PUBLICIDADE

Topo

Paola Machado

O que você deveria saber sobre as mudanças que a gravidez traz ao corpo

Getty Images
Imagem: Getty Images
Conteúdo exclusivo para assinantes
Paola Machado

Paola Machado é formada em educação física, mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutora em ciências da saúde (foco em fisiopatologia da obesidade e fisiologia da nutrição) pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre exercícios, nutrição e saúde. CREF: 080213-G | SP

Colunista do UOL

08/12/2020 04h00

A gravidez é um período de mudanças e alterações no corpo da mulher, incluindo mudanças hormonais, biomecânicas e fisiológicas que influenciam diretamente o andamento de cada trimestre gestacional.

Gestar não é adoecer, mas é preciso reconhecer as mudanças que ocorrem e entender que há disfunções frequentes em gestantes como: edema, incontinência urinária, diástase abdominal, lombalgia e pubalgia. Por isso, é de suma importância que a gestante tenha orientação e acompanhamento especializados durante o período gestacional.

Algumas mudanças se refletem ao longo da gestação e são aparentes e perceptíveis aos olhos de terceiros como melasmas na pele e cabelos sempre cheios e sedosos, o aumento do peso, que pode ficar 20 vezes maior que o original, as mamas incham e podem triplicar o volume inicial.

Com a mudança de peso, há o deslocamento do centro da gravidade para frente que pode levar a anteriorização da pelve e aumento da lordose lombar, sendo frequente a presença de lombalgias, lombociatalgias e pubalgias.

Para se ter ideia, estudos mostram que cerca de 50% das gestantes apresentam quadro de dor na região lombar e 20% das mulheres permanecem com sintomas de dor na coluna até três anos após a gestação. Quando você olha uma grávida caminhando, é possível observar que há um aumento da base de apoio —geralmente ela caminha com os pés afastados e rodados para fora, para melhorar o equilíbrio do corpo em pé.

Alterações hormonais

Aumento do estrogênio que atua no aumento do tamanho do útero e dos ductos mamários, e tem efeito antidiurético, sendo um dos responsáveis pela retenção hídrica e edema durante a gestação

Aumento da relaxina, que atua nas fibras de colágeno provocando frouxidão ligamentar principalmente na região pélvica, facilitando a abertura da pelve para o crescimento e a passagem do bebê durante o trabalho de parto

Pensando em uma gestação mais leve e saudável, o trabalho da fisioterapia visa prevenir e preparar o corpo da mulher para todas alterações e melhora da qualidade de vida tanto durante a gestação como também no período de puerpério (retorno do corpo ao período pré-gravídico).

Primeiro trimestre: os exercícios sob supervisão podem ser iniciados logo no primeiro trimestre gestacional, sempre mediante liberação médica. Neste período os exercícios recomendados são de baixa intensidade e trabalhados gradualmente, respeitando o tempo de descanso. É neste período que ocorrem as principais queixas de náuseas e dores na região lombar ou pélvica devido à ação hormonal.

Os exercícios perineais já são orientados no primeiro trimestre para o fortalecimento da região perineal prevenindo disfunções do assoalho pélvico e preparando o períneo para o trabalho de parto.

Segundo trimestre: neste período a gestante está mais disposta e é indicado trabalhar exercícios leves a moderados. Devido a ação hormonal da relaxina, há maior frouxidão ligamentar, portanto os músculos precisam trabalhar de forma constante como o suporte principal. Caso os músculos estejam fracos, há maior risco de gerar dores e lesões decorrentes da sobrecarga articular. Os exercícios têm por objetivo trabalhar a mobilização da região pélvica, alongamento e fortalecimento global —principalmente da musculatura do abdome, quadril, glúteo e membros inferiores que serão os responsáveis pela sustentação e estabilização.

Terceiro trimestre: já no último trimestre, os exercícios são focados na abertura da região pélvica, alongamento muscular, relaxamento do períneo, além de exercícios de respiração e meditação para preparação do trabalho de parto.

Exercícios aeróbios

Têm um papel importante durante o período gestacional, ajudam no aumento da capacidade respiratória, aumentam a circulação sanguínea, diminuindo o edema, ajudam no controle metabólico, regulam as taxas de glicose no sangue, favorecem o controle do peso e previnem complicações materno-fetais.

Os exercícios do tipo aeróbico devem ter intensidade leve a moderada, sem a liberação de substâncias prejudiciais ao desenvolvimento do feto/embrião, nem liberação de substâncias vasoativas, capazes de desencadear quadros vasomotores, hipertensão arterial e insuficiência placentária. As atividades indicadas são caminhadas ou hidroginástica. É contraindicado exercícios de alto impacto como as corridas.

Tanto para tentantes quanto para gestantes, é de suma importância o papel do exercício físico para prevenir e preparar o corpo para essas alterações tanto do corpo quanto do estado emocional e psicológico. Caso já pratique uma atividade física, você pode mantê-la mediante liberação médica durante sua gestação. Opte por atividades que sinta prazer em realizar e que beneficie você e seu bebê por completo!

*Colaboração de Juliana Satake, fisioterapeuta especializada em saúde da mulher pela Unicamp; Angela May, fisioterapeuta especializada em saúde da mulher pela Unicamp e Renata Luri, fisioterapeuta foutorada pela Unifesp, fisioterapeuta (Clínica La Posture).

Referências:

- Colla, Cássia; Paiva, Luciana Laureano; Thomaz, Rafaela Prusch. Therapeutic exercise for pregnancy low back and pelvic pain: a systematic review / Exercícios terapêuticos para dor lombar e pélvica gestacional: uma revisão sistemática. Fisioter. Mov. (Online) ; 30(2): 399-411, Apr.-June 2017.

- Cunningham FG, Leveno KJ, Bloom SL, Spong CY, Dashe JS, Hoffman BL, et al. Fisiologia do Trabalho de Parto. Porto Alegre; 2016.

- Ferreira, Cátia Liliana Martin et. al.Exercise in Pregnancy: The Impact of an Intervention Program in the Duration of Labor and Mode of Delivery. Rev Bras Ginecol Obstet ; 41(2): 68-75, 2019.

- Feng, Y H; et al. Associations between physical activities and gestational diabetes mellitus in the first trimester of pregnancy]. Zhonghua Liu Xing Bing Xue Za Zhi ; 41(6): 829-833, 2020.

- Hu, Xiang; et al. A protocol for systematic review and meta-analysis. Medicine (Baltimore) ; 99(3): e17318, 2020.

- Lawson, Samantha; Sacks, Ashley.Pelvic Floor Physical Therapy and Women's Health Promotion.J Midwifery Womens Health ; 63(4): 410-417, 2018.

- Robinson, Hilde Stendal; Balasundaram, Arun Prasad.Effectiveness of physical therapy interventions for pregnancy-related pelvic girdle pain (PEDro synthesis). Br J Sports Med ; 52(18): 1215-1216, 2018.

- WEINERT, L. S et al.Diabetes gestacional: um algoritmo de tratamento multidisciplinar.Arq. Bras. Endocrinol. Metab, v.55, n.7, 2011.

- Woodley, Stephanie J; Lawrenson, Peter; Boyle, Rhianon; Cody, June D; Mørkved, Siv; Kernohan, Ashleigh; Hay-Smith, E Jean C.Pelvic floor muscle training for preventing and treating urinary and faecal incontinence in antenatal and postnatal women.Cochrane Database Syst Rev ; 5: CD007471, 2020.