PUBLICIDADE

Topo

"Precisamos fortalecer a ideia de que cuidar da pele é saúde", diz dermato

Lia Rizzo

Colaboração para Universa

01/03/2021 04h00

A atriz Taís Araújo e a dermatologista Fabiana Wanick foram as convidadas do último painel do Universa Talks, que nesta edição foi dedicada a pensar saúde, comportamento, sexualidade e beleza femininas no verão. O debate mediado por Fabi Gomes, maquiadora, colunista de Universa e apresentadora do programa E, aí, Beleza?, teve como tema os cuidados com a pele.

É verdade que as variações climáticas influenciam os tratamentos e pedem mudanças, mesmo que sutis, nas escolhas dermatológicas. Mas outra dúvida comum a esta época, principalmente para mulheres mais maduras, é em relação ao uso de produtos com componentes que podem causar manchas.

A atriz Taís Araújo, que participou do painel do Universa Talks com a dermatologista Fabiana Wanick e mediação de Fabi Gomes.   - Mariana Pekin/UOL - Mariana Pekin/UOL
A atriz Taís Araújo, que participou do painel do Universa Talks com a dermatologista Fabiana Wanick e mediação de Fabi Gomes.
Imagem: Mariana Pekin/UOL

Por conta das altas temperaturas e excesso de umidade, a primeira preocupação parece ser a oleosidade, que aumenta em praticamente todos os tipos de pele. E algumas mulheres acreditam que a solução é diminuir a hidratação, além de suspender a aplicação de cosméticos com ácido.

Porém, ao menos no caso do hilaurônico, queridinho nas rotinas de beleza, não é necessário evitar. De acordo com a dermatologista, a denominação de ácido é dada em função da estrutura química da substância. No entanto, ácidos perigosos são aqueles que podem causar queimaduras, como o retinóico e o glicólico, como explicou Fabiana.

O ácido hialurônico é uma molécula que até temos no corpo e cuja produção vai diminuindo a partir dos 25 anos, quando algumas mulheres podem começar a perceber as primeiras linhas de expressão. Porém, tem função hidratante e pode ser usado em qualquer clima

Pegar muito sol, fumar, viver num lugar com muita poluição e praticar muita atividade física: todos esses hábitos contribuem para a produção de radicais livres e impactar a de ácido hialurônico. Por isso a substância, encontrada inclusive nos chamados produtos associados (aqueles com mais de uma função, como hidratantes com protetor solar, por exemplo), pode ser encontrada em séruns e cremes e também é usada em procedimentos para pele madura.

Taís Araújo: "após os 40, rosto caiu"

O uso regular do ácido hialurônico melhora o viço da pele e suaviza as linhas de expressão, como explicou a dermatologista no painel. Daí a indicação sobretudo para aquelas que já passaram dos 40 anos, como Taís Araújo. Dona de uma pele mista, a atriz confidenciou que até esta idade não era habituada a rituais de beleza. "Chegava a dormir de maquiagem ou tirava no banho, com o sabonete que estivesse no banheiro", contou. Ao completar quatro décadas de vida, a atriz afirma ter sentido "o rosto cair". E só então, passou a investir em uma rotina espartana de cuidados, que incluir - claro - hidratação diária com produtos a base de ácido hialurônico.

Avessa a procedimentos estéticos, por receio e por força da profissão, Taís acredita que manter constância de cuidados faz toda a diferença e faz com que tratamentos mais invasivos sejam desnecessários. Como ela contou durante o debate no Universa Talks.

Injeção no rosto, para mim, nem pensar. Faço no máximo um laser, mas não botox, por medo de ficar com a pele estática. Por isso, a rotina diária tem que ser caprichada e eu a levo muito a sério.

E quanto mais cedo começarem os rituais de cuidados preventivos, sem exagero de produtos, mas com disciplina, melhor. "Tomar sol com moderação e filtro solar, usar sabonete correto para a higiene e hidratar antes de dormir já faz a diferença a partir dos 20, 25 anos. Precisamos fortalecer a ideia de que cuidar da pele é saúde", orienta a dermatologista.