PUBLICIDADE

Topo

Larissa Cassiano

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Entenda como o ciclo menstrual funciona e tire as principais dúvidas

iStock
Imagem: iStock
Conteúdo exclusivo para assinantes
Larissa Cassiano

Larissa Cassiano é médica ginecologista e obstetra, especializada em gestação de alto risco pela USP (Universidade de São Paulo). Fez residência médica na Maternidade de Vila Nova Cachoeirinha (SP), uma das maiores do Brasil, referência em parto humanizado no SUS e em gestação de alto risco.

Colunista do VivaBem

22/09/2021 04h00

O ciclo menstrual faz parte da vida de diversas pessoas que menstruam, mas muitas ainda possuem dúvidas sobre como todo esse mecanismo acontece. Conhecer e entender é muito legal, afinal de contas a menstruação faz parte da vida de muitas pessoas por quase 40 anos.

Como o ciclo menstrual funciona

O ciclo considerado regular é aquele que tem um intervalo que pode variar de 21 a 36 dias. Quando esse período tiver uma duração diferente e oscilar muito entre os meses, ele será considerado irregular.

Consideramos que o ciclo é iniciado no primeiro dia de sangramento vaginal. Ele possui uma fase inicial considerada folicular, durando em média 14 dias e podendo sofrer variações durante o ciclo. Em seguida vem a fase lútea, que começa com a ovulação e termina com a menstruação, e é uma parte fixa do ciclo que dura 14 dias. Quando as oscilações ocorrem, todo ciclo é afetado.

Saber o momento do ciclo na hora de exames de rotina ginecológica é importante, porque muitas vezes os cistos que, por exemplo, podem aparecer no ultrassom transvaginal são folículos com óvulos, e não possuem nenhum sinal de alteração ou indicação de uso de anticoncepcional. Nesses casos, eles fazem parte da ovulação e, consequentemente, quem utiliza diversos contraceptivos não ovula e não observa novos cistos no ovário.

De todos aqueles folículos que aparecem devido a estímulos hormonais, um se destaca para que a ovulação possa acontecer. Ao mesmo tempo em que todos esses movimentos acontecem nos ovários, o útero tem sua camada alterada, a parte mais interna dele fica espessa, em um movimento preparatório para a implantação do embrião.

Se a fecundação não ocorre, o folículo que amadureceu acaba regredindo, os hormônios caem, e a camada interna do útero se desprende, ocorrendo assim a menstruação.

Tire as principais dúvidas sobre o assunto

É possível engravidar tendo ciclos irregulares?

Sim, mas nem sempre eles poderão estar acompanhados de ovulação e isso pode tanto dificultar quanto fazer demorar mais para que a gravidez ocorra espontaneamente.

É possível engravidar fora do período fértil?

Sim. Oscilações podem ocorrer, a ovulação pode atrasar e excepcionalmente é possível engravidar.

O que pode ser um cisto no ovário?

Pode ser um folículo pré-ovulatório, ovulatório, ou um fólico que não se rompeu e manteve seu conteúdo durante o ciclo.

Quem usa pílula anticoncepcional hormonal ovula?

Não. Quem usa método hormonal tem uma inibição hormonal que consequentemente não permite a ovulação.

Por que a pílula do dia seguinte pode deixar o ciclo irregular?

Dependendo da fase do ciclo em que ela for utilizada, ela irá afetá-lo. Um bloqueio na primeira fase do ciclo, por exemplo, pode afetar o que nós chamamos de recrutamento folicular, e assim a ovulação não acontece, e a segunda fase acaba sendo alterada.

Por que o esquecimento da pílula em alguns momentos tem mais influência do que em outros?

Se o esquecimento acontece no início da cartela, o bloqueio da ovulação pode não acontecer —a possibilidade de uma gravidez se torna maior. Já nas últimas pílulas, os esquecimentos têm menor chance de gravidez, pois o período ovulatório já foi bloqueado.

Quem toma pílula por um longo período pode ficar infértil?

Não, o efeito da pílula não é cumulativo e não causa tolerância. Se você se esquecer de tomar por alguns dias, o ciclo já pode retornar, por exemplo, por esse motivo, mesmo utilizando por muito tempo é possível manter o efeito a cada nova cartela.

Para que esse texto ficasse o mais fluido possível, eu evitei utilizar nomes de hormônios e palavras técnicas. Nessa transição alguns termos podem ficar confusos tanto para os leigos quanto para os profissionais. Se isso acontecer, deixo aqui o espaço aberto. O objetivo é desmistificar algo que parece complexo, mas que tem um papel fundamental na manutenção das nossas vidas.

Gostou deste texto? Comentários, críticas e sugestões podem enviar email para dralarissacassiano@uol.com.br.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL