Topo

Alimentação

Ideias e informações para você comer melhor


Alimentação

6 marcas de azeite têm venda proibida por ter produtos com outros óleos

6 marcas tinham produtos fraudados, ou seja, que se diziam azeites, mas eram feitos com outros óleos - iStock
6 marcas tinham produtos fraudados, ou seja, que se diziam azeites, mas eram feitos com outros óleos Imagem: iStock

Do UOL VivaBem, em São Paulo*

06/07/2019 14h08

Resumo da notícia

  • 6 marcas de azeite tiveram sua venda proibida por serem feitos, na verdade, com outros óleos. A inspeção foi feita pelo Ministério da Agricultura
  • As marcas são: Oliveiras do Conde, Quinta Lusitana, Quinta D'Oro, Évora, Costanera e Olivais do Porto
  • Supermercados, varejistas e atacados devem notificar os estoques desses produtos e serão denunciados caso os apresentem a venda

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento proibiu a venda de azeites de oliva de seis marcas por seus produtos seram feitos com outros óleos e serem impróprios para consumo. A venda de outros óleos como azeite é caracterizada como fraude. O Ministério vetou produtos das marcas Oliveiras do Conde, Quinta Lusitana, Quinta D'Oro, Évora, Costanera e Olivais do Porto.

Os responsáveis pelas marcas são Rhaiza do Brasil Ltda, Mundial Distribuidora e Comercial Quinta da Serra Ltda. Foram analisadas 19 amostras do Oliveiras do Conde; oito do Quinta Lusitana e duas da marca Évora. Da Costanera e Olivais do Porto, foram encontrados rótulos em uma fábrica clandestina, em Guarulhos (SP).

Para comprovar a fraude, o Ministério utilizou pela primeira vez equipamento de análise que emite raios infravermelhos, capazes de fazer a leitura da composição dos ácidos graxos e com resultado instantâneo. Glauco Bertoldo, diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal (Dipov), alerta os consumidores a desconfiarem de produtos muito baratos. Produtos fraudados custam em média entre R$ 7 e R$ 10 e o verdadeiro azeite de oliva tem preço a partir de R$ 17.

O Ministério está intimando as redes varejistas e atacadistas (onde foram encontrados os produtos fraudados) a informar os estoques existentes, sob pena de autuação em caso de omissão de informações. Os comerciantes que forem flagrados vendendo os produtos, após as advertências, serão denunciados ao MPF (Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão), encaminhados à Polícia Judiciária para eventual responsabilização criminal e multados em R$ 5 mil por ocorrência com acréscimo de 400% sobre o valor comercial dos azeites.

*Com informações da assessoria de comunicação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

SIGA O UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook - Instagram - YouTube