PUBLICIDADE

Topo

Dinheiro esquecido no banco: como a empreendedora pode melhorar seu negócio

Com renda extra e prioridades, é possível alavancar seu negócio - Maskot Bildbyrå/iStock
Com renda extra e prioridades, é possível alavancar seu negócio Imagem: Maskot Bildbyrå/iStock

Luciana Mendonça

Colaboração para Universa

24/02/2022 04h00

Notícia melhor do que descobrir um dinheiro que ficou esquecido em uma conta bancária antiga é conseguir recuperá-lo. Já consultou seu CPF no Sistema de Valores a Receber do Banco Central, para verificar se existe algum valor? Caso tenha dinheiro a receber em um volume considerável, apresentamos algumas possibilidades de como usar essa verba extra de forma consciente para alavancar seus negócios.

1.Check-up das suas contas
Em primeiro lugar, a pequena empresária ou microempreendedora (MEI) que recebe um dinheiro inesperado deve analisar como está a saúde financeira do seu negócio. Segundo a superintendente acadêmica e professora de Finanças da Faculdade Fipecafi, Luciana Maia de Campos Machado, esse é um aspecto importante, pois muitos pequenos negócios sofreram com a crise econômica decorrente da pandemia.

2. Pagar dívidas
Após fazer o raio-x da da situação financeira do seu negócio, caso tenha dívidas ou empréstimos, a indicação é priorizar a negociação ou quitação desses débitos.

Isso vale, por exemplo, para dívidas com a Receita Federal — muitas pessoas que atuam como MEI deixaram de pagar impostos com a crise, situação que a curto prazo pode inviabilizar o negócio. Em relação aos empréstimos, eles costumam ter taxas muito altas, portanto, sempre que possível, é recomendável quitá-los. "Se o endividamento não oferecer perspectivas de gerar investimentos e receitas para cobri-lo, a recomendação é tentar renegociar ou quitar essas dívidas, sempre", defende a professora.

3. Incremente seu negócio
Se você faz parte do seleto grupo de empresárias não endividadas, o destino desse dinheiro pode ser investir em melhorias. Sabe aquela máquina que poderia aumentar sua produção? Ou a compra de uma nova matéria-prima que vinha sendo adiada há tempos? Até mesmo uma pequena reforma para a melhoria do seu espaço de trabalho passa a ser possibilidade com dinheiro extra e sem endividamento.

"As microempreendedoras e empresárias que não contraíram dívidas, mas precisam realizar investimentos para expandir seus negócios, podem ter no recebimento de dinheiro inesperado uma boa oportunidade: são recursos já disponíveis e uma maneira de investir sem gerar endividamento com terceiros. Afinal, para pequenos negócios, obter recursos por meio de empréstimos pode ser um desafio além das taxas mais elevadas", recomenda Luciana.
A educadora financeira indica ainda que, ao considerar melhorias para os negócios, sempre leve em conta se eles são investimentos promissores, com perspectivas sólidas de geração de receita. E, se de fato podem ajudar na expansão dos negócios e se é o momento certo, ponderando seu setor de atuação, mercado e concorrência.

4. Invista em seu capital de giro
O capital de giro funciona como uma espécie de reserva de emergência, só que dos negócios. Com é possível oferecer financiamento aos clientes nas vendas a prazo, manter estoques, pagar fornecedores, cobrir custos e despesas operacionais etc.

Apesar de importante, pequenos empreendimentos não costumam ter um capital de giro sólido. Se é o seu caso, você pode utilizar esse dinheiro inesperado como aporte para iniciá-lo.

Para isso, escolha uma aplicação de baixo risco e alta liquidez, que lhe garantirá segurança aliada com resgate fácil do dinheiro diante de algum imprevisto. Entre as boas opções estão o Tesouro Direto Selic, que oferece alta liquidez e não gera perdas em caso de saque antecipado. Também há a opção de investimento no Certificado de Depósito Bancário (CDB) que tem liquidez diária. Lembre-se que as duas opções de investimentos sofrem incidência de Imposto de Renda (IR) e para saques com menos de 30 dias, também há cobrança de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). Apesar disso, apresentam rendimentos muito melhores que a poupança.