PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Asma, câncer, infarto, AVC: veja 7 doenças que o fumo passivo pode causar

iStock
Imagem: iStock

Luiza Vidal

Colaboração para o VivaBem

08/01/2020 04h00

Resumo da notícia

  • O cigarro também traz consequências graves à saúde do fumante passivo, não só ao ativo
  • Fumaça que sai da ponta do cigarro e se difunde no ambiente contém 50 vezes mais substâncias cancerígenas do que a fumaça que o fumante inala
  • Basta o contato com a fumaça para que os riscos de doenças aumentem

Uma pessoa exposta à fumaça do cigarro pode desenvolver doenças respiratórias, cardiovasculares e cerebrais, além de câncer. Apesar de os fumantes ativos apresentarem mais riscos, o tabagismo passivo também traz consequências graves à saúde.

Essa fumaça é chamada de poluição tabagística ambiental (PTA), que é uma mistura do que sai após uma tragada, da fumaça liberada da ponta do cigarro e também do material já depositado no ambiente de outras pessoas que fumaram lá.

De acordo com o Inca (Instituto Nacional de Câncer), a fumaça que sai da ponta do cigarro e se difunde no ambiente contém, em média, três vezes mais nicotina, três vezes mais monóxido de carbono e até 50 vezes mais substâncias cancerígenas do que a fumaça que o fumante inala.

Essas substâncias podem ficar no local por 24 horas ou mais, como explica o pneumologista do Icesp (Instituto do Câncer do Estado de São Paulo) e do Hospital Alemão Oswaldo Cruz (SP), Gustavo Prado. "O pai que fuma no banheiro e leva o filho para o banho está expondo a criança; o adulto que fuma no carro e busca a filha na escola, também a está expondo", diz.

E são muitas doenças que podem ser causadas mesmo que a pessoa não fume. Basta o contato com a fumaça para que os riscos de doenças aumentem.

Como a fumaça que é inalada vai direto para o pulmão, o surgimento ou agravamento de doenças respiratórias são comuns, como rinite, sinusite, bronquite, alergias nos olhos, asma, entre outros. Confira as principais:

1 - Asma

O que é? A inflamação dos brônquios (tubos que levam o ar aos pulmões), dificultando assim a passagem do ar. Pacientes com asma de natureza alérgica podem piorar quando são expostos ao cigarro, além de prejudicar o tratamento medicamentoso. Segundo o Ministério da Saúde, a asma é comum e afeta cerca de 10% da população mundial.

Sintomas Crises de falta de ar, chiado no peito e tosse.

2 - Bronquite crônica

O que é? Diferente da bronquite aguda, geralmente causada por um vírus, a crônica é principalmente provocada pelo tabaco, na qual também ocorre a inflamação dos brônquios. Ela é considerada uma DPCO (Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica), que é o termo utilizado para agrupar as duas principais doenças associadas ao tabagismo.

Sintomas Tosse e catarro no peito. A expulsão da secreção costuma ocorrer na maioria dos dias durante dois anos consecutivos.

3 - Enfisema pulmonar

O que é? Uma doença pulmonar obstrutiva crônica na qual o órgão fica cheio de buracos, danificando os alvéolos. O pulmão também perde progressivamente a função. É também definida como uma DPCO. No Brasil, o ato de fumar é responsável por 85% das mortes causadas por enfisema pulmonar, segundo o Inca.

Sintomas É, principalmente, a falta de ar, mas também pode provocar respiração ofegante com chiado e tosse.

cigarro; fumo; tabagismo; maço - iStock - iStock
Crianças que crescem vendo os pais fumando passam por uma exposição precoce, que pode aumentar a chance do desejo de fumar
Imagem: iStock

A exposição ao tabaco também pode acarretar no surgimento de tumores em diversas regiões do corpo como laringe, esôfago, estômago, pâncreas, bexiga, rim etc. Entre os cânceres mais comuns, está o de pulmão, considerado agressivo. "É um tumor que, habitualmente, chega ao médico já em estágios avançados. É uma situação mais grave", conta a oncologista clínica do NOB (Núcleo de Oncologia da Bahia) Samira Mascarenhas.

4 - Câncer de pulmão

O que é? O segundo tumor maligno mais comum em homens e mulheres no Brasil. Em cerca de 85% dos casos diagnosticados, o câncer de pulmão está associado ao consumo de derivados de tabaco.

Sintomas Eles só aparecem em estágios mais avançados da doença, que são tosse persistente, catarro com sangue, dor no peito, rouquidão, piora da falta de ar, perda de peso e de apetite, pneumonia recorrente ou bronquite e sentir-se cansado ou fraco.

O sistema cardiovascular também é afetado quando uma pessoa fica exposta à fumaça do cigarro, que é um dos maiores agressores do endotélio (aquela parede de células que recobre os vasos sanguíneos). Isso faz com que as artérias fiquem mais vulneráveis ao acúmulo de gordura (aterosclerose), podendo causar o infarto, por exemplo.

O risco aumenta quando o paciente já tem um histórico de doenças cardiovasculares. "Em especial, pessoas que já sofreram infarto e fizeram angioplastia (cirurgia que repara um vaso deformado, estreitado ou dilatado). Além de pacientes que têm diabetes e hipertensão", explica Abrão Cury, cardiologista do HCor (Hospital do Coração).

5 - Aterosclerose

O que é? A formação de placas de gordura e outras substâncias na parede das artérias do coração e outras localidades do corpo, como cérebro e membros inferiores. O crescimento dessas placas pode causar a obstrução total do fluxo sanguíneo, por exemplo.

Sintomas Sua evolução é silenciosa e muitas vezes não há sinais. As pessoas só descobrem quando uma artéria é danificada totalmente, causando infartos, derrames ou a morte. No caso do coração, é frequente sentir dor no peito, falta de ar e sudorese.

6 - Infarto

O que é? O interrompimento do fluxo sanguíneo ao coração. Isso é causado por conta de placas de gorduras que se formam na parede das artérias (explicado acima). O fumante passivo tem aproximadamente 30% a mais de risco de um infarto do que uma pessoa que não se expõe a fumaça do cigarro, de acordo com o Inca.

Sintomas Dor fixa no peito; ardor no peito (confundido com azia); dor que se espalha nos ombros, braços e mandíbula; suor; falta de ar; náuseas e vômitos.

7 - AVC (Acidente Vascular Cerebral)

O que é? Ocorre quando os vasos que levam sangue ao cérebro entopem ou se rompem. Pode ser isquêmico (85% dos casos) ou hemorrágico (15% dos casos). Estima-se que aproximadamente 20% dos casos de AVC estão relacionados ao tabagismo, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde).

Sintomas Fraqueza ou formigamento na face, no braço ou na perna, especialmente em um lado do corpo; confusão mental; alteração da fala ou compreensão; alteração na visão (em um ou ambos os olhos); alteração do equilíbrio, coordenação, tontura ou alteração no andar; dor de cabeça súbita, intensa, sem causa aparente.

Preocupação com mais jovens

Além de todas essas doenças, há um grupo que sofre ainda mais com o tabagismo passivo: as crianças, que em geral ficam mais suscetíveis a doenças respiratórias, sejam inflamatórias (rinite, asma) ou infecciosas (otites e pneumonia), explica o pneumologista do Icesp. "Elas ainda não têm o sistema de defesa pulmonar plenamente desenvolvido. A fumaça também diminui a defesa contra agentes infecciosos, com isso, ela se torna mais vulnerável".

Quem reforça esse cuidado é o professor da Faculdade de Saúde Pública da USP (Universidade de São Paulo) Victor Wünsch Filho. "Como são expostas mais precocemente à fumaça do tabaco, os efeitos sobre a saúde poderão ocorrer mais cedo na vida, com repercussões para sua qualidade de vida quando adultos", diz.

Crianças que crescem vendo os pais, familiares ou responsáveis fumando passam por uma exposição precoce, que pode aumentar a chance do desejo de fumar. Dados da OMS de maio de 2019 destacam que o fumo passivo mata mais de 60 mil crianças com menos de cinco anos todo ano. Aquelas que vivem até a idade adulta são mais propensas a desenvolver doença pulmonar obstrutiva crônica em períodos posteriores do seu desenvolvimento.

Gestantes também devem evitar ambientes com fumaça do cigarro. Isso porque elas têm mais chances de ter um aborto espontâneo, malformações do feto, parto prematuro e crescimento intrauterino retardado. O feto, também exposto, pode vir a ser uma criança com diversas doenças respiratórias.

Campanhas contra o cigarro

O professor da USP, também responsável por um artigo publicado na Scielo em 2010, "Tabagismo e câncer no Brasil: evidências e perspectivas", reforça a importância de campanhas contra o uso do tabaco.

Primeiramente, segundo o pesquisador, é preciso entender que os fumantes de tabaco são indivíduos dependentes da nicotina, portanto, qualquer abordagem para interromper o tabagismo em fumantes ativos será difícil e complexa.

Mas, do ponto de vista de prevenção, a abordagem é contínua, com esclarecimento sobre os riscos provenientes da exposição à fumaça do tabaco, particularmente importante dentro da família e da exposição de crianças e gestantes. "Também é relevante a implementação de legislação restringindo a exposição à fumaça de tabaco ambiental nos locais de trabalho e nos locais públicos, como restaurantes e bares".

Em 2011, houve a aprovação da Lei nº 12.546, de 14 de dezembro, que proíbe o fumo em local fechado no país. De acordo com o Inca, 15,1 mil crianças de até um ano tiveram a vida poupada entre 2000 e 2016 por conta da criação de leis.

VivaBem no Verão - 2ª edição

O VivaBem está no litoral paulista com o VivaBem no Verão. São dois espaços na Riviera de São Lourenço (Bertioga) com diversas opções de atividades físicas, lazer, cultura e comidas para você curtir o calor com a família ou os amigos. Saiba mais sobre o evento aqui e venha nos visitar!

Data: de 26 de dezembro de 2019 até o dia 09 de fevereiro de 2020, de quinta a domingo
Horário de funcionamento: das 9h até as 13h (praia) e das 17h até a 1h (arena)
Endereço arena: Av. Riviera, s/n, próximo ao shopping
Local do espaço na praia: canto direito da praia de Riviera de São Lourenço
Entrada: gratuita

Fontes: Abrão Cury, cardiologista do HCor (Hospital do Coração); Gustavo Prado, pneumologista do Icesp (Instituto do Câncer do Estado de São Paulo) e Hospital Alemão Oswaldo Cruz (SP); Samira Mascarenhas, oncologista clínica do NUB (Núcleo de Oncologia da Bahia); Victor Wünsch Filho, professor da Faculdade de Saúde Pública da USP (Universidade de São Paulo); INCA; OMS; Ministério da Saúde e Icesp.

Saúde