PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Substância de erva chinesa atua como contraceptivo masculino, diz estudo

Cientistas americanos e chineses estudam a viabilidade de um contraceptivo oral não hormonal em homens - iStock
Cientistas americanos e chineses estudam a viabilidade de um contraceptivo oral não hormonal em homens Imagem: iStock

Danielle Sanches

Do VivaBem, em São Paulo

02/03/2021 16h17

Pesquisadores americanos e chineses trabalham em uma pesquisa para identificar o que pode ser o primeiro contraceptivo oral não-hormonal masculino.

Os cientistas analisaram a eficácia e a segurança de uma substância chamada triptonide, um composto purificado originário de uma erva chinesa chamada Tripterygium Wilfordii Hook F. O estudo foi publicado no periódico Nature Communications.

A planta já é utilizada há séculos (literalmente) na medicina tradicional chinesa para tratar diversas doenças autoimunes e inflamatórias, incluindo artrite reumatoide. Há diversos compostos vindos dela que estão atualmente sob análise para fins terapêuticos, como o triptolide (com uso potencial para doenças como cistos nos rins e câncer no pâncreas) e triptolidenol, que vem sendo estudado por seu uso contra o câncer (carcinoma) nos rins.

No entanto, desde a década de 1980, há relatos de que os homens que faziam uso da Tripterygium Wilfordii por um período maior que três meses apresentavam infertilidade, com espermatozoides em baixa quantidade, deformados e com baixa mobilidade.

Os especialistas, então, buscaram entender melhor qual composto teria o melhor efeito como contraceptivo e sem apresentar toxidade ao ser humano.

Como o estudo foi feito?

  • Os pesquisadores testaram a eficácia e a segurança do triptonide em ratos e macacos.
  • O estudo envolveu o uso da substância em ratos e macacos;
  • Depois de uma única dose diária, os animais demonstraram quase 100% de deformação nos espermatozoides em até seis semanas, tornando-os inférteis;
  • A fertilidade foi restaurada após quatro a seis semanas depois que a dose foi retirada;
  • Nenhum efeito colateral foi observado em nenhum animal.

Por que isso é importante?

Atualmente, a maioria dos métodos contraceptivos atua exclusivamente no sistema reprodutor feminino — obrigando, assim, mulheres de todo o mundo a usarem doses de hormonais ou mesmo dispositivos que impactam negativamente em sua saúde.

Por isso, encontrar um método contraceptivo masculino, oral e não hormonal, que seja eficaz, seguro e reversível, é uma forma de aliviar esse peso carregado por grande parte da população feminina.

A pesquisa, no entanto, ainda é preliminar e precisa de mais tempo, mais estudo e testes em humanos para que a substância seja considerada viável e segura para uso em larga escala.

Saúde