PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Estudo identifica casos de zika em recém-nascidos sem sintomas da doença

EPA
Imagem: EPA

Fábio de Oliveira

Da Agência Einstein

22/04/2020 09h30

Uma pesquisa conduzida por especialistas da Fiocruz-BA (Fundação Oswaldo Cruz da Bahia) revela: casos de infecção causada pelo vírus da zika foram identificados em bebês que nasceram sem sintomas da doença ou alterações causadas por ela, como a microcefalia.

O estudo foi realizado em 2016, depois da ocorrência da epidemia do vírus na capital baiana em 2015. Salvador foi uma das primeiras cidades a registrar o nascimento de bebês com microcefalia e uma das mais afetadas no país, como lembra a infectologista Isadora Siqueira, que é pesquisadora da Fiocruz Bahia.

Ela é a autora principal do trabalho, que foi publicado no início deste ano na revista científica International Journal of Gynecology and Obstetrics.

A iniciativa foi levada a cabo na maternidade Professor José Maria Magalhães Netto, que é pública. "Convidávamos todas as mães que iam ter bebê lá e apresentaram suspeita de zika", conta Isadora. Na época ainda não havia um exame para confirmar a enfermidade, daí dava-se atenção ao relato de sintomas como febre e manchas vermelhas pelo corpo, o exantema.

No total, foram avaliados 151 bebês recém-nascidos. Foram coletadas amostras de tecido placentário, sangue, sangue do cordão umbilical e urina dos bebês para detectar a presença do vírus.

Os resultados mostraram que 21% deles, ou 32, tinham microcefalia, sendo que cinco foram considerados como grave. Nesses pequenos, foram identificados anticorpos para o microrganismo. Eles também foram submetidos a um exame de imagem, o ultrassom transfontanela, para checar se existia alguma alteração cerebral compatível com a redução anormal da cabeça.

Das 119 crianças que nasceram com o crânio simétrico e arredondado, 17 foram diagnosticadas com a infecção congênita. Em quatro, o resultado positivo veio do exame de sangue e nos outros 13, dos testes de urina.

"O diagnóstico no bebê é difícil", diz Isadora Siqueira. Isso porque a gestante pode se contaminar, o vírus passar pela placenta, causar estragos no feto, mas o bebê vem à tona sem o microrganismo.

Daí a necessidade de se fazer um acompanhamento multidisciplinar dessas crianças depois do nascimento, sobretudo do seu desenvolvimento neurológico.

Estudos da Fiocruz na Bahia e no Rio de Janeiro mostraram que 30% desses meninos e meninas assintomáticos ao nascerem podem apresentar linguagem e cognição prejudicadas.

"O vírus talvez tenha feito um dano mais discreto", fala a pesquisadora. Em caso de atraso na fala e afins, pode ser útil a assistência de um fonoaudiólogo.

Saúde