuir com os laudos do exame, abrange todo o serviço de mamografia para que os processos fiquem mais automatizados e digitais, evitando atritos e o retrabalho para os médicos e instituições.

"Um dos nossos diferenciais é que os algoritmos podem ser treinados para funcionar em qualquer equipamento digital de mamografia. Ou seja, se eu treinar os algoritmos com as imagens de qualquer equipamento conseguimos fazer as detecções", explica Milena Rosado, CEO da Audo.

A solução elaborada pela empresa de tecnologia teve investimento de R$ 500 mil, boa parte por meio de subvenção da Funcap (Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico), pelos editais Inovafit I e II.

Saúde