PUBLICIDADE

Topo

Ela perdeu 76 kg com apoio da família, que mudou hábitos e emagreceu junto

Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

Elcio Padovez

Colaboração para o VivaBem

18/06/2020 04h00

A carioca Alice Roberta começou a sofrer com o efeito sanfona após a primeira gravidez. Quando teve a terceira filha, descuidou da alimentação de vez e chegou a 136 kg. Encorajada pelo marido, ela fez a bariátrica e adotou hábitos mais saudáveis que mudaram a rotina de toda casa, fazendo com que a família perdesse junta 109 kg em dez meses. A seguir, a dona de casa conta como conseguiu:

"Quando fiquei grávida pela primeira vez, em 1995, era magra, gostava de atividade física e estranhei ganhar quase 10 kg até a chegada da minha primeira filha. Passei por uma endocrinologista e logo voltei ao meu peso ideal: 60 kg.

Mas isso não durou muito e comecei a sofrer com o efeito sanfona. Vivia engordando e fazendo dietas. Engravidei mais duas vezes e, na terceira gestação, a coisa saiu do controle. Engordei rápido demais e vi minha saúde ir para o espaço. Passei dos 100 kg e, junto com os três dígitos na balança, vieram vários problemas de saúde: crises de dores nas costas, pré-diabetes e pressão alta. A vida social ficou restrita e até levar as crianças para brincar na praia era um desafio.

Os hábitos alimentares em casa não eram nada saudáveis. Tomávamos quatro litros de refrigerante diariamente e quase sempre pedíamos lanches para jantar.

Preocupado com minha saúde, meu marido Renato, com que estou casado há 27 anos, me incentivou a entrar na fila para fazer a cirurgia bariátrica pelo SUS (Sistema Único de Saúde)

Tinha medo de fazer a operação, pois ouvia muitas coisas ruins sobre ela. Mas a endócrino me encorajou também e dei entrada no processo em maio de 2017. Estava com 119 kg. Quando me chamaram para a primeira avaliação, em dezembro de 2018, pesava 128 kg e um tempo depois já estava com 136 kg.

Marcamos a bariátrica para dali a três meses e comecei a fazer uma dieta pré-operatória. Passei a comer em poucas quantidades e de três em três horas. Aumentei o consumo de alimentos saudáveis, como legumes, verduras, frutas, ovo e carnes. Não tinha restrições. Arroz e feijão estavam liberados, eu só tinha que evitar opções nada saudáveis como refrigerante e comidas ultraprocessadas.

Alice 2 - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal
Com essas simples mudanças já perdi 2 kg, o que me animou. Fiz a operação em março de 2019, totalmente motivada a mudar meu estilo de vida. Ainda no pós-operatório, quando só podia consumir líquidos, coloquei na cabeça que aboliria refrigerante e fast-food do cardápio.

Meu marido foi muito parceiro no processo, pois decidiu fazer dieta junto comigo (também estava acima do peso e tinha 110 kg). Ele ainda incentivou nosso filho Derick, que aos 13 anos já pesava 70 kg, a fazer o mesmo e começar a se alimentar melhor. Essa mudança de atitude em casa foi muito positiva, pois é complicado seguir um cardápio saudável enquanto outras pessoas estão comendo besteiras.

Mesmo não sendo chegado em verduras e legumes, Renato começou a se esforçar para comer os vegetais da minha sopa, quando eu ainda só podia ingerir líquidos.

Aprendi que para emagrecer não é preciso abrir mão de comer coisas gostosas, basta colocar no prato comida de verdade. Meu cardápio até hoje tem pão integral, crepioca, queijo branco, arroz, feijão, carnes e muitas verduras, legumes e frutas.

No começo, o Derick torceu um pouco o nariz para a nova alimentação da casa, pois adora refrigerante e lanches. Ele fazia cara feia para os 'pratos coloridos', mas com o tempo começou a perceber que eu e meu marido estávamos felizes com os resultados e também se animou.

Alice e família - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Alice, o marido Roberto e o filho Derick perderam 109 kg juntos
Imagem: Arquivo pessoal

Abraçamos um novo estilo de vida e começamos a praticar exercícios. Comecei a fazer academia cinco vezes por semana, alternando treinos aeróbicos e de musculação. Logo treinar virou minha 'terapia' —uma das, pois após a cirurgia eu também comecei a ter acompanhamento psicológico, que mantenho até hoje e foi muito importante para o resultado final.

Após dez meses, perdi 76 kg e voltei ao meu peso saudável. Renato eliminou 24 kg nesse período, ganhou mais fôlego por conta dos exercícios e deixou de roncar. Já o Derick emagreceu 9 kg.

Hoje, minha caçula mostra curiosidade em saber e experimentar o que estou cozinhando e fico feliz em passar este bom exemplo para ela. Eu me tornei outra pessoa. Ganhei autoestima e vou à praia, faço stand-up paddle, ando de caiaque e dou risada com a família. Não me escondo mais atrás das pessoas na hora de tirar uma foto. Meu próximo passo é fazer as cirurgias reparadoras, para retirada do excesso de pele e ganhar mais massa magra. Não quero mais emagrecer, só manter os 60 kg atuais e o estilo saudável."