Transar no 1º encontro é tabu? 9 encanações sobre sexo pra deixar para trás

Tudo bem que você cresceu ouvindo que determinados comportamentos são "certos" ou "errados" quando se trata de sexo. Mas agora, já uma pessoa adulta, está na hora de rever esses conceitos e descobrir o que te dá prazer. A seguir, veja nove encanações para abandonar agora mesmo.

Transar no primeiro encontro

Se, ao pensar sobre transar ou não no primeiro encontro, martelava em você aquela máxima de que existem "mulheres para serem levadas a sério" e outras para "diversão", por favor, esqueça. Felizmente, as mulheres estão se tornando cada vez mais independentes e não deixando esse tipo de tabu interferir nas suas escolhas.

2. Sentir vergonha do próprio corpo

Nada de transar de luz apagada, usando algumas peças de roupa ou escolher posições para "disfarçar imperfeições" do corpo. Ficar apegado a padrões de beleza —que desfavorecem a maioria dos mortais— só estraga a troca de intimidade na hora do sexo. A única forma de ganhar autoconfiança e poder usufruir de uma sexualidade plena é o autoconhecimento, entender quais são suas qualidades.

3. Ter medo de falar se teve ou não um orgasmo

Sim, esse pode ser um assunto espinhoso, afinal, ninguém quer que soe como cobrança. Mas a conversa pode ser em um tom mais natural. Algumas pessoas consideram que ter orgasmo atesta o quanto gostamos da outra pessoa. Não que gozar não seja importante e maravilhoso, mas é apenas uma parte do sexo.

4. Ter receio de dizer o que não agrada

Não curte a maneira com que o parceiro faz sexo oral? Acha que ele exagera em um determinado movimento? Falar é fundamental (de um jeito leve) para criar uma sintonia melhor entre vocês. Para vencer o receio de dizer o que agrada ou não é preciso confiança na relação e no parceiro, além de muita conversa.

Continua após a publicidade

5. Falar dos fetiches

Por ser pouco usual, é natural que seja um tema que gere constrangimento. Se é isso que te impede de propor a realização de alguns fetiches, coloque o assunto aos poucos. Dependendo da cultura em que se cresce, entendemos que determinados comportamentos podem ser inaceitáveis socialmente. Os fetiches entram nessa lista.

6. Vergonha de fazer sexo anal

O sexo anal ainda é tabu para muitas pessoas, porque, na nossa cultura, ainda persiste a ideia de que sexo é para fins reprodutivos e não eróticos. Ao limitar as experiências, você pode se privar de sensações bastante prazerosas. Vale repensar as raízes dessa vergonha.

7. Medo de ficar com fama ruim

Sim, ainda existem pessoas com o receio de "ficarem faladas". Por isso, a autoconfiança é o melhor caminho para superar essa encanação, além de saber escolher com quem se relacionar.

Continua após a publicidade

8. Medo de não ser bom de cama

É difícil determinar o que é considerado bom ou ruim na hora de transar. O que é bom para um pode ser péssimo para outro. Então, essa autopercepção negativa não leva a lugar nenhum, a não ser a um bloqueio desnecessário. Se não se sente seguro, um bom caminho é se informar.

9. Achar que tamanho é documento

O tamanho do pênis ainda é, para muitos homens, um fator de bloqueio e encanação. Mas a verdade é que o que muitos consideram pequeno é, na verdade, suficiente, para dar e sentir prazer. Para além da discussão do que seria ou não um órgão pequeno (não há consenso), o fato é que a porção inicial da vagina (que tem 3 cm ou 4 cm) é a mais rica em terminações nervosas e, por isso, receptiva a estímulos.

Dicas para resolver as encanações

  • Converse com o parceiro, estabelecendo mais intimidade. Muitas vezes, o que é encanação para você, não é para ele.
  • Busque autoconhecimento. Entender como você realmente é e perceber suas qualidades são fundamentais para chegar à autoconfiança, tão necessária na cama.
  • Tente conversar com alguém que não esteja envolvido. É importante ter a opinião de pessoas sem julgamentos morais.
Continua após a publicidade

Fontes: Gabriela Palma Veneziano Monéa, psicóloga e sexóloga; Jivan Pramod, coach de sexualidade; e Oswaldo Rodrigues Jr, psicoterapeuta sexual e de casais.

*Com matéria publicada em 30/10/2018

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes