PUBLICIDADE

Topo

Universa

Naomi Campbell não ganhou tanto dinheiro quanto as tops brancas, diz ex-agência da top

05/02/2008 17h08

Londres, 5 fev (EFE) - Naomi Campbell, uma das modelos negras mais famosas do mundo, afirmou hoje à imprensa britânica que o mundo das passarelas ainda é muito racista e lamenta que "as mulheres negras não estejam na moda".

Em entrevista ao jornal "The London Paper", a top, a primeira modelo negra a aparecer na capa da "Vogue" francesa e britânica, critica a falta de modelos negros nas revistas e nos desfiles, o que atribui ao fato das pessoas muitas vezes "não saberem apreciar a beleza negra".

"Em alguns casos, as modelos negras são ignoradas pelas principais agências", disse a top, que já desfilou (e ainda desfila) para os estilistas e marcas mais importantes do mundo.

"A moda deve voltar à época em que estilistas maravilhosos como Yves Saint Laurent, Gianni Versace e Azzedine Alaia tinham uma grande representação de mulheres belas brancas, negras, chinesas ou hispânicas", afirma.

Naomi, de 37 anos, confessa que suas colegas na época, como Linda Evangelista e Christy Turlington, a ajudaram a seguir em frente, já que enfrentaram estilistas que não queriam contratá-la.

"Elas diziam, 'se não pegar a Naomi para seu desfile, eu também não quero desfilar'", conta a top.

"A única razão pela qual consegui a capa da 'Vogue' francesa foi porque Yves Saint Laurent lhes chamou e disse que retiraria seus anúncios se não me colocassem", revela.

Carole White, a diretora da agência Premier, que representou a modelo durante 17 anos, denuncia também ao "London Paper" o racismo existente no negócio.

"Uma mulher negra tem que ser perfeita para conseguir trabalho", explica, e destaca que as pessoas que escolhem as meninas para os desfiles não querem modelos "étnicas".

Como exemplo, diz que mostrou "uma foto de uma menina negra nova a um agente em Milão e ele disse que 'Em Milão, não temos meninas negras, é impossível".

"As meninas negras não fazem dinheiro, inclusive Naomi Campbell não ganhou tanto dinheiro quanto as meninas brancas, sempre lhe ofereciam menos", acrescenta.

Universa