Topo

Personal organizer investe em loja virtual e fatura mais de R$ 1,3 mi/ano

A empreendedora Carol Rosa - Arquivo Pessoal
A empreendedora Carol Rosa Imagem: Arquivo Pessoal

Renata Turbiani

Colaboração para Universa

26/11/2019 04h00

A empresária Carol Rosa, 36, sempre gostou de manter cada coisa em seu lugar. Por conta disso, toda vez que tinha um tempinho, ajudava parentes e amigos a arrumar suas casas e a fazer outras tarefas relacionadas, como lista de mercado e malas para viajar.

Nessa época, apesar de já atuar de forma descompromissada como personal organizer, ela ainda não sabia que a profissão existia. "Só descobri quando minha mãe se mudou e, por conta do trabalho, não consegui ajudá-la na arrumação. Ela, então, procurou na internet alguém que pudesse fazer isso e aí descobri", conta.

Isso foi em 2012, e, naquele momento, Carol decidiu que essa era a carreira que queria seguir. Fez um acordo no escritório onde atuava como analista financeira e, em seguida, foi atrás de cursos para aprender mais e se profissionalizar. Logo depois, contratou uma pessoa para desenvolver seu site, marca e cartões de visita, e fez anúncios na internet. Nessa etapa investiu R$ 10 mil que tinha guardado.

"O início foi bem difícil, as pessoas não me conheciam, nem o trabalho de personal organizer. Demorou para aparecem os primeiros clientes. Tive de bater de porta em porta e aí consegui uma loja, que me indicou para outra e assim fui indo. No segundo ano, os trabalhos aumentaram e, no terceiro, já tinha certa estabilidade, com agenda fechada com um mês de antecedência. No quarto ano, já eram três meses", recorda.

Paralelamente, Carol publicava bastante coisa sobre sua rotina profissional no Instagram, e, segundo ela, as pessoas passaram a se interessar. Ali, a empresária enxergou uma oportunidade e montou um curso prático. De cara, registrou 40 alunos.

"A procura foi tanta que fiz um tour pelo Brasil. Dei aulas, em São Paulo, Belo Horizonte, Rio, Porto Alegre e Fortaleza", relata. Há dois anos, mirou no mercado internacional, e levou o treinamento para os Estados Unidos. No ano passado, foi a vez de Portugal.

Arquivo Pessoal
Imagem: Arquivo Pessoal

Isso fez com que ela também conquistasse clientes lá fora. "A maioria são brasileiros que conheceram meu trabalho na internet." Outra forma de espalhar conhecimento encontrada por Carol foi dar palestras para lojas sobre os benefícios da organização. Entre as que tiveram a sua presença estão Paola da Vinci e Christian Louboutin.

E-commerce e showroom

Em 2017, a personal organizer deu mais um passo como empreendedora e lançou o e-commerce Shop Carol Rosa. Novamente por enxergar uma possibilidade, não por planejamento. "Nem sempre eu achava os melhores produtos para usar no meu trabalho, então, desenvolvi alguns personalizados. Os primeiros foram dobradores para facilitar a dobra das roupas e, depois, colmeias organizadoras para gavetas e armários."

Após postá-los no Instagram, seus seguidores - que hoje somam 322 mil, se interessaram. De tanto insistirem, ela abriu as vendas pelo Whatsapp e por e-mail. "Só que isso dava muito trabalho, aí tive a ideia de montar a loja online." Na sua criação e na confecção das peças, o investimento foi de R$ 5.000.

No quarto mês, injetou mais R$ 10 mil e ampliou o estoque de oito para 50 produtos. Hoje, a loja virtual tem 200 itens cadastrados - sendo 30 da sua marca própria -, nas categorias organização, decoração e aromatizadores, com preços que partem de R$ 5,60. O faturamento bruto mensal é de R$ 30 mil.

No ano passado, a necessidade fez Carol agir de novo: "O site começou no meu quarto, que rapidamente ficou pequeno para acomodar o estoque. Passei para a sala, mas não dava para viver daquele jeito. A solução que encontrei foi alugar um box. Logo já estava com duas unidades, mas isso também não era o ideal, porque lá era difícil de embalar as peças e de ver o que tinha. Também tive perdas por quebra, já que tudo ficava meio empilhado. Decidi ir para uma casa".

O espaço, que acabou se transformando em um showroom, foi inaugurado em setembro de 2018 no bairro da Saúde, em São Paulo. Lá, estão à venda mais de 300 produtos para a organização da casa e do escritório e objetos exclusivos de decoração. Na sua montagem, a empresária colocou R$ 100 mil. As vendas somam cerca de R$ 20 mil por mês.

No local, Carol também montou um escritório onde dá os cursos, que agora são três (Baby Organizer, R$ 940; Organizando com Carol Rosa, R$ 940, e Profissionalizante para Personal Organizer, R$ 3.200). O faturamento bruto com eles é de mais de R$ 200 mil por ano. Com as palestras, R$ 20 mil, e, com a organização de residências, empresas e lojas, entre até R$ 600 mil.

Na lista de serviços que ela oferece estão organização de mudanças, residências (pode ser feita por cômodo ou completa), quarto do bebê, escritórios e documentos.

Até o final de 2020, ela quer ampliar a equipe, passando de cinco para 15 pessoas, desenvolver uma linha de organizadores de plástico com a sua marca e ampliar a atuação do showroom.

Mapa da mina