Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

É possível reimplantar o embrião retirado de uma gravidez ectópica?

Gravidez ectópica acontece fora do útero e pode provocar risco de vida à mulher - iStock
Gravidez ectópica acontece fora do útero e pode provocar risco de vida à mulher Imagem: iStock

Danielle Sanches

Do VivaBem, em São Paulo

01/12/2019 13h29

Resumo da notícia

  • Projeto de lei dos EUA prevê que o embrião removido de uma gestação ectópica seja reimplantado no útero
  • Se a lei for aprovada, os médicos que não fizerem isso podem ser responsabilizados criminalmente por provocarem "aborto"
  • Médicos, no entanto, afirmam que isso é impossível e que o embrião não sobrevive ao procedimento de remoção
  • Gravidez ectópica acomete entre 1% e 2% das mulheres e pode provocar hemorraria interna, danos aos órgãos e até a morte da mulher

O estado de Ohio, nos Estados Unidos, virou notícia na última semana após alguns legisladores promoverem um projeto de lei que prevê que, em caso de gravidez ectópica, o embrião gerado fora do útero seja reimplantado imediatamente após a cirurgia de remoção. Caso não façam isso, os médicos poderão responder a acusações criminais por conta do "aborto".

Na gravidez ectópica, o embrião se desenvolve fora da cavidade uterina — em 98% dos casos, isso acontece nas trompas. A condição atinge entre 1% e 2% das mulheres e traz diversos riscos como hemorragia grave e danos aos órgãos, e pode provocar a morte da mulher.

Normalmente, o problema é detectado entre a quinta e a décima quarta semana de gestação, com um índice baixo de evolução do Beta HcG (hormônio produzido durante a gravidez) e uma ultrassonografia com ausência de sinais de embrião no útero. A mulher também pode apresentar sangramento e dor.

Segundo reportagem do jornal britânico The Guardian, a proposta de lei (House of Bill) 413 levantou questionamentos por toda a parte, mas especialmente do lado da classe médica, já que a reimplantação do embrião após sua remoção simplesmente não é possível. Um deles chegou a comentar no Twitter: "Isso é impossível. Iremos todos para a cadeia" (em tradução livre).

De acordo com o ginecologista e obstetra Geraldo Caldeira, médico do Serviço de Reprodução Humana do Hospital e Maternidade Santa Joana, o projeto de lei não tem fundamentação científica. "É claro que gostaríamos de ter a possibilidade de salvar esse embrião, mas hoje não existe tecnologia na medicina que nos permita fazer isso", afirma.

Segundo ele, uma vez que o embrião seja removido do local onde estiver implantado, ele ficará sem fornecimento de sangue e oxigênio. "Ele não vai sobreviver a essa remoção", diz.

O especialista ainda lembra que, na maior parte dos casos de gravidez ectópica, o embrião nem chega a se desenvolver completamente. "São raríssimos os casos em que encontramos batimentos cardíacos", explica.

Quais os riscos da gravidez ectópica?

A gravidez ectópica acontece quando há problemas nas últimas etapas da fecundação, ou seja, no momento em que o óvulo fecundado migra pela tuba uterina para chegar ao útero ou durante a implantação dele na parede do útero.

O crescimento desse embrião no lugar errado pode gerar graves consequências. "A trompa é pequena. Se ele começa a crescer ali, ele pode romper aquela região, provocando uma hemorragia interna", explica Caldeira.

Em caso de rompimento, o médico lembra que a cirurgia é emergencial e com risco de vida à mulher - e pensar em reimplantar o embrião no mesmo procedimento é impensável. "Aumenta-se o risco de um procedimento cirúrgico por uma coisa que já sabemos que não vai dar certo", diz.

Quando feita de forma planejada, ou seja, antes de acontecer o rompimento de alguma estrutura interna, a remoção é feita por meio de laparoscopia. O médico ainda recomenda ressecar a trompa problemática para evitar que a paciente enfrente novamente essa situação.

Podcasts do UOL
Ouça o podcast Maratona, em que especialistas e corredores falam sobre corrida. Os podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas de áudio.

Saúde