Topo

Universa


Universa

Fotógrafa britânica revela histórias por trás das cicatrizes de anônimos

Projeto #BehindTheScars (por trás das cicatrizes) - Reprodução/Instagram
Projeto #BehindTheScars (por trás das cicatrizes) Imagem: Reprodução/Instagram

do UOL

24/09/2017 21h04

Cada cicatriz carrega consigo uma história muito particular e foi pensando nisso que a fotógrafa Sophie Mayanne, de Londres, decidiu começar o projeto #BehindTheScars (por trás das cicatrizes). Seu intuito é celebrar todos os formatos e tamanhos de marcas e fazer com que as pessoas que as carregam parem de se esconder.

Em seu perfil pessoal de Instagram, que conta com 19 mil seguidores, ela não só compartilha as fotografias de pessoas anônimas exibindo suas cicatrizes, como os relatos que explicam cada uma delas. Os motivos são os mais variados -- doença, cirurgia, acidentes.

Emma Evelyn, por exemplo, ficou marcada em 2014, um período difícil de sua vida. “Briguei com vários amigos, perdi meu trabalho e estava no fim de uma separação conturbada. Numa noite, depois de alguns shots de tequila, cai de uma sacada no segundo andar”, contou ao exibir suas marcas. Apesar de não saber exatamente o que aconteceu, ela garante que o acidente mudou sua vida de maneira positiva ao forçá-la a mudar de vida. E as cicatrizes no pulso a fazem lembrar disso.

 

Uma publicação compartilhada por SOPHIE MAYANNE (@sophiemayanne)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

em

Uma outra participante, conta que aos 7 anos de idade sobreviveu a uma explosão de gás, que a deixou com marcas de queimadura pelo rosto. Por isso, precisou se submeter a 27 cirurgias de reconstrução.

 

Uma publicação compartilhada por SOPHIE MAYANNE (@sophiemayanne)

 

 

 

 

 

 

em

Iris perdeu os dedos quando ainda era bebê, aos 5 meses de vida, durante um incêndio atingir sua cama durante um cochilo. “Levei um ano para me recuperar no hospital e 25 anos para aceitar”, conta exibindo sua mão.

 

A post shared by SOPHIE MAYANNE (@sophiemayanne)

 

 

 

on

Mary se automutila desde os 11 anos de idade. O problema se tornou ainda mais sério quando ela completou 14.  Ela lutou contra seus impulsos bravamente até o ano passado, quando perdeu grande parte da sensibilidade de seu braço esquerdo.

Depois de contar histórias tão tocantes na Inglaterra, Sophie Mayanne planeja agora embarcar para Nova York e encontrar uma porção de novos relatos tocantes, que possam inspirar e ajudar mais pessoas.

Mais Universa