Topo

Os homens estão prontos para tomar pílula anticoncepcional?

Levou apenas uma década para a pílula feminina estar amplamente disponível após ser criada - Getty Images
Levou apenas uma década para a pílula feminina estar amplamente disponível após ser criada Imagem: Getty Images

Lisa Campo-Engelstein*

Da BBC

22/10/2019 12h58

Os cientistas estão desenvolvendo há quase meio século uma pílula anticoncepcional masculina.

Mas, apesar da notícia animadora, a venda sem receita médica do contraceptivo não estará disponível tão cedo.

A falta de financiamento e o suposto desinteresse dos homens explicam por que a pílula ainda não foi produzida em grande escala. Em vez disso, ainda se espera de uma maneira geral que as mulheres assumam a responsabilidade de não engravidar.

Pesquisas sugerem, no entanto, que muitos homens tomariam a pílula anticoncepcional se ela estivesse disponível.

Um terço dos britânicos sexualmente ativos diz que cogitaria usar um método contraceptivo hormonal, como a pílula ou implante. Trata-se da mesma porcentagem de mulheres britânicas que tomam atualmente o medicamento.

Oito em cada dez pessoas entrevistadas na pesquisa afirmam que a contracepção deveria ser uma responsabilidade compartilhada.

Enquanto isso, 77% dos americanos sexualmente ativos com idade entre 18 e 44 anos — estão "muito ou de alguma forma" interessados — em experimentar um contraceptivo masculino, que não seja camisinha ou vasectomia.

Será então que a aceitação do público, juntamente com o relaxamento dos papéis de gênero, poderia transformar a pílula masculina em realidade?

Que contraceptivo é mais comum no mundo?

Pouco mais de um terço dos casais em idade reprodutiva ao redor do mundo não usam nenhum método contraceptivo, de acordo com um estudo da Organização das Nações Unidas (ONU).

Mas quando usam, os contraceptivos femininos são de longe a opção mais comum.

Cerca de 19% das mulheres casadas ou em relacionamentos estáveis recorrem à esterilização, 14% ao DIU, 9% à pílula e 5% a injeções.

Contraceptivos que envolvem diretamente os homens são muito menos comuns; 8% usam camisinha e apenas 2% recorrem à vasectomia.

Mas nem sempre foi assim.

Antes da pílula, os homens tinham que participar da contracepção, usando, por exemplo, camisinha.

Quando a pílula feminina foi produzida em grande escala pela primeira vez no início dos anos 1960, as mulheres puderam controlar sua fertilidade sem o envolvimento ou conhecimento de seu parceiro sexual.

Hoje, mais de 100 milhões de mulheres tomam pílula — é a forma mais comum de contracepção na Europa, Austrália e Nova Zelândia. É o segundo método anticoncepcional mais popular na África, América Latina e América do Norte, e o terceiro mais popular na Ásia.

Ao longo das décadas, a pílula foi libertadora para muitas mulheres, permitindo que adiassem ou evitassem a maternidade em prol de outras oportunidades, como educação superior e emprego.

Essa é uma das razões pelas quais a pílula é frequentemente vista como um marco importante para os direitos das mulheres e uma das maiores invenções do século 20.

Mas, à medida que a sociedade avança em direção a uma maior igualdade de gênero, é surpreendente que as mulheres continuem tendo de arcar com os encargos emocionais, sociais e financeiros da contracepção, sem mencionar os efeitos colaterais.

Por que ainda não existe uma pílula masculina?

Levou apenas uma década para a pílula feminina estar amplamente disponível após ser criada.

Então, por que está demorando tanto para a pílula masculina, que foi testada pela primeira vez na década de 1970, ser comercializada?

Alguns cientistas afirmam que a ciência do desenvolvimento de anticoncepcionais masculinos é mais complicada que a de contraceptivos femininos.

A pílula masculina funciona interrompendo a produção de esperma, mas o nível de hormônio necessário para fazer isso pode causar efeitos colaterais.

Também há fatores sociais e econômicos em jogo.

O campo da ciência e da medicina reprodutiva se concentrou principalmente no corpo das mulheres, negligenciando os homens. Por exemplo, praticamente todo mundo sabe o que um ginecologista faz, mas relativamente pouca gente já ouviu falar do andrologista, médico especializado no sistema reprodutor masculino.

A pesquisa sobre a pílula anticoncepcional masculina não só começou depois da feminina, como também foi atrasada pela falta de financiamento.

Isso acontece em parte porque as empresas farmacêuticas, órgãos reguladores e os próprios homens parecem ser menos tolerantes aos possíveis efeitos colaterais.

Embora certos sintomas sejam considerados aceitáveis — no caso dos contraceptivos femininos, uma vez que são comparados com o risco de uma gravidez, eles são frequentemente vistos como motivo para não usar contraceptivos masculinos, já que a base de comparação são jovens saudáveis.

Além disso, os efeitos colaterais comuns da pílula feminina — como ganho de peso, alterações de humor e redução da libido — são vistos com frequência como sinônimo de perda da virilidade para homens.

As pesquisas sobre a "clean sheets pill" (pílula dos lençóis limpos), contraceptivo masculino que impede a liberação de sêmen durante o orgasmo, estagnaram por razões semelhantes — uma vez que a ejaculação é vista como um componente importante da sexualidade masculina.

Até que ponto as mulheres vão confiar nos homens em relação à contracepção é outro fator que costuma ser mencionado como obstáculo.

Pesquisas feitas há várias décadas indicam, no entanto, que mulheres em relacionamentos duradouros tendem a confiar em seus parceiros homens — mas relutam quando se trata de sexo casual.

Responsabilidade da mulher?

Como a contracepção é vista como "responsabilidade das mulheres", existe a suposição de que os homens não vão usar métodos anticoncepcionais.

No entanto, os papéis de gênero estão mudando, e os homens tendem hoje em dia a compartilhar mais as responsabilidades domésticas e de criação dos filhos.

Esse reequilíbrio pode se estender à contracepção — estudos indicam que homens mais jovens são mais propensos a encarar isso como uma responsabilidade compartilhada.

Certos grupos de homens, especialmente aqueles que são mais instruídos, abastados e dão menos importância aos papéis tradicionais de gênero, têm mais chance de apoiar — e até mesmo ansiar — pela contracepção masculina.

Embora seja bem-vinda, a disponibilidade de uma pílula masculina não garantirá seu uso, um problema que também pode ser observado nas taxas de esterilização. Embora a vasectomia masculina tenha sido criada há quase 200 anos, a esterilização feminina é 10 vezes mais comum em todo o mundo, apesar de ser menos eficaz, mais cara e mais propensa a complicações.

Uma maior igualdade de gênero é o primeiro passo necessário para acabar com as barreiras sociais e econômicas ao desenvolvimento de contraceptivos masculinos.

Estamos esperando há 50 anos por uma pílula masculina — não podemos esperar por mais 50.

BBC 100 Women

*Este artigo foi encomendado pela BBC a uma especialista que trabalha para uma organização externa.

Lisa Campo-Engelstein, uma das 100 mulheres do BBC 100 Women 2019, é uma bioeticista especializada em ética reprodutiva. É professora associada do Alden March Bioethics Institute e do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia do Albany Medical College, em Nova York.

O BBC 100 Women divulga todos os anos uma lista de cem mulheres inspiradoras e influentes de todo o mundo.

Neste ano, o mote da nomeação foi: Como seria o futuro se ele fosse comandado por mulheres?

De uma arquiteta que está planejando reconstruir a Síria à gerente de um projeto da Nasa para explorar Marte, muitas das mulheres incluídas na lista estão testando os limites em seus campos de atuação.

Outras, como uma política "fantasma" que desafia a máfia e jogadoras de futebol combatendo a misoginia, estão usando suas experiências de vida extraordinárias para abrir o caminho para outras e outros.

Duas brasileiras estão entre as eleitas deste ano: a filósofa Djamila Ribeiro e a deputada federal Tábata Amaral (PDT-SP).

Direitos da mulher