PUBLICIDADE

Topo

Ela superou a depressão e perdeu 30 kg mudando aos poucos seus hábitos

Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

Roseane Santos

Colaboração para o VivaBem

24/09/2020 04h00

Após descobrir que o marido tinha uma doença grave, Michelle Rocha, 37 anos, entrou em depressão e engordou. Depois de uma grave crise da empreendedora, o casal decidiu viver cada dia como se fosse o último, vendeu tudo o que tinha e foi morar numa kitnet perto da praia, o que ajudou Michelle a adotar hábitos saudáveis. A seguir, ela conta como passou de 102 kg para 72 kg em um ano:

"Eu sempre fui muito magra e engordei sem perceber. Casei aos 16 anos e, quando meu primeiro filho tinha seis meses, descobrirmos que meu marido tinha uma síndrome rara, que descontrolava seus hormônios e afetava o sistema imunológico, aumentando o risco de infecções. Eu tinha só 18 anos e o médico deu apenas um ano de vida para meu esposo, o que abalou toda a família.

Entrei em depressão e tentei suicídio três vezes. Ficava dentro do quarto, só deitada e comendo. Na última crise, passei um mês trancada. Comer era a única coisa que me dava prazer e logo se tornou algo compulsivo. Só que eu não percebi o quanto isso estava me fazendo engordar. Quando vi, já pesava 102 kg e bateu o desespero.

Como emagreci - Michelle 2 - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

Quis emagrecer tudo de uma vez. Passei a consumir somente sopa e suco. Perdi uns 5 kg, depois não aguentei e voltei a comer compulsivamente, engordando ainda mais. Também tentei resolver o problema do excesso de peso fazendo exercícios enlouquecidamente. Andava de bicicleta pela manhã, corria à tarde, ia para a academia à noite. Claro que isso só trouxe prejuízos: machuquei joelhos, ombros.

Meu marido superou a expectativa de vida dada pelos médicos. Mas ele sofria muito e parecia que a morte estava sempre ao seu lado. Para tentar melhorar um pouco o bem-estar de meu esposo, como sou de origem indígena, decidi visitar algumas tribos para conhecer soluções naturais que contribuiriam para aliviar sua dor.

Tivemos um segundo filho, porém nossa vida era sempre cheia de altos e baixos. Após eu ter mais uma crise depressiva muito séria, conversei com meu esposo e disse que, como ele poderia morrer a qualquer momento, a gente deveria aproveitar a vida intensamente, como se cada dia fosse o último.

Como emagreci - Michelle 3 - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

Ele topou a ideia e passei a não o enxergar mais como alguém doente. A gente vivia em um bairro de periferia do Rio de Janeiro e resolveu vender tudo que tinha para morar em uma kitnet no Recreio dos Bandeirantes, pois meu marido sempre teve o sonho de morar perto da praia. Então, logo resolvemos caminhar todos os dias pela orla, um hábito muito saudável.

Também decidi aproveitar tudo que descobri nas minhas visitas às tribos e abrir uma loja de produtos naturais. A maioria dos meus clientes era gente preocupada com a saúde, que tentava se manter dentro de um peso saudável, e eles começaram a me cobrar e me incentivar a emagrecer.

Em 2019, iniciei uma mudança de hábitos. Só que dessa vez resolvi que faria tudo diferente. Tirei um pouco o pé do acelerador no trabalho e passei a me cuidar. Nas outras tentativas de emagrecer, comprei roupas de treino, tênis, fiz plano anual na academia. Ou seja, criei uma grande expectativa e depois me frustrei. Agora, decidi que ia fazer o que desse, aos poucos.

Como emagreci - Michelle 4 - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

Comecei a criar metas simples. Exemplo: se estivesse bem após uma semana de caminhada, iniciaria pequenas corridas. Também defini que, a cada pequena conquista, eu me daria uma "recompensa". Depois de um mês e meio de corridas, eu me matriculei na academia e comecei a fazer zumba e musculação. Quando perdi 10 quilos, eu me dei de presente a massagem modeladora.

Na alimentação, também tracei pequenas metas e não cortei tudo de uma vez. Primeiro deixei de beber refrigerante, depois parei de consumir doces e, mais adiante, diminui o carboidrato. Assim, dando um passo de cada vez no treino e na dieta, consegui emagrecer 30 kg em um ano.

Infelizmente, meu marido faleceu agora em 2020, após contrair covid-19. Ter mudado hábitos foi importante para lidar com esse momento de tristeza sem entrar novamente em depressão. Graças à boa alimentação e à prática de exercícios, eu me sinto mais equilibrada em tudo, com boa saúde física e mental. Vivo de uma maneira mais tranquila com meu corpo e comecei a fazer faculdade de nutrição, para pode ajudar outras pessoas a mudarem seus hábitos. Sempre digo que, por mais que pareça difícil, é possível alcançar aquilo que desejamos.