Topo

Transforma

Mulheres protagonizam um mundo em evolução


Viúva de Marielle discursa durante ato de mulheres no Rio de Janeiro

08.03.2019 - Mônica Benício, viúva da vereadora assassinada Marielle Franco, durante ato na Candelária, no Rio de Janeiro (RJ), durante o Dia Internacional da Mulher. - Jose Lucena/Futura Press/Estadão Conteúdo
08.03.2019 - Mônica Benício, viúva da vereadora assassinada Marielle Franco, durante ato na Candelária, no Rio de Janeiro (RJ), durante o Dia Internacional da Mulher. Imagem: Jose Lucena/Futura Press/Estadão Conteúdo

Fábio Grellet

Rio de Janeiro

09/03/2019 08h49

A arquiteta Mônica Benício, viúva da vereadora Marielle Franco (PSOL), assassinada no Rio de Janeiro em 14 de março de 2018, afirmou que "não existe democracia no Brasil enquanto o assassinato de Marielle não for esclarecido". Ela discursou durante o ato em homenagem ao Dia Internacional da Mulher promovido no centro do Rio na noite desta sexta-feira (8). 

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) também foi alvo de muitas críticas. Na última terça-feira (5), ele postou no Twitter um vídeo em que homens praticavam atos obscenos durante a passagem de um bloco de carnaval em São Paulo, e afirmou que "é isto que tem virado muitos blocos de rua no carnaval brasileiro".

Em referência a esse comentário de Bolsonaro, a deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ) afirmou que "pornográfico não é o carnaval, mas sim a cabeça do presidente, dos filhos dele, pornográfica é a política que ele faz".

O ato reuniu uma multidão ao redor da igreja da Candelária, a partir das 16h. Às 18h15 o grupo começou a caminhar pela avenida Rio Branco em direção à Cinelândia.

Os manifestantes -- a maioria, mulheres -- cobraram o esclarecimento do assassinato de Marielle, cuja morte vai completar um ano daqui a dez dias, sem que tenha sido solucionado. O grupo também protestou contra a reforma da Previdência proposta por Bolsonaro.

Muitas faixas e cartazes pediam a libertação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), e também houve muitas críticas a Damares Carvalho, pastora evangélica e ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos.

O ato foi organizado por diversas entidades da sociedade civil e divulgado por meio das redes sociais. Em um carro de som, lideranças dessas entidades discursaram - o esclarecimento do assassinato de Marielle foi a cobrança mais constante.

Marielle

O assassinato da vereadora voltou a ganhar destaque durante o carnaval, em função da homenagem que a escola de samba Estação Primeira de Mangueira prestou a Marielle.

A agremiação ganhou o título do desfile carioca após emocionar o público no sambódromo apresentando um enredo sobre heróis populares não exaltados pelos registros oficiais. Marielle foi homenageada tanto na comissão de frente como na última ala. A viúva da vereadora, Mônica Benício, também desfilou.

Mais Transforma