PUBLICIDADE

Topo

Nina Lemos

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Calabresa: ao não expor ligação com Melhem, denúncia pode ser comprometida

só para assinantes
Nina Lemos

Nina Lemos é jornalista e escritora e mora em Berlim. É feminista das antigas e uma das criadoras do 02 Neurônio, que lançou cinco livros e teve um site no UOL no começo de 2000. Foi colunista da Folha de S. Paulo, repórter especial da revista Tpm e blogueira do Estadão e do Yahoo. Escreveu também o romance "A Ditadura da Moda".

Colunista de Universa

16/06/2022 13h30

Há dois anos, uma reportagem na revista "Piauí" expôs em detalhes abusos que seriam praticados pelo humorista e diretor Marcius Melhem, então diretor do núcleo de humor da TV Globo. A denúncia mostrava assédios (moral e sexual) cometidos contra ao menos 12 mulheres. Em janeiro de 2021, Daniella Calabresa, mais seis mulheres, formalizaram denúncias contra Melhem ao Ministério Público por assédio, importunação sexual, relação abusiva, abuso de poder, comportamento impróprio e constrangimento.

Dani Calabresa, apesar de não ser a única a acusar o ex-diretor, ficou conhecida como o principal símbolo do caso. Pois bem, uma reportagem publicada nesta quinta-feira (16) na coluna de Ricardo Feltrin aqui no UOL mostrou mensagens trocadas entre os dois. A estratégia de Melhem é mostrar que os dois tinham uma relação consensual. E, para isso, usa cerca de 270 mensagens trocadas entre eles, segundo a reportagem.

As mensagens mostram que os dois tinham, pelo menos na época, uma relação amistosa, que chegava a ser afetuosa e tinha direito a beijos trocados e risadas mútuas sobre as "loucuras" cometidas.

Nas redes sociais, Daniella passou a ser chamada por alguns de "Amber Heard" brasileira. Não é para tanto. Mesmo. Mas, ao não explicitar a intimidade que pelo jeito tinha com Melhem, Daniella criou um problema não só para si mesma, mas também para outras mulheres que acusam o diretor.

Ter relação não impede abuso

Ter uma relação com alguém não impede que você seja vítima de abuso por ela. De jeito nenhum. É mais comum do que gostaríamos, por exemplo, que o sujeito com quem você tem um relacionamento, de vez em quando, não aceite quando você diz não e passe a te assediar. Ou que você beije alguém em uma festa e essa pessoa vire seu abusador. O abuso e o assédio não deixam de ser crime por causa disso. E a culpa também não passa a ser da mulher.

Mas se esse é o caso, e é o que as mensagens expostas nos fazem imaginar, Dani Calabresa e sua defesa podiam ter deixado isso claro.

Dani, ainda de acordo com a reportagem de Ricardo Feltrin, afirma que "fingia que não percebia os excessos" e que "fingia normalidade para preservar sua carreira".

É superpossível. Sim, muitas vezes mulheres "se fazem de loucas" para lidar com abusos. Ainda mais se uma tentativa de flerte vem, por exemplo, de um chefe.

Isso acontece bastante. Mas, repito, se for esse o caso, não teria sido melhor que Daniela e sua defesa tivessem deixado isso claro desde o início do processo?

Não, nenhuma mulher tem obrigação de se expor ao fazer uma denúncia. Mas, no caso de Dani, uma celebridade, era claro que sua vida seria vasculhada e ela seria exposta. O fato de as mensagens entre Dani e Melhem terem vazado prova isso.

Resultado: agora, suas denúncias, que podem, sim, ser verdadeiras, assim como as de outras vítimas, ficam comprometidas. É fácil que muitos olhem para as denúncias e digam: "ah, mas ela mentiu. Então nada do que acusa é verdade".

Teria sido muito melhor para ela e todas as vítimas que os detalhes tivessem sido contados à época da denúncia. Se eles flertaram, era só falar que isso aconteceu, mas que em certo momento virou abuso.

Tudo o que não precisamos no momento, ainda mais depois do caso Amber Heard e Johnny Depp é que vítimas de abuso sejam desacreditadas. Ainda mais em um caso famoso como esse. É ruim demais para todas as mulheres que sofrem abusos e têm a coragem de denunciar.