PUBLICIDADE

Topo

"A única pessoa que duvidou de quem eu era foi um psicólogo", diz Linzmeyer

Nathália Geraldo

De Universa

11/06/2020 14h49Atualizada em 17/06/2020 11h21

Em debate promovido por Universa UOL, a atriz Bruna Linzmeyer falou sobre como foi se descobrir lésbica. A conversa teve como tema o Mês do Orgulho LGBTQIA+, com a participação de youtubers e artistas que contam sobre suas experiências relacionadas à orientação sexual, identidade e expressão de gênero.

Bruna também falou sobre a aceitação social que teve quando se revelou lésbica. "A única pessoa que um dia duvidou de quem eu era foi um psicólogo", afirmou a atriz, que disse usar o reconhecimento como artista para falar das pautas de diversidade.

"Não tem como separar o que é o meu amor do meu corpo, da minha vida. As coisas se misturam. Minha vivência atravessa quem eu sou artista. E eu tive oportunidade de poder falar", comentou, durante a conversa comandada por Angélica Morango, colunista de Universa.

"Nestes últimos cinco anos, as coisas têm mudado: a gente tem falado de forma mais simples e aberta sobre questões sexuais e de gênero. Em vim fazendo essa curva junto com o mundo. Um dia me apaixonei, essa pessoa era uma mulher e não tinha como não falar sobre isso", comentou.

Bruna ainda destacou que usa sua "passabilidade" lésbica, já que o público pode ter mais "respeito" por sua aparência, para falar de temas que considera delicados. "O fato de eu ser dentro do padrão, uma mulher branca, de olho azul, jovem, magra e atriz de televisão só ajudou. As pessoas olham para mim e veem essa beleza e, aí, eu consigo falar de coisas que são meio espinhosas. Até mesmo o uso da palavra sapatão; talvez seja mais fácil ouvir de mim do que de uma sapatão mais caminhoneira, por exemplo."

A atriz diz que tenta dialogar inclusive com pessoas que pensam diferente dela, em relação às vivências LGBTQIA+. "Eu faço esse tipo de negociação, por ter o público de grande alcance que eu tenho", diz. "Mas temos que estar sempre atentas, são poucos os lugares de relaxamento."

Veja o debate:

Diversidade