PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Quando devemos levar a criança ao pronto-socorro?

AgFang/Istock
Imagem: AgFang/Istock

Nicola Ferreira

Da Agência Einstein

14/01/2020 11h56

Febre, tosse, náuseas e batidas na cabeça. Problemas comuns em crianças, acabam sendo justificativas para que a família corra para o pronto-socorro mais próximo. Contudo, muitas vezes a ida ao ambulatório é desnecessária e expõe a criança e seus acompanhantes a doenças potencialmente mais graves por estarem em um ambiente propício à contaminação por micro-organismos.

Segundo a SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria), 75% das consultas em prontos-socorros não precisariam ocorrer. A Agência Einstein entrevistou médicos para saber, afinal, quando realmente é preciso levar a criança ao hospital.

Por que os pais preferem levar os filhos no pronto-socorro?

Por três motivos: exame e solução na hora, aberto 24 horas por dia e não precisar marcar consulta. O imediatismo e a ansiedade por respostas são características observadas com preocupação pelos pediatras. "Hoje para as pessoas não importa o médico, mas sim qualquer médico", lamenta o pediatra Tadeu Fernandes, presidente do Departamento Científico de Pediatria Ambulatorial da SBP.

A recomendação da SBP é para que o pai sempre entre em contato com o pediatra antes de tomar qualquer atitude com o filho. "Os novos meios de comunicação, como o WhatsApp, ajudam muito", afirma Fernandes. O médico que acompanha a criança conhece seu paciente. Por isso, é mais capacitado a encontrar o melhor tratamento. "O médico do pronto-socorro não conhece a criança e precisa dar uma solução imediata" - afirma o neonatologista Arno Warth, Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.

Os problemas de levar a criança sem necessidade ao hospital

Um dos mais graves é o risco de contaminação que aumenta drasticamente nesses ambientes, já que há um acúmulo de vírus e bactérias no espaço. Aí sim a criança ou seu acompanhante podem desenvolver uma doença ou piorarem um quadro existente. Traumas também podem ser gerados. "A criança é submetida a um ambiente de alto estresse", afirma Warth. Essa experiência traumatizante pode criar medo de hospital e de médico.

Quando levar a criança ao hospital?

Muitos quadros podem assustar os pais, mas é importante manter a calma e não sair apressado para o pronto-socorro. Saiba o que é preciso considerar antes de tomar esta decisão:

- Febre
Caso não baixe em 72 horas ou a criança continuar apática é hora de levá-la ao hospital. A febre é tratável em casa com um antitérmico, que demora até 50 minutos para agir. É recomendado aguardar este tempo. Muitas vezes o pediatra ainda não tem evidências suficientes para realizar o diagnóstico. Contudo, se a febre baixar e a criança continuar abatida é preciso consultar um especialista.

- Diarreia
A maior preocupação da diarreia é quando a criança fica desidratada por conta da perda de líquido. Caso isso ocorra é necessário a ida ao serviço de emergência. Os sintomas mais tradicionais da desidratação são os lábios e a língua seca, a diminuição e o escurecimento da urina e os olhos fundos. Observe também se não há um quadro de vômitos, já que isso representa que ela está rejeitando líquidos, favorecendo a desidratação.

- Problemas na respiração
Nesses casos é importante estar atento a respiração da criança. Se ela estiver tendo problemas para realizar atividades por conta de estar ofegante ou parecer "cansada" como se tivesse feito alguma atividade física, pode ser sinal de um algo mais grave, como doenças respiratórias e infecciosas, nesses casos é necessário levar ao hospital.

- Alergia
Em casos de manchas e coceira é recomendado consultar o pediatra ou o dermatologista. A ida a um pronto-socorro só é necessária em casos de problemas para respirar. Chiado e tosse rouca são alguns dos sintomas que precisam ser observados, se constante precisam ser examinados por especialistas. Atente-se a inchaços na garganta e lábios, sinais de choque anafilático, caso apresente algum desses sintomas é recomendada a ida imediata ao hospital.

- Cortes e quedas
Depende muito da profundidade e quantidade de sangue sendo perdido. No caso de quedas é importante ficar de olho na criança após a batida: sonolência, vômitos, dor de cabeça ou qualquer outra anormalidade são sinais de que é necessário ir ao hospital. Caso ela esteja abatida, principalmente se for muito ativa, é recomendado levá-la ao hospital.

- Intoxicação
Leve diretamente ao hospital. Não induza vômitos e tente pegar o rótulo do produto para fornecer ao médico detalhes que poderão ajudar no tratamento.

VivaBem no Verão - 2ª edição

O VivaBem está no litoral paulista com o VivaBem no Verão. São dois espaços na Riviera de São Lourenço (Bertioga) com diversas opções de atividades físicas, lazer, cultura e comidas para você curtir o calor com a família ou os amigos. Saiba mais sobre o evento aqui e venha nos visitar!

Data: de 26 de dezembro de 2019 até o dia 09 de fevereiro de 2020, de quinta a domingo
Horário de funcionamento: das 9h até as 13h (praia) e das 17h até a 1h (arena)
Endereço arena: Av. Riviera, s/n, próximo ao shopping
Local do espaço na praia: canto direito da praia de Riviera de São Lourenço
Entrada: gratuita

Saúde