Topo

Relacionamentos


Relacionamentos

A internet atrapalha sua relação? Saiba o que fazer para não estragar tudo

Claudia Dias

Colaboração para Universa

14/01/2019 04h00

O mundo virtual é uma mão na roda para driblar alguns problemas de relacionamento, como a distância geográfica, mas também pode ser uma bela cilada quando o comportamento online vira motivo de desconfiança, insegurança e mesmo brigas entre um casal.

O problema costuma surgir quando o tempo que antes era dedicado só à vida a dois passa a ser dividido com smartphones, tablets ou computadores conectados à internet. Às vezes, os momentos extras à frente da tela são gastos em diversão, informação ou trabalho. Em outros casos, as redes sociais entram em cena e viram palco de atitudes e comportamentos incômodos, que fazem relações estremecerem.

Sirleide Stinguel, sexóloga e terapeuta de casais, argumenta que "a era digital ainda é terra desconhecida para muitas pessoas, despertando curiosidades, aprendizados e, até mesmo, fetiches sexuais". Mas ali, no ambiente virtual, o que pode ser legal para alguém não necessariamente agrada o par.

"O prazer de mostrar fotos, cotidianos, ditar tendências e visualizar a vida 'perfeita' dos outros pode ser o desprazer de quem não curte esse tipo de comportamento", exemplifica.

Entre as situações comuns, que se revelam estopim para reclamações e desentendimentos, podemos listar:

  • Querer registrar tudo para postar nas redes sociais. Estar numa festa ou junto de gente querida ou mesmo só com o amor ao lado e ficar tirando fotos e fazendo vídeos para publicar instantaneamente afeta (muito!) a qualidade do tempo juntos, pois deixa-se de curtir o momento especial. "Além disso, nem todo mundo se sente confortável em ficar posando feliz para a câmera", comenta Sirleide.
  • Criar perfil falso para bisbilhotar. De acordo com a sexóloga, não é raro a insegurança e a desconfiança levarem à criação de uma conta fake. "Já ouvi no meu consultório sobre o parceiro desconfiado, que se passou por outro, elogiando e cantando a namorada em rede social, só para testar a fidelidade dela", relata.
  • Vigiar se o par está online o tempo todo. Não é apenas o fato de ficar checando se o status do outro está online a todo instante que é ruim. Pior de tudo é ficar imaginando que o crush está conversando com outras pessoas e criando um cenário "perturbador" de traição.
  • Monitorar as atitudes e comentários alheios. Querer controlar o que o par faz nas redes sociais e gastar horas acompanhando (ou tentando descobrir) os passos digitais também são situações que não agregam nada de bom ao relacionamento.

Para estes e outros comportamentos incômodos, o diálogo sempre é o melhor caminho, expondo os sentimentos sobre o que está incomodando e propondo um acordo que seja bom e confortável para os dois lados.

Detalhe: pode acontecer de a pessoa que está cometendo os excessos nem perceber que está agindo de maneira prejudicial à relação. Por isso, "quem está incomodado precisa comunicar seu parceiro e, juntos, chegarem a um consenso", como aponta Marcia Sando, psicoterapeuta, sexóloga e coach de relacionamentos.

Tenha uma conversa objetiva

Na hora de abordar o problema, Margareth Signorelli, precursora no Brasil em coach de relacionamento e Emotional Freedom Techniques, diz ser importante comunicar-se de forma bem objetiva, saudável e produtiva, apontando o que não está bem e pedindo mudanças.

Para quem acha a tarefa difícil, ela ensina o passo a passo:

1. A primeira atitude é sinalizar que quer falar sobre algo que está incomodando. Pergunte qual seria a melhor hora para conversarem sobre o assunto. "Desta forma a pessoa estará prestando a devida atenção nas suas questões", explica.

2. Depois, exponha claramente o que está lhe perturbando e como isso está afetando a relação - algo como: "Olha, eu tenho percebido que você está fazendo alguns comentários nas redes sociais que estão me incomodando. Eu me sinto de tal forma (descreva como se sente) e gostaria de lhe pedir para não fazer mais isto, pois realmente está me atormentando".

3. Se mesmo assim a pessoa continuar, diga saber que não pode obrigá-la a fazer algo que não queira, mas que precisa dizer como está se sentindo, apresentando de forma clara que isso atinge a relação e que pode ser motivo para um eventual afastamento."É importante comunicar o que irá fazer, não como uma ameaça, mas mostrando o quanto é importante o que está acontecendo. Se a pessoa não mudar, cumpra o que disse", sugere a especialista.

Faça uma autoanálise

Atitude bem importante, sobretudo por parte de quem está exagerando nas ações virtuais, é ter bom senso e empatia, como lembra Livia Marques, coach, psicóloga organizacional e clínica, com foco em terapia cognitiva comportamental. "Coloque-se no lugar do outro e avalie se você gostaria de estar recebendo o comportamento que está adotando", pontua.

Não se pode ignorar, ainda, quem tem um comportamento que desperta suspeita, mas age com propósitos diferentes. É o caso de pessoas que escondem o que estão fazendo por medo, conforme identifica Celma Coji, psicóloga e terapeuta quântica do sistema Bioluz.

"Há quem faça isso por medo do parceiro. Ela acessa a internet para ver algum filme, ler uma reportagem, jogar um pouco e, de repente, escuta que o par está chegando e começa esconder rápido o que estava fazendo, ficando nervosa e agitada, o que chama atenção e desperta curiosidade, dúvidas e ciúmes", descreve.

Segundo a especialista, a pessoa pode não estar fazendo nada de mau, mas esconde a realidade para não chatear ou revelar um comportamento que o outro não aprova. "Um relacionamento não é prisão e cada um pode e deve ter seus hobbies, mas o medo leva à falta de diálogo, de transparência, de um saber mais o que o outro gosta", comenta.

Em situações do gênero, segundo a especialista, pode ser necessária ajuda profissional para se cuidar e entender e melhorar a autoconfiança.