PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Gravidez ectópica como de Camila Monteiro põe em risco a gestante; entenda

Danielle Sanches

Do VivaBem, em São Paulo

27/01/2021 11h24

A youtuber Camila Monteiro emocionou seguidores após divulgar uma foto em que se despedia do filho. Ela precisou interromper a gestação após descobrir ser uma gravidez tubária ectópica.

Ela descobriu o problema depois de ir ao pronto-socorro, por volta da sexta semana de gravidez, quando constatou que o óvulo estava evoluindo na sua trompa direita. "Eu e o meu marido choramos a noite toda, estou na base de calmantes, sinto raiva de tudo e muita revolta", contou.

O que é gravidez ectópica?

Na gravidez ectópica, o embrião se desenvolve fora da cavidade uterina — em 98% dos casos, isso acontece nas tubas, como no caso de Camila.

As tubas são revestidas por cílios microscópicos — estruturas que auxiliam a passagem do óvulo fecundado até o útero. Por isso, qualquer problema na estrutura dessa região pode afetar essa passagem.

Inflamações (provocadas ou não por infecções sexualmente transmissíveis) e deformidades anatômicas são algumas das causas da condição, que atinge entre 1% e 2% das mulheres e traz diversos riscos à vida da gestante, como hemorragia grave e danos aos órgãos, e pode provocar a morte da mulher.

Como e quando ela é detectada?

Normalmente, o problema é detectado durante o pré-natal, entre a quinta e a décima quarta semana de gestação, com um índice baixo de evolução do Beta HcG (hormônio produzido durante a gravidez) e uma ultrassonografia com ausência de sinais de embrião no útero. A mulher também pode apresentar sangramento e dor.

Quais os riscos da gravidez ectópica?

A gravidez ectópica acontece quando há problemas nas últimas etapas da fecundação, ou seja, no momento em que o óvulo fecundado migra pela tuba uterina para chegar ao útero ou durante a implantação dele na parede do útero — que é o lugar onde ele poderia se desenvolver sem problemas.

As tubas são pequenas e estreitas; por isso, caso o óvulo comece a se desenvolver ali, ele pode romper o tecido e provocar uma hemorragia grave.

Quando feita de forma planejada, ou seja, antes de acontecer o rompimento de alguma estrutura interna, a remoção pode ser feita com o uso de medicamentos ou por cirurgia (laparoscopia). A tuba também pode ser fechada, caso seja necessário, para evitar que a mulher passe pela situação novamente.

É possível reverter o quadro?

Não. O óvulo fecundado não costuma evoluir bem e, além disso, o crescimento dele nas tubas representa um risco grande de vida à mulher. Por isso, a recomendação é a interrupção, com uso de medicamentos ou cirurgia, tão logo o problema seja diagnosticado.

* com informações de reportagem publicada em 01/12/2019; e reportagem do site do Drauzio Varella.

Jairo, tem como reverter uma gravidez ectópica, ou seja, fora do útero?

Saúde