PUBLICIDADE

Topo

Dinheiro esquecido no banco: como usar para melhorar as finanças pessoais

Dinheiro esquecido no banco: como aproveitar - Getty Images
Dinheiro esquecido no banco: como aproveitar Imagem: Getty Images

Luciana Mendonça

Colaboração para Universa, em São Paulo

16/03/2022 04h00

Receber a notícia da chegada de um dinheiro inesperado é sempre uma boa surpresa. Nesta segunda-feira (14), o Banco Central disponibilizou mais uma consulta (para os nascidos entre 1968 e 1983) aos valores esquecidos em contas bancárias antigas, assim como também liberou os pedidos de transferência ao Sistema de Valores a Receber.

O dinheiro extra também pode vir de uma herança, do ganho de um processo ou até mesmo de uma rescisão de contrato de trabalho. Independente da fonte, selecionamos sugestões de como você pode aproveitar para melhorar suas finanças.

1. Quite suas dívidas
Primeiro de tudo, você deve quitar suas dívidas, como aconselha a educadora financeira Luciana do Rocio Mallon. Isso porque os juros de crédito pessoal ou cartão de crédito costumam ser muito altos e impactam negativamente em seu orçamento geral.

Mallon também frisa que ter o nome limpo é importante para conseguir melhores opções de crédito, no caso de ter planos para comprar um imóvel, ou automóvel. "Com a internet, ficou mais fácil saber quem é um mau pagador ou está devendo na praça. Isso pode influenciar na sua vida econômica e pessoal", explica.

Para as pessoas que têm muitas dívidas, a educadora financeira Andreza Stanoski recomenda que verifique qual é a sua dívida mais cara, com juros mais altos e, com o dinheiro em mãos, entre em contato com o credor para quitá-la. "O correto é quitar essa dívida porque, muitas vezes, a pessoa renegocia e acaba se enrolando novamente no pagamento. Por isso o indicado é se livrar da dívida de juros maiores."

2. Reforce sua reserva financeira
Caso você não tenha dívidas para quitar, Luciana indica aumentar sua reserva financeira. "Ao gerenciar riscos, as empreendedoras e até mesmo pessoas comuns conseguem se preparar para imprevistos, diminuindo temores, fatos inesperados, problemas e prejuízos. A reserva financeira prepara você economicamente para o inesperado."

Para quem ainda não possui uma reserva, que tal iniciá-la com o dinheiro extra? O ideal é que sua reserva possa cobrir seus gastos fixos e essenciais por pelo menos seis meses. Para começar, você precisa:

- Listar ou fazer uma planilha com seus gastos fixos mensais;
- Identificar as despesas que você não pode abrir mão - aluguel ou parcela do financiamento, água, luz, internet, mercado, combustível, despesas com saúde;
- Some o valor dessas despesas e multiplique pela quantidade de meses que você quer se proteger. O mínimo indicado são seis meses;
- Tente poupar entre 5% e 10% de seu salário ou ganhos mensalmente e aplique em um investimento com liquidez diária e boa rentabilidade, como o Tesouro Direto ou CDBs.

3. Invista o seu dinheiro
Já falamos aqui que um estímulo para começar a investir é atrelar o valor a ser poupado a um objetivo. O recebimento de um dinheiro inesperado abre oportunidade para que você inicie um investimento com foco na realização de um projeto pessoal, como uma viagem dos sonhos, a compra de um carro, de um imóvel. "A pessoa que é investidora, ou seja, tem suas finanças pessoais sob controle, vai pegar esse dinheiro e investir. É a melhor maneira de empregar um dinheiro extra", defende Stanoski.

4. Priorize experiências
"Poxa, ganhei um dinheiro e não posso gastar"? Manter as finanças em dia requer disciplina e controle. Para quem está endividado, não convém gastar quando há dívidas dispendiosas, mas se você é uma pessoa que se mantém fiel à cartilha dos princípios de uma boa educação financeira, é claro que você pode simplesmente gastar esse dinheiro.

Em uma sociedade que tem colaborado muito para o desenvolvimento de problemas como ansiedade e depressão, priorizar experiências que vão proporcionar bem-estar é altamente recomendado.

Se as finanças estão bem, programe uma viagem, faça aquele curso que desejava há muito tempo, mas não sobrava dinheiro. Ao gastar com lazer, você investe também na sua saúde física e mental, diminuindo estresse e outras doenças como as de origem cardíaca. Aproveite o bônus da sua boa saúde financeira!