PUBLICIDADE

Topo

Paola Machado

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Nada em excesso faz bem: entenda a ortorexia nervosa e o vício em exercício

iStock
Imagem: iStock
Conteúdo exclusivo para assinantes
Paola Machado

Paola Machado é formada em educação física, mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutora em ciências da saúde (foco em fisiopatologia da obesidade e fisiologia da nutrição) pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre exercícios, nutrição e saúde. CREF: 080213-G | SP

Colunista do UOL

26/08/2021 04h00

A alimentação saudável e a prática de atividade física regular estão entre as práticas mais promissoras para aumentar a saúde e prevenir ou melhorar diversos transtornos físicos e mentais. Entretanto, quando realizamos de forma obsessiva, tanto a alimentação saudável quanto os exercícios podem resultar em consequências adversas, incluindo sofrimento emocional quando regras autoimpostas são violadas, desnutrição, perda de peso e deficiências sociais e funcionais.

Dois fenômenos têm recebido muita atenção científica a esse respeito, a ortorexia nervosa e o vício em exercícios.

A ortorexia nervosa é caracterizada pela fixação e preocupação com uma alimentação saudável. As pessoas afetadas seguem uma dieta restritiva, evitam alimentos não saudáveis, têm padrões alimentares ritualizados e têm regras dietéticas rígidas.

Já o vício em exercícios foi descrito como um vício comportamental: os exercícios desempenham o papel mais importante na vida, os exercícios criam um humor positivo, a não prática de exercícios resulta em estados emocionais e físicos desagradáveis, surgem conflitos com o meio social e uma tendência ao retorno à intensidade original de treinamento após a tentativa de reduzir as cargas.

Nem a ortorexia nervosa nem o vício em exercícios são atualmente reconhecidos como transtornos mentais.

Comportamentos ortoréxicos e exercícios viciantes

Sintomas de dependência de exercícios, um estado de engajamento compulsivo em exercícios intensos e atitudes alimentares ortoréxicas, a obsessão por comer apenas alimentos saudáveis, frequentemente ocorrem juntos. Estudos supõem que alguns traços psicológicos mais gerais estão por trás dessa associação.

Atitudes alimentares ortoréxicas mais altas em populações de atletas parecem confirmar essa suposição.

Embora a ortorexia nervosa e o vício em exercícios possam compartilhar uma variação comum, os mecanismos subjacentes dificilmente são compreendidos. Além de motivos subjacentes possivelmente semelhantes, por exemplo, avaliação de peso e forma, existem também algumas características que distinguem claramente os dois.

Em amostras da população geral e entre os praticantes de exercícios recreativos, os homens são mais viciados em exercícios do que as mulheres. Em contraste, os comportamentos ortoréxicos patologicamente relevantes são mais prevalentes em mulheres.

Curiosamente, os comportamentos alimentares ortoréxicos parecem mais altamente correlacionados com o vício em exercícios e orientação para exercícios físicos em mulheres do que em homens. Esses achados indicam que os mecanismos subjacentes à relação entre dependência de exercícios e ortorexia nervosa podem diferir entre os sexos.

Regras e padrões

Tanto para o ortorexia nervosa quanto para o vício em exercícios, a ênfase exagerada em padrões, deveres e regras e a necessidade compulsiva de seguir um esquema estrito são fatores que contribuem para o diagnóstico.

Embora as pesquisas sobre os correlatos de ortorexia nervosa e vício em exercícios ainda estejam no início, alguns fatores de risco comuns foram propostos. Especialmente a idade mais jovem, o status socioeconômico mais elevado e o IMC mais baixo podem estar de leve a moderadamente correlacionados com alimentação ortoréxica e exercícios aditivos.

Outro fator que pode influenciar ambos, ortorexia nervosa e o vício em exercícios, e pode, portanto, explicar suas diferenças e semelhanças, é a personalidade. Por outro lado, os traços de personalidade podem influenciar a extensão dos comportamentos relacionados à saúde. A consciência, em particular, tem sido relacionada a comportamentos relacionados à saúde menos arriscados, mas mais benéficos.

Uma pesquisa sobre o perfil de personalidade no ortorexia nervosa está apenas começando. Há evidências de perfeccionismo ligeiramente superior, menor persistência, maior necessidade de controle, maior evitação de danos e autodirecionamento em indivíduos com comportamentos ortoréxicos mais elevados.

Ambos os fenômenos foram relacionados a psicopatologia e pior saúde psicológica, ou seja, maior estresse, ansiedade e sintomas de depressão, mas menor satisfação com a vida e bem-estar. Atualmente, no entanto, ainda não se sabe se a ortorexia nervosa e o vício em exercícios se relacionam com essas características de maneira semelhante.

Referência:

- Strahler, J.; Wachten, H.; Stark, R.; Walter, B. Alike and different: Associations between orthorexic eating behaviors and exercise addiction. International Journal of Eating Disorders, Vol. 54 Nr. 8 Páginas: 1415 - 1425. 2021.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL