PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Contagem de carboidrato e mudança no recreio: os perrengues dos diabéticos

iStock
Imagem: iStock

Priscila Carvalho

Do VivaBem, em São Paulo*

30/09/2020 04h00

Não poder comer determinado alimento, se preocupar nas viagens, evitar doces e massas durante as reuniões familiares. Estes são só alguns dos "perrengues" que as pessoas diabetes passam diariamente.

Embora alguns tentem levar uma vida normal, muitas vezes é necessário ter uma precaução maior para evitar o agravamento da condição e outros problemas associados. Abaixo, quatro pessoas contam um pouco das situações estressantes que já passaram desde que descobriram o diabetes e como fazem para contorná-las no dia a dia.

"Pedi delivery, veio errado e tive que recalcular o carboidrato"

Cassiane Godoy, 26

"Descobri a doença em 2014. Estava numa fase de mudanças e tive infecção urinária e bebia muita água. Durante um almoço de família, não parava de beber água e, quando minha mãe mediu minha glicemia, estava em torno de 500. Em seguida, já recebi o diagnóstico de diabetes tipo 1.

Desde então, cuido da minha saúde e tento sempre analisar o prato e ver o quanto tem de carboidrato, gordura e proteína. Além disso, tenho que pensar em tudo quando a rotina é fora de casa.

Um dos meus perrengues foi ao fazer um pedido de delivery. Tinha pedido um carbonara pelo aplicativo e já tinha aplicado a insulina. Quando coloquei na boca, 15 minutos depois, era de palmito pupunha. Tive que corrigir a quantidade de carboidrato, e não foi legal."

"O recreio e as festinhas eram sempre um desafio"

Lilian Pastore, mãe de Luiza, 12

"Aos oito anos, ela descobriu o diabetes tipo 1. Foi atípico porque ela estava tendo várias infecções na pele, por isso já notamos o problema. Teve um período longo de adaptação para entender a doença, medir porções e saber exatamente como ia ser a rotina dali para frente. Demorou quase quatro meses entre o diagnóstico e o uso da insulina.

No recreio, foi o pior momento, já que ela precisava aplicar a insulina sempre 15 minutos antes da pausa. Pedi afastamento do trabalho e fiquei fazendo protocolo para ela, treinando funcionários na escola, medindo porções de carboidrato. Mandavas todos os lanches bem etiquetados, com todas as referências. Fiquei ali até ela se acostumar. Nas festinhas também foi bem difícil. Tive que conversar com outras mães e oriento sempre.

Felizmente, ela mudou da injeção para bomba, e ficou bem melhor. Antes, eram 10 injeções diárias e agora com o novo produto é uma picada basicamente a cada três dias."

"Tenho histórico na família e não é nada fácil no dia a dia"

Edneusa de Souza Ribeiro, 54

"Descobri a doença há dez anos fazendo um exame de rotina. Hoje, tento lidar bem com a diabetes, mas sigo certinho todos os remédios e a dieta: não posso comer açúcar, massa e outras comidas.

Acho que não existe algo mais fácil no dia a dia. Sempre tento evitar ficar nervosa, já que também é prejudicial para a diabetes e os cuidados são diários. No dia a dia meu maior perrengue é quando ela sobe, que eu sinto tontura, mal-estar e me sinto mal.

Tento me policiar ao máximo, já que venho de uma família com histórico, perdi mãe por causa da diabetes e minha irmã mais velha já está com a diabetes bem avançada e utiliza insulina como tratamento diário."

Paciente  - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

"Acho que o maior problema é sofrer com hipoglicemia"

Thaís Cachuté, 40

"Eu tenho diabetes há 36 anos. Lido bem porque tive uma criação que sempre me ensinou a ser independente e cuidar muito da minha saúde.

E ainda bem que os tratamentos foram avançando. Quando fiquei diabética, só existia insulinas tiradas de porco e boi. Você não tinha aparelhos de medir glicemia, era bem mais complicado.

Hoje em dia, existe insulina muito mais moderna, que permite que sua glicemia fique mais estável, ajudando a controlar sempre. No caso das adversidades, acho que são com as hipoglicemias. Acontecem e têm que saber lidar e prevenir para que não ocorram com frequência."

Diferenças entre os tipos de diabetes

O tipo 1 representa cerca de 10% dos casos e é provocado por um processo autoimune —o organismo confunde alguma estrutura própria como um agente invasor, e ativa seu sistema de defesa para acabar com ela. Nos pacientes com esse tipo, o sistema imunológico ataca as células beta, no pâncreas, responsáveis pela produção de insulina.

No tipo 2, na maioria dos casos (cerca de 90% dos pacientes), o corpo não consegue utilizar adequadamente o hormônio que metaboliza a glicose, condição chamada de resistência à insulina, ou essa substância não é produzida em quantidade suficiente para manter o nível de glicose dentro da normalidade. Apesar de ser mais frequente em adultos a partir dos 40 anos de idade, o número de adolescentes e até crianças diagnosticadas com diabetes tipo 2 aumentou, nas últimas décadas, à medida em que a população tornou-se mais obesa.

Diabetes - MarkHatfield/iStock - MarkHatfield/iStock
Imagem: MarkHatfield/iStock

Insulina ultrarrápida e mais moderna

No tratamento do diabetes tipo 1, o paciente precisa repor insulina. Existem diversos tipos no mercado e o paciente normalmente tem que levar múltiplas injeções. Geralmente, é uma combinação de insulina lenta ou basal e bolus. A basal é para manter um nível mínimo e estável de insulina ao longo do dia.

A grande novidade é que, recentemente, o Brasil recebeu uma insulina dita como análoga rápida, que não precisa ser aplicada com muito tempo de antecedência às refeições. "Esse tipo possibilita uma absorção mais rápida. Ela faz com que com a insulina se quebre e seja absorvida mais rápido, diminuindo o tempo de zero a dois minutos antes das refeições", explica André Bressan, gerente médico da Novo Nordisk, farmacêutica que produz a insulina ultrarrápida.

Antes de surgir esse tipo de insulina, os pacientes tinham que aplicá-la com pelo menos 40 minutos antes das refeições.

Lotes de insulina parados em galpão

Atualmente, o SUS (Sistema Único de Saúde) disponibiliza nas UBSs (unidades básicas de saúde) as insulinas do tipo NPH e regular, que são destinadas a pacientes que têm diabetes dos tipos 1 e 2.

Em 2017, o Ministério da Saúde incorporou ao sistema as insulinas análogas de ação rápida, que são destinadas a pacientes com diabetes do tipo 1, e podem ser aplicadas em até 15 minutos antes das refeições.

No entanto, o órgão fez a compra e disponibilizou o produto para as secretarias estaduais somente em 2018. De acordo com ADJ Diabetes Brasil (entidade com mais de 40 anos que tem por missão levar informação relevante e de qualidade a pessoas com diabetes), o governo adquiriu lotes do produto para 396 mil brasileiros e contemplou até agora um pouco mais de 40 mil pessoas.

Segundo a entidade, o paciente não tem recebido o medicamento por causa da burocracia. "Muitas vezes, o setor responsável pela distribuição exige uma série de documentos como relatórios, receitas médicas, laudos, o que dificulta muito a vida do paciente", afirma Karla Melo, doutora em endocrinologia e advocacy da SBD (Sociedade Brasileira de Diabetes).

A especialista explica ainda que o maior problema são os locais de dispensação e a desinformação. "Há um erro no local de distribuição, já que as insulinas de ação rápida são distribuídas nas farmácias de alta complexidade, não sendo acessível à maior parte da população. O interessante seria diminuir a burocracia e permitir a retirada em uma UBS, por exemplo."

E o pior, segundo ela, é que o governo tem lotes estocados que estão a ponto de vencer. O prazo, segundo a ADJ, é junho do ano que vem.

Procurado pela reportagem, o Ministério da Saúde informou que os pacientes cadastrados pelo CEAF (Componente Especializado da Assistência Farmacêutica) com prescrição médica e Laudo de Medicamento Especializado (LME) podem ter tratamento por até 6 meses, não sendo necessário entregar nova documentação para acesso à insulina análoga de ação rápida.

Em relação ao estoque de remédios que está perto de vencer, a pasta disse que mesmo com a flexibilização e o abastecimento regular da rede desde o início de sua distribuição, a demanda de análogos de insulina de ação rápida permaneceu inferior àquela estimada pelo governo no momento de sua incorporação três anos atrás. O ministério afirmou ainda que não há medicamento vencido no estoque do almoxarifado do órgão.

A ADJ e Sociedade Brasileira de Diabetes informaram que, em reunião realizada na semana passada (22), conseguiram o reconhecimento do Ministério da Saúde sobre a disponibilização dessa insulina de ação rápida na atenção básica, porém a decisão ainda precisa ser publicada no Diário Oficial.

*Com colaboração de Gabriela Ingrid.

Saúde