PUBLICIDADE

Topo

Dia V

Dois dias de conversa e 18 mulheres pra falar de autoconhecimento e autocuidado íntimo, sexualidade e descoberta do prazer


Meninas que menstruam cedo se tornam mais vulneráveis a abusos sexuais

De Universa

22/10/2020 11h03

No primeiro painel do evento Dia V, promovido por Universa com patrocínio de Bayer, realizado nesta quinta-feira (22), a ginecologista e obstetra Isabela Correia comentou sobre puberdade precoce e os riscos que ela pode oferecer para as meninas. Segundo a especialista, é comprovado que crianças que menstruam cedo se tornam mais vulneráveis a abusos sexuais.

"A idade estipulada como início da puberdade precoce em meninas é um ano menor do que a idade considerada para os meninos. Até nisso as mulheres estão evoluindo mais rápido que os homens, além de ser mais um fator que ajuda a sustentar o tabu de que meninas amadurecem mais cedo, quando não é necessariamente assim", afirma a médica.

Ao lado da cantora Mc Soffia, da sua mãe Kamilah Pimentel e da terapeuta menstrual Taciana Fortunati, Isabela conversou sobre menstruação no painel "Segredo, solidão, tabu: da menarca a menopausa" promovido por Universa em parceria com a Bayer e mediado pela jornalista Lia Rizzo.

A ginecologista afirmou que um dos riscos da puberdade precoce feminina está relacionado a um aumento de chances de sofrer abusos sexuais. "Trata-se de uma criança em um corpo de mulher e a sociedade não entende que existe essa ingenuidade, imaturidade". Ou seja, aos olhos de terceiros, é possível que a menina seja vista como uma adulta. "Por isso precisamos avaliar o contexto em que estas meninas estão inseridas para protegê-las desse tipo de violência", opina.

Isabela reforçou também que a educação sexual não tem a ver com ensinar práticas sexuais a uma pessoa. "Educação em sexualidade é você entender a lidar com sua genitália, com o amadurecimento sexual e dos seus órgãos. É saber que a mama vai crescer, os pelos vão crescer, a menina vai menstruar, o menino vai ter polução noturna como parte do desenvolvimento... E as pessoas precisam lidar com isso da melhor maneira possível, para minimizar os constrangimentos".

:: DIA V, UNIVERSA ::

Entre os dias 22 e 23 de outubro, Universa apresenta o evento Dia V, uma série de painéis sobre saúde e sexualidade femininas. Realizado em ambiente 100% digital, o Dia V, que tem o patrocínio de Bayer, reune 18 mulheres, de diversas especialidades, para debater ciclos femininos, autoconhecimento íntimo, autonomia e liberdade sexual e anormalidades que demandam avaliações médicas, mas que nem sempre são encaradas como problema.

Quinta-feira (22), 10h

"Segredo, solidão, tabu: da menarca a menopausa"

Mediação: Lia Rizzo, jornalista e curadora do Festival Dia V

Participações: Mc Soffia

Kamilah Pimentel, mãe e empresária de Mc Soffia

Isabela Correia, ginecologista e obstetra

Taciana Fortunati, terapeuta menstrual

11h

"Sexo, autonomia e escolhas: onde começa ou deveria começar a liberdade"

Mediação: Mayumi Sato, CMO da Sexlog e colunista do UOL

Participações: Ana Canosa, terapeuta e educadora sexual

Ana Gehring, fisioterapeuta pélvica e criadora do perfil Vagina sem Neura

Yasmine Sterea, empreendedora social e CEO do Free Free

Sexta-feira (23), 10h

"A era do autocuidado íntimo: um papo sobre autoconhecimento e minimalismo"

Mediação: Camila Brandalise, repórter de Universa

Andrea Menezes, ginecologista e obstetra

Isabel Dias, escritora

Laura Della Negra, fisioterapeuta especializada em assoalho pélvico

11h

"Ser mulher dói? Não é normal se sentir mal!"

Mediação: Bárbara dos Anjos Lima, editora de Universa

Participações: Bruna Rocha, vice-presidente da ONG CDD

Thais Emy Ushikusa, ginecologista e gerente médica de saúde feminina da Bayer

Vivi Duarte, CEO da Plano Feminino