Topo

Stalkeadas

Um olhar diferente sobre o que bomba nas redes sociais


Esquerdomina: por que crítica de Yuri Marçal mexeu com mulheres no Twitter

Yuri Marçal publicou sátira no Twitter - Reprodução/Twitter
Yuri Marçal publicou sátira no Twitter Imagem: Reprodução/Twitter

Nathália Geraldo

De Universa

25/10/2019 04h00

O humorista e youtuber Yuri Marçal fez uma versão em vídeo de uma "esquerdomina", repetindo alguns bordões e comentários que, via de regra, são feitos por mulheres brancas a respeito das questões raciais e da vivências de homens e mulheres negras no cotidiano.

"Eu vi de perto a pobreza, quando fiz minha pós em Bangladesh", diz o ator, enquanto fala com um interlocutor imaginário e muda sua voz para interpretar a "esquerdomina". A sátira, com mais de 38 mil likes no Twitter, mexeu com as mulheres.

As que se identificariam com a mulher de esquerda retratada na gravação disseram que se sentiram "aliviadas" por não reproduzirem algum dos comentários racistas elencados pelo comediante, como "Meu cabelo é um pouquinho cacheado. Por isso eu, Pollyana Roffman Strudell, não me considero branca" e "eu acho a miscigenação uma coisa linda".

Vale lembrar que, para algumas mulheres negras, o fato de manter o cabelo natural — crespo ou cacheado — é considerado um ato de resistência e quebra do padrão de beleza feminino. O cabelo é assunto de outras duas frases reproduzidas por Yuri no vídeo.

"Nós mulheres temos que exaltar a beleza das nossas...Mas, poxa, Andressa, você podia colocar umas tranças, né?" e "Meu cabelo é um pouquinho cacheado, por isso que eu não me considero branca".

Parte dos comentários concordando com as provocações humoradas de Yuri veio de mulheres negras.

"Sou de Yemanja pq adoro praia é o AUGEEEEEEE", comentou uma, endossando a crítica do humorista sobre pessoas que não fazem parte dos preceitos do candomblé ou da umbanda, mas tentam se aproximar das práticas.

Yuri também comentou a percepção de muitas mulheres que colocam o machismo e o racismo no mesmo nível de preocupação social. "Eu entendo sua luta, até porque o machismo é igualzinho ao racismo", diz o humorista na gravação, satirizando. Uma seguidora rebateu essa lógica: "O vídeo ia super bem até ele achar uma brecha pra diminuir/ironizar a questão do machismo... São coisas que nem eu nem você temos o direito de colocar em uma balança", disse.

Veja o vídeo completo:

Comentários de mulheres

O discurso da "esquerdomina" levantou debate no Twitter ao mesmo tempo que arrancou várias risadas dos usuários — homens e mulheres. "Passei o dia todo na piscina, to pretinha" klkkkkkkkkklkk essa sim foi o auge", escreveu uma seguidora. "'Meu, certeza que eu nasci com a cor errada', a vez que eu escutei isso, revirei o olho tão forte que achei que não ia voltar mais", brincou outra.

"É esquerdobranca que chama?", comentou um usuário. "Agora tem que fazer da esquerdonegra que acha que sabe tudo sobre Umbanda por causa da cor, foi evangélica até os 19 anos mas mudou de religião depois que entrou pra Ciências Sociais", disse outra.

Uma das seguidoras do Twitter brincou com a parte em que Yuri fala sobre a "Neide, minha empregada".

"'A Neide minha empregada que não sabe oq é patriarcado O AUGE" uahuahausjjsjs conheço", comentou. E outra mulher respondeu: "Essa também foi a minha preferida!!!! E tenho dessas amigas! E quando digo que eu não tenho "servas" elas me dizem que também não têm, que 'a Neide é secretária'! E que precisam ajudar a Neide porque sem esse emprego ela não teria nada...".

Stalkeadas