'Meu marido só goza se masturbando': o que é a síndrome do punho de ferro

Há homens que, apesar de sentirem prazer sexual, não conseguem gozar durante a penetração. Eles têm orgasmo, mas só com masturbação —mesmo que acompanhados. Isso significa que masturbação faz mal? Não, mas ela tem a ver com um problema popularmente chamado de "síndrome do punho de ferro" (em inglês, o nome é death grip syndrome).

O problema ocorre quando o homem se masturba de forma sistemática, com movimentos sequenciais, para cima e para baixo e fazendo pressão acentuada no pênis. Isso condiciona o cérebro àquele estímulo limitado, à masturbação mais agressiva, compressiva e violenta, e leva o homem a não ter mais sensibilidade fisiológica no órgão sexual.

Mas, calma, não é que o excesso de masturbação provoca o problema.

Não existe a destruição das terminações nervosas, mas uma adaptação, um condicionamento da sensibilidade, que pode trazer dificuldades em termos de satisfação sexual, já que o estímulo que ocorre na genitália durante o ato sexual é muito mais suave, é de fricção e não de compressão. É uma condição clínica, não uma doença.

Ela conta

"Sou casada há 8 anos e sempre tive uma vida sexual saudável. Há pouco mais de dois anos, meu marido começou a ter dificuldades de ejacular comigo, só chegava lá se masturbando", conta Juliana*, de 36 anos. Ela conta que, no começo, relacionou a dificuldade do marido à recente gestação.

"Eu tinha acabado de ter nosso filho e não me considerava muito 'desejável'. Mas passou, voltei ao meu corpo normal, e nada. Comecei a criar mil paranoias. Muitas negativas e 'não é nada' depois, ele resolveu se abrir comigo: disse que durante a gravidez tinha medo de me machucar e tinha desenvolvido quase uma receita para gozar rápido, se masturbando rápido e com força. Ali entendi que precisávamos de ajuda".

Tratamento faz efeito em poucos meses

O tratamento indicado é com acompanhamento médico especializado. Procurar um urologista é o primeiro passo, e ele poderá fazer os encaminhamentos necessários, como terapia ou uma consulta com um psiquiatra.

Continua após a publicidade

Masturbação é saudável, mas se torna nociva quando o homem não consegue mais atingir o orgasmo durante a relação sexual e necessita da masturbação agressiva para isso.

O tratamento é uma readaptação do corpo aos estímulos sexuais normais. O excesso de masturbação causa ejaculação retardada, impossibilita alcançar o orgasmo e causa, indiretamente, problemas psicológicos que podem levar à disfunção erétil.

A orientação é suspender temporariamente a masturbação, desfocá-la do prazer sexual individual. Muitas vezes, são indivíduos ansiosos que também precisam de acompanhamento psicológico ou tratamento psiquiátrico para controlar isso. A compressão exagerada - quando o indivíduo precisa ejacular rápido, às vezes por medo de ser pego -, leva a um estímulo acentuado e repetido no pênis em um círculo vicioso que precisa ser quebrado.

* Os nomes foram trocados a pedido dos entrevistados

Fontes:

  • Giuliano Amorim Aita, coordenador do Departamento de Saúde Sexual da Sociedade Brasileira de Urologia.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes