PUBLICIDADE

Topo

Sexo

Tumblr excluirá conteúdo sexual; mulheres reclamam de perder fonte de pornô

A rede social Tumblr bloqueará conteúdo adulto a partir do dia 17 de dezembro - iStock
A rede social Tumblr bloqueará conteúdo adulto a partir do dia 17 de dezembro Imagem: iStock

Jacqueline Elise

Da Universa

12/12/2018 04h00

A rede social Tumblr decidiu que bloqueará todo conteúdo considerado adulto a partir do dia 17 de dezembro. A decisão veio após o aplicativo do Tumblr ter sido deletado da Apple Store por ser considerado "impróprio para menores". O site já vinha, há tempos, sofrendo problemas com contas-fantasma, chamadas de bots, que seguiam contas reais na plataforma, publicavam fotos de conteúdo sexual e, muitas vezes, materiais envolvendo pornografia infantil. A administração da rede não deletava estas contas, apesar de inúmeras denúncias dos usuários.

A decisão do Tumblr é tão radical que nem fotos de amamentação, resultados de mastectomia ou de cirurgias de redesignação sexual serão permitidas a partir de agora. Com o anúncio, muitos se revoltaram porque tinham encontrado, no Tumblr, uma forma de achar conteúdo pornô diferenciado e sem precisar procurar tanto em sites adultos. Os usuários reclamam que deveria haver uma moderação do conteúdo, excluindo apenas o material criminoso (como pedofilia), e não a remoção de todo o material erótico --que agradava, em especial, as mulheres, que tinham a rede social como fonte de material pornô voltado para elas.

Era o caso da profissional de marketing Andressa*, de 24 anos. Ela conta que o conteúdo erótico postado no site atendia muito mais seus interesses do que os sites pornográficos comuns. "É algo muito estranho você consumir esses conteúdos eróticos sendo mulher, porque a maioria dos sites estão voltados totalmente para o público masculino", pensa. "No Tumblr, eu acabava encontrando conteúdos que não me traziam tanto desconforto quanto em outros sites".

O que ela mais gostava na busca por pornografia no site era da "possibilidade de você descobrir fetiches, a chance de conhecer coisas novas era maior do que em sites como o Xvideos, por exemplo". Andressa diz que tem "um pouco de raiva e nojo" de plataformas pornô comuns.

Gifs, vídeos e nu artístico atraíam o público feminino

A administradora de empresas Caroline*, de 26 anos, gostava de procurar material erótico no Tumblr por um diferencial: os gifs. "Eu prefiro para deixar a imaginação rolar [com os gifs]. Acredito que a galera usava o Tumblr pela facilidade de acesso, e era uma comunidade que tinha os mesmos gostos, e sem julgamentos", diz. Ela gostava da praticidade de achar exatamente o que procurava (conteúdo que incluía BDSM, sexo gay e contos eróticos diversos) e sem a desvantagem de pegar um vírus no computador. Caroline afirma que, depois do bloqueio, ela usará mais o Twitter (que ainda permite contas pornô em sua plataforma) para encontrar o que gosta, mas sabe que não será a mesma coisa.

Larissa*, de 20 anos, gostava muito de favoritar vídeos eróticos na rede social, e a usava por ser mais discreta e segura. "Apesar de eu não interagir muito e procurar mais por vídeos mesmo, fotos e gifs eram uma novidade do Tumblr. Como a postagem ou compartilhamento acontecem nos blogs, tem a questão pessoal, a personalidade da pessoa que está administrando e isso, às vezes, canaliza o conteúdo", conta a estudante. Ela diz que, com o bloqueio, provavelmente procurará vídeos pornôs em "algum site feito por mulheres e para mulheres".

Karine*, de 26 anos, usava o site especialmente pelo conteúdo que ela chama de "diferenciado": "Agora não tenho ideia de onde procurar, porque muito do pornô no Tumblr tem um quê de artístico, também. Não é a mesma coisa que procurar em site pornô", afirma.

A rede social brasileira que quer salvar o pornô no Tumblr

Na última segunda-feira (10), a rede social para adultos Sexlog anunciou que tem interesse em comprar o Tumblr para evitar o bloqueio do conteúdo pornográfico no site e oferecer uma chance de moderar o conteúdo para que não haja mais proliferação de material criminoso.

Mayumi Sato, diretora do Sexlog, reconhece no Tumblr um diferencial para publicação e compartilhamento de pornografia, especialmente porque boa parte do conteúdo era produzido por mulheres e LGBTs. "Nos sites de pornô comuns, a gente nem pode falar que tem uma 'curadoria' por trás, mas quem escolhe o que está ali são homens. No Tumblr tinha a oportunidade das pessoas criarem seu conteúdo erótico e artístico", afirma.

Para Sato, "está muito claro que a decisão de deletar o conteúdo adulto é mais motivado por questões de moral e tabu do que necessariamente por falta de ferramenta para moderar o conteúdo". Ela também confirma que já existe tecnologia que permitiria o bloqueio de material relacionado à pedofilia.

"No Sexlog, que é a maior rede social de sexo com mais de 10 milhões de pessoas cadastradas, a gente garante que não tem conteúdo relacionado a pedofilia no site. O que a gente fez foi desenvolver uma inteligência artificial, além da moderação normal. A comunidade se automodera, então, quando surge alguma coisa que pode ser relacionada à pedofilia, tem denúncia, a gente já bloqueia, tira do ar e checa depois. Este processo funciona muito bem", explica a diretora.

Ela diz que o Sexlog está em contato com o departamento jurídico do Tumblr para marcar uma conversa sobre a compra. A intenção é, se não acontecer a incorporação total do Tumblr, que eles pelo menos possam cuidar da moderação do conteúdo explícito publicado no site. "Só não gostaríamos de perder esse 'oásis' que a gente tem. Ele é valioso para a sociedade com um todo e perder um espaço como esse leva as pessoas de volta à marginalização da sexualidade", conclui Sato.

*Os nomes foram trocados para garantir o anonimato

Sexo